Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 22 Maio |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Que sentido tem a minha vida?

shutterstock_1958232697.jpg

Shutterstock

Ana Lydia Sawaya - publicado em 18/01/22

Para onde está caminhando a minha vida? Só há, na verdade, duas respostas

Um ano que começa é um bom momento para se fazer essa pergunta. Pode ser mais específica: que sentido tem a minha vida?

No filme “O Sétimo Selo”, de Ingmar Bergman (1956), o cavaleiro Antonius Block, enquanto joga xadrez com a morte, lhe pede: “Dê-me ainda tempo”. Mas a morte lhe responde exata: “Todos gostariam, mas eu não concedo trégua”. Depois do duelo entre a morte e o cavaleiro em que, num momento dramático, este se confessa tendo do outro lado do confessionário a morte, o cavaleiro lhe diz: “O meu coração está vazio. Vazio como um espelho para o qual sou obrigado a olhar. Olho-me e vejo só desgosto e medo. Leio indiferença pelo próximo, por todos os meus semelhantes irreconhecíveis. Nele, descubro só imagens de pesadelo”. A vida parece ser um vazio sem fim, e a morte é equivalente a cair no nada, sem esperança.

Como bem nos revela Bergman, essa pergunta é inalienável e sempre jogada diante dos nossos olhos nos momentos de passagem e mais dramáticos da vida: que sentido tem tudo isso? Para onde está caminhando a minha vida? Só há, na verdade, duas respostas: não há sentido nenhum, ou, ao contrário, há um sentido – em tudo há sentido, e aqui não há outra alternativa senão pensar em Deus.

Quem continuar a procurar descobrirá que o primeiro impacto é com o silêncio de Deus. Se este silêncio for acolhido, cheio de interrogação, se a pergunta não for abandonada, logo virá um segundo momento: este silêncio se torna eloquente. O passo seguinte é certo e necessário: é preciso gritar. E o grito deve ser sincero e integral, pois quem chegou até aqui está nu diante do mistério da vida.

É nesse momento que a ausência de Deus se torna um anseio de presença, inextirpável, dentro de si. Agora é necessário um passo de humildade: desistir de afirmar a todo custo a  raiva e o ressentimento pelo vazio experimentado no início, e prestar atenção para poder ouvir a voz sutil que habita no silêncio: você existe porque Eu existo. Há ainda um outro passo e, para este além de humildade, é preciso coragem: quem é Você? E com olhar atento para toda a realidade se começa a buscá-Lo (e, finalmente, começa-se a “ver”)… Até que alguém ou algo nos fale de Deus.

Ele sempre arranjará um meio para se apresentar a quem decidiu fazer esse percurso até o fim. Quando os primeiros cristãos se convertiam e O encontravam, essa experiência era muito conhecida. Um Padre da Igreja, Gregório Nazianzeno (329-390 d.C.), diz em uma poesia:

“Que tirania é essa? / Eu ganhei vida – bem, / mas por que sou fustigado pelas suas ondas violentas? / Eu quero dizer uma palavra audaz, sim, audaz, mas eu quero dizer: / se eu não fosse teu, ó meu Cristo, que injustiça! / Nós nascemos, morremos, chegamos ao fim. / Eu durmo, descanso, fico acordado, ando. / Ora estamos doentes, ora saudáveis, / ora entre prazeres, ora entre problemas. / Compartilhamos as estações solares e os frutos da terra. / Morremos e nossa carne apodrece: / este é o destino dos animais, / que, embora inferiores, são irrepreensíveis. / O que então eu tenho mais do que eles? / Nada além de Deus: / se eu não fosse teu, ó meu Cristo, que injustiça! / Qualquer coisa aqui é transtornada pelas tempestades más da vida. / Cada coisa, aqui, é carregada no tempo como peões que rolam: / Beleza, glória, riqueza, poder, traiçoeira prosperidade. / Eu, ao contrário, abraçado a Cristo, jamais deixarei de ter esperança, / Até que eu veja o esplendor da Trindade única e a imagem antiga, / Herança do grande Deus unida à carne que se fundirá com os celestiais”.

(O São Paulo)

Tags:
Sentido da vidaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia