Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 24 Janeiro |
São Feliciano de Foligno
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Menina católica sequestrada por muçulmano volta a viver com os pais

Menina católica ARZOO RAJA sequestrada por muçulmano

Aid to the Church in Need

Arzoo Raja com o padre católico da sua comunidade, no dia da sua Primeira Comunhão

Francisco Vêneto - publicado em 03/01/22

A jovem tinha 13 anos quando foi obrigada por um vizinho de 44 a se "converter" ao islã e se casar com ele

Voltou recentemente a viver com os pais uma menina católica sequestrada por um muçulmano adulto em outubro de 2020 no Paquistão: Arzoo Raja tinha meros 13 anos quando foi sequestrada por Azhar Ali, de 44 – ou seja, mais que o triplo da idade dela. O raptor, que era vizinho da família da jovem, forçou a menina a se converter ao islamismo e a se casar com ele.

A família de Arzoo acionou imediatamente a justiça paquistanesa, o que não costuma ser garantia de grande coisa num país que ostenta leis escancaradamente favoráveis à maioria muçulmana, relegando os cristãos, na prática, a serem tratados como cidadãos de segunda categoria.

A assim chamada “legislação antiblasfêmia”, por exemplo, está na raiz de incontáveis abusos, perseguições, processos e condenações sumárias contra cristãos, como ocorreu no caso da também católica e mãe de família Asia Bibi: ela chegou a ser condenada ao enforcamento após ter sido acusada de supostas blasfêmias contra o islã, as quais nunca foram comprovadas. Depois de passar o inacreditável período de quase 10 anos presa à espera da execução, ela foi inocentada e libertada graças à intensa pressão internacional a seu favor. O caso, de fato, repercutiu mundialmente. Hoje, Asia Bibi vive com a família fora do Paquistão.

Menina católica sequestrada por muçulmano

No tocante à jovem Arzoo, que hoje tem 14 anos, ela foi transferida ainda no final de 2020 para um abrigo de menores, enquanto o caso grotesco do seu casamento forçado era lentamente analisado pela justiça paquistanesa. Finalmente, segundo informações da agência Fides, o Tribunal Superior da província de Sindh autorizou o regresso da menina católica à casa dos seus pais, em 22 de dezembro de 2021.

Assustada, a jovem agora afirma que a sua conversão ao islã foi “voluntária”. Os pais tiveram que se comprometer perante a justiça a não pressioná-la a respeito da religião. Apesar disso, a comunidade católica se alegrou com a sentença que permitiu a volta de Arzoo para casa, já que nem mesmo isto era muito provável: estão longe de ser novidade no país os raptos de meninas cristãs ou de outras minorias religiosas para se casarem à força com muçulmanos.

O caso de Arzoo Raja, contudo, conseguiu chamar atenções mundo afora graças ao trabalho de agências católicas e de direitos humanos que deram ampla cobertura à luta da família por justiça.

Sequestrada em 13 de outubro de 2020, a menina católica foi obrigada no mesmo dia, pelo vizinho raptor, a se “converter” ao islã e assinar os documentos do alegado casamento. Ali Khazar chegou a apresentar papéis falsificados que atribuíam à garota a idade de 18 anos. O sequestrador insistiu na declaração de que tanto a conversão de Arzoo quanto o casamento haviam sido “espontâneos”. O tribunal, porém, uma vez realizadas as pertinentes investigações, determinou que a menina fosse levada para um lar social.

Surpreendentemente, o justiça também acolheu a denúncia de estupro de menor contra o sequestrador. Este crime, no Paquistão, pode ser punido com a prisão perpétua ou mesmo com a pena de morte. O processo em que Ali Khazar é réu ainda está em curso.

Onde estão as feministas militantes?

Enquanto isso, no Ocidente, é “curioso” observar o sepulcral silêncio das militâncias feministas no tocante às sistemáticas violências que afligem mulheres e meninas em países como o Paquistão e dezenas de outros na Ásia e na África. Por quê?

Tags:
JustiçaMuçulmanosPerseguiçãoViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia