Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 13 Agosto |
São Ponciano
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Em 2 anos de pandemia, mundo bate recorde de casos de covid-19: 2,4 milhões em 24 horas

Recorde de casos de covid-19

Hans Lucas via AFP

Francisco Vêneto - publicado em 05/01/22 - atualizado em 05/01/22

O recorde anterior havia sido atingido menos de uma semana antes, em 30 de dezembro de 2021: 1,95 milhões

Mesmo após 2 anos de pandemia e contrariando o que aparentava configurar-se como um cenário de progressiva mitigação das infecções pelo novo coronavírus no mundo, bateu-se nesta segunda-feira, 3 de janeiro, o recorde de casos de covid-19 detectados num período de 24 horas: foram 2,4 milhões de novas contaminações confirmadas em apenas um dia.

ATUALIZAÇÃO EM 05 DE JANEIRO:

Os números divulgados ao longo do dia de hoje (5 de janeiro) confirmaram que o recorde da segunda-feira (dia 3) já foi superado nesta terça-feira (dia 4): foram 2,59 milhões de novos contágios registrados em 24 horas. Ou seja, foram dois dias consecutivos de quebras de recorde de novos casos de covid-19.

Mais de 1 milhão das contaminações registradas no dia 3 ocorreram somente nos Estados Unidos, onde os casos nada menos que triplicaram no decurso de uma semana: em 28 de dezembro, haviam sido 300 mil novas infecções. Neste dia 4, foram 869 mil.

A nova variante ômicron é a responsável pela nova onda de contaminações. Segundo os dados levantados pelo portal Our World In Data, o recorde mundial batido neste 3 de janeiro veio apenas 5 dias depois do pico anterior, computado em 30 de dezembro de 2021: 1,95 milhões de casos.

Por outro lado, o número de óbitos apresenta níveis muito inferiores aos momentos mais críticos da pandemia. Neste mesmo dia 3 de janeiro, foram registradas em todo o mundo 5.845 mortes de pessoas infectadas pela covid-19. Há quase um ano, em 26 de janeiro de 2021, atingia-se o recorde de óbitos por covid em toda a pandemia, com trágicas 17.442 perdas de vidas humanas em apenas 24 horas.

Apesar da aparente menor gravidade dos casos provocados pela variante ômicron, os Estados Unidos, o Canadá e vários países da Europa e da Ásia estão voltando a intensificar medidas restritivas que haviam sido suavizadas poucas semanas antes no tocante à circulação e aglomeração de pessoas, na tentativa de conter um crescimento ainda mais abrupto de contaminações.

Situação atual no Brasil

Até o momento, a variante ômicron ainda não provocou um novo recorde de casos de covid-19 no Brasil. Conforme os números do Our World In Data, o país registrava 11 mil novas infecções em 3 de janeiro, o mesmo dia em que o planeta batia o recorde de novos casos em toda a pandemia. Essa quantidade de novos casos no Brasil é considerada relativamente baixa em comparação com os picos atingidos em ondas anteriores.

Entretanto, o país já pode sofrer um novo pico de contaminações ainda dentro deste mês de janeiro, devidas sobretudo à rápida disseminação da variante ômicron. O infectologista Marcelo Otsuka, do Departamento de Infectologia Pediátrica da Sociedade Brasileira de Infectologia, apontou em declaração à rede CNN que um dos possíveis estopins dessa nova onda seriam as aglomerações promovidas pelas festas de fim de ano.

De fato, já se observam nesta semana aumentos consideráveis de novos contágios pelo coronavírus no país, com várias cidades registrando filas em postos de saúde e crescimento relevante do número de internações, embora estas sejam causadas não só pela covid-19, mas por uma confluência de casos também de gripe. Em acréscimo a este cenário, várias regiões do Brasil também enfrentam surtos sazonais de dengue.

Uma das maiores preocupações em relação a um novo aumento brusco de contágios pelo coronavírus, apesar da letalidade aparentemente menor da variante ômicron, é justamente a sobrecarga do sistema de saúde, cujos recursos voltariam a ser desproporcionalmente “disputados” por um número excepcional de doentes.

Igreja reitera diretrizes de prevenção

Várias dioceses da Igreja Católica em todo o Brasil têm reforçado as orientações aos fiéis para manterem os cuidados preventivos protocolares, como a frequente higienização das mãos, o uso de máscara principalmente em locais fechados e a atenção para evitar aglomerações.

A Igreja Católica também incentiva, oficialmente, a vacinação voluntária contra a covid-19.

Tags:
CovidIgreja CatólicaInformações sobre vacina contra COVID-19Pandemia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia