Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 23 Maio |
São Desidério
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Dom Keller, um mártir vivo de nossos dias

amaranth zucchetto

Grabowski Foto | Shutterstock

Vanderlei de Lima - publicado em 19/01/22 - atualizado em 19/01/22

O bispo de Frederico Westphalen vem sendo alvo de graves acusações – até o momento gratuitas ou carentes de qualquer prova convincente

Dom Antonio Carlos Rossi Keller, bispo de Frederico Westphalen (RS), vem sendo alvo de graves acusações – até o momento gratuitas ou carentes de qualquer prova convincente – no campo moral. Daí a motivação deste artigo que visa oferecer nossa real solidariedade a esse destemido sucessor dos apóstolos.

Certo é que o nosso escrito é muito modesto. Pedimos, por isso, que os prezados leitores não queiram, por caridade, compará-lo às substanciosas Notas públicas de apoio que Dom Keller já recebeu – ainda que, talvez, por ignorância nossa, as desconheçamos – ou receberá da presidência da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), do Regional Sul 3 da mesma CNBB, onde ele exerce seu ministério, ou, de modo avulso, de seus irmãos bispos de outras partes do nosso imenso Brasil. 

Sim, esses momentos de ataques ferrenhos a um bispo nos parecem muito propícios ao sadio exercício da colegialidade episcopal. Não deixarão os demais bispos o seu irmão de Frederico Westphalen repetir, com o Papa Gregório VII, a sentença que lhe é popularmente atribuída: “Amei a justiça e odiei a iniquidade, por isso morro no exílio”. Não seria justo, nem humano, nem cristão assim proceder, pois os que renegaram a Gregório VII o fizeram, num tempo longínquo, talvez, por ignorância. Hoje, no entanto, a Igreja é chamada a ser mais misericordiosa, mais colegial e mais aberta a todos à moda de um “hospital de campanha”, como frisou o Santo Padre, o Papa Francisco.

Acusações não se sustentam

Voltando, contudo, a Dom Keller, desejamos destacar dois pontos importantes. Primeiro: todas as acusações imputadas contra ele não se sustentam. São palavras do próprio bispo, em Nota de 24/11/2021: “Diante das acusações que foram apresentadas em meu desfavor, junto às instâncias eclesiásticas e civis, após os procedimentos previstos pela legislação eclesiástica e civil, ambas já se pronunciaram a respeito, não acolhendo nenhuma destas acusações contra minha pessoa. Portanto, estas denúncias já obtiveram respostas, todas elas em meu favor”. Em outras palavras, conforme a justiça civil e a eclesiástica, Dom Keller é inocente. Segundo: Dom Keller é, dentre os poucos bispos que se pronunciam sobre temas atuais de fé e moral – campo específico do magistério autêntico da Igreja (cf. Lumen Gentium, 25) – um pastor de almas que não faz questão de seguir a cartilha do “politicamente correto”. E isso incomoda… E muito!

Ora, embora pareça que não, estas duas claras constatações já oferecem material para, no mínimo, um dilema e mais outro sério questionamento. Com efeito, se o acusado foi declarado inocente no âmbito do Estado e da Igreja, por que o interesse em continuar com as pesadas acusações? Se é culpado, por que não se exibem as provas cabais para encerrar a questão? Posto o dilema, vem o questionamento: terá Dom Keller, no seu modo, graças a Deus, politicamente incorreto de ser, incomodado potentes forças ocultas do aquém e do além – humanas e diabólicas – e, por essa razão, mereceu ter sobre si uma grande suspeita levantada a fim de que a sua voz não se faça mais tão ouvida, ou, se ainda ouvida, seja recebida com extrema desconfiança? Em outros termos, o real objetivo é ferir o pastor para que o rebanho se disperse (cf. Mt 26,31)?

Nesse contexto, Dom Keller é um mártir vivo de nossos dias. Sim, ensina o Papa Bento XVI (2005-2013), à luz do sacrifício de São Paulo (cf. 2Tm 4,6-7), que, além do martírio de sangue, há também o martírio incruento. Diz Bento: “Nem todos são chamados ao martírio cruento. Porém, há um ‘martírio’ incruento, que não é menos significativo, […]: é o testemunho silencioso e heroico de muitos cristãos que vivem o Evangelho sem [outros] compromissos, cumprindo o seu dever e dedicando-se generosamente ao serviço dos pobres. Este martírio da vida ordinária constitui um testemunho importante como nunca nas sociedades secularizadas do nosso tempo. É a batalha pacífica do amor que cada cristão, como Paulo, deve combater incansavelmente; a corrida para propagar o Evangelho que nos compromete até à morte” (Angelus, 28/10/2007).

Possa Dom Keller, sob o peso de sua áspera cruz, aceitar a solidariedade deste irmão no santo Batismo que – carregando outra cruz, diferente, mas, quiçá, não menos pesada – lhe estende a mão…

Tags:
BisposMártiresPerseguição
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia