Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 13 Agosto |
São Ponciano
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Família: o primeiro remédio para o jovem em depressão

DEPRESSED

Shutterstock | fizkes

Violeta Tejera - publicado em 14/01/22

Os jovens são os que mais sofrem, a longo prazo, os efeitos da pandemia. Depressão, ansiedade ou problemas de socialização os levam cada vez mais a consultas com psicólogos. São dados da Family Watch Foundation que mostram ao mesmo tempo a chave para superar o problema

Durante a pandemia, houve mudanças importantes nos hábitos das pessoas. Mudanças físicas e mentais. De acordo com o barômetro da fundação Family Watch, que mostra os interesses e problemas que a família enfrenta, 3 em cada 4 entrevistados se sentiram preocupados com sua situação e cerca de 65% se sentiram mais irritados ou angustiados em meio à pandemia. Alguns caíram em depressão. Um em cada 5 confirma que teve que recorrer a especialistas.

Os mais vulneráveis

Muitos jovens, que viram sua vida estudantil e social reduzida nos últimos dois anos, também tiveram que ir a psicólogos ou psiquiatras. Os que têm entre 18 e 24 anos admitem ter usado ansiolíticos pela primeira vez. Como explica a diretora geral da Family Watch, María José Olesti, “os dados são preocupantes e refletem o problema enfrentado pelos mais novos. Mas a boa notícia é que são justamente os jovens que, quando têm esse problema, procuram rapidamente a solução. 34% reconhecem o problema, falam abertamente sobre isso e tentam remediar.”

“A família é aquele lugar onde podemos nos refugiar e onde nos são dados carinho e cuidado”

A família, o remédio para os problemas

“A família é aquele lugar onde podemos nos refugiar e onde recebemos carinho e cuidado”, diz María José Olesti, que aponta a estrutura familiar como o melhor lugar para começar a resolver os problemas. “Ela é a principal provedora de cuidados.” 

Pais, irmãos, avós… o núcleo familiar é o primeiro lugar para receber o abraço e o impulso necessários quando se está doente ou tem algum problema, seja ele físico ou mental.

A família, escola de comunicação

“Quanto melhor e mais fluida for a comunicação entre os membros da família, mais fácil será para nós aprendermos sobre os problemas e preocupações de cada um dos membros para melhor lidarmos com eles”, conta a diretora da Family Watch. Ela também insiste na necessidade de conversar com nossos filhos, sabermos do que eles gostam e com o que se preocupam, e em caso de ter um problema, saber de onde vem e como resolvê-lo.

Na pandemia, muitos jovens se trancaram em seus quartos e se isolaram do mundo exterior e de seus pais. Esse isolamento e essa quebra de diálogo em casa com a família os têm levado a sofrer de problemas de saúde mental.  Se não houver comunicação, não há felicidade ou socialização. Existe a solidão, um dos males que mais assombram nossa juventude hoje.

Presente e futuro da sociedade

A família é, portanto, o pilar fundamental e o início da solução. Ela é punida e desacreditada diariamente. Mas, como diz María José Olesti, este “é também o melhor momento para reivindicar a importância desta instituição. É, sem dúvida, o primeiro elo a que nos agarramos quando as coisas dão errado, é a primeira escola e o primeiro refúgio.”

Ela ainda conclui: “Políticas sociais são necessárias para que as famílias continuem contribuindo para fortalecer o presente e o futuro de nossa sociedade. Porque sem famílias, a sociedade não funciona”.

Tags:
DepressãoFamíliaJovens
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia