Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 03 Julho |
São Raimundo Gayrard
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Como os monges mais silenciosos do mundo encaram a própria morte

Como os cartuxos encaram a própria morte

Vincenzo Carducci | Domínio Público (via Wikimedia Commons)

Francisco Vêneto - publicado em 03/01/22

Os cartuxos cavam as sepulturas que acolherão os corpos da comunidade, as quais não trazem identificação nenhuma

Pensar na própria morte é uma sábia recomendação da espiritualidade cristã desde os seus primórdios, pois, necessariamente, pensar na morte envolve pensar nesta vida e na futura. Poucos cristãos, porém, parecem praticar esta recomendação tão a fundo quanto os monges cartuxos.

O jornalista francês Nicolas Diat, diretor de coleção da prestigiosa editora Fayard, é autor de um livro excepcional sobre o fim da vida nos mosteiros, “Un temps pour mourir“, ou “Tempo para morrer“, lançado em francês pela mesma casa editorial. Diat, diga-se de passagem, também assina quatro livros em parceria com o cardeal Robert Sarah, ex-prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos: “Deus ou nada” (2015), “A força do silêncio” (2016), “A noite se aproxima e o dia já declinou” (2019) e “Do profundo de nosso coração“, este último com a participação de ninguém menos que o Papa Emérito Bento XVI.

Quem tem tempo para morrer?

Em “Tempo para morrer“, Diat relata as visitas que fez a oito mosteiros masculinos contemplativos franceses para tentar entender como o monge cristão enfrenta o mistério da morte e que tipo de mensagem os mosteiros podem transmitir ao homem ocidental pós-moderno, tão despreparado para lidar com a morte em geral e com a própria morte em especial.

Entre as famílias monásticas mencionadas na obra aparece a dos cartuxos, monges de rígida vida de clausura, cuja ordem fundada por São Bruno há quase mil anos é conhecida como a mais austera e silenciosa da Igreja Católica.

Como os cartuxos encaram a própria morte

Numa passagem do livro que tem sido compartilhada por diversas páginas católicas, Diat afirma que “os cartuxos não têm medo de deixar este mundo”. Ele comenta, para exemplificar, que o cemitério dos mosteiros cartuxos fica em pleno claustro central, o que faz com que, todos os dias, desde o noviciado, a comunidade precise caminhar por ali a fim de chegar à igreja. Quando morre um cartuxo, prossegue o relato, toda a comunidade se reúne na cela do falecido para recolher o corpo e conduzi-lo em procissão até a igreja, em cujo coro os monges oram por sua alma ao lado do corpo deitado ao chão.

“O verbo ‘enterrar’ assume todo o seu significado”

As sepulturas do cemitério são cavadas pelo próprios cartuxos e a elas são descidos os corpos presos apenas a uma simples tábua. Como o cemitério não é grande, os monges reacomodam com as próprias mãos os crânios e ossos das sepulturas mais antigas, a fim de abrir espaço para os corpos de quem faleceu mais recentemente. Diat acrescenta que, tradicionalmente, quem segura a cruz processional e a coloca ao pé da sepultura é o noviço que entrou por último no mosteiro, de modo que é ele quem vê de mais perto o corpo do falecido e o capuz baixado sobre a sua face – face que, aliás, conforme antigas diretrizes da cartuxa que remontam ao início do século XII, fica voltada para a igreja conventual. O noviço que portou a cruz processional tem ainda a oportunidade de observar com mais nitidez a tarefa dos quatro cartuxos a quem o prior escolheu para jogarem as pás de terra sobre o corpo do irmão falecido, gesto com o qual “o verbo ‘enterrar’ assume todo o seu significado”. A comunidade aguarda até que a sepultura seja toda preenchida de terra.

A passagem para a vida eterna deve ser celebrada

Nicolas Diat registra que, desde a fundação da ordem cartuxa, os dias de funeral são vividos como celebrações pela comunidade: caso sejam dias de jejum, o jejum é cancelado; caso sejam dias ordinários, os cartuxos almoçam juntos no refeitório em vez de sozinhos na própria cela, e, à noite, agora sim cada um na sua cela, fazem outra refeição completa em vez de jantarem frugalmente. Depois do sepultamento, eles se reúnem na sala capitular e ouvem do prior um sermão que recorda a vida do falecido. Segue-se então um tempo de recreação em que os próprios monges, normalmente observantes do silêncio absoluto, conversam sobre o irmão que acaba de partir para a eternidade. Eles também podem entrar na capela dos mortos para meditar sobre a própria morte junto aos ossos dos primeiros cartuxos, dos séculos XI e XII. A essa mesma capela, nos dias de caminhada ao ar livre, os monges se dirigem para rezar antes de rumarem às trilhas da montanha.

Túmulos sem nome

As sepulturas do cemitério cartuxo não trazem nome algum. De um lado, as cruzes finas e pretas de madeira indicam os túmulos de padres e religiosos, enquanto, do outro, cruzes de pedra apontam “a última morada terrena dos priores”. Tanto na vida quanto na morte, os cartuxos escolhem desaparecer completamente aos olhos do mundo – e, após a própria morte, também aos olhos dos próprios irmãos. É tamanho o anonimato que, ao passar do tempo, a comunidade acaba incapaz de informar com precisão qual é o túmulo de um determinado monge em seu cemitério. Os cartuxos, observa Diat, morrem sem deixar vestígios: “o esquecimento se segue imediatamente à morte”.

Dois relatos impactantes

O jornalista francês acrescenta dois relatos impactantes sobre o quanto os cartuxos se devotam a Deus a ponto de desaparecerem de modo praticamente absoluto aos olhos do mundo.

Diat escreve que, no século XIX, os monges de uma cartuxa cavavam uma cova quando acharam o corpo de um companheiro sepultado havia décadas, mas ainda perfeitamente preservado. Eles foram de imediato avisar ao prior, que, sem pestanejar, determinou: “Fechem a sepultura, cavem próximo dela e não contem sobre isto a ninguém”.

Antes ainda, no século XVII, começaram a contar-se milagres ocorridos junto ao túmulo de um irmão que morrera com fama de santidade e fora sepultado no cemitério da antiga cartuxa de Paris, local ocupado hoje pelos Jardins de Luxemburgo. O prior do mosteiro foi então até o local e ordenou ao falecido: “Em nome da santa obediência, eu te proíbo de fazer milagres”. Nicolas Diat finaliza: “Os fenômenos extraordinários cessaram imediatamente”.

Tags:
História da IgrejamongesMortevida eternaVocação
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia