Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Agosto |
Bem-aventurado Gabriel Maria de Benifayó
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Sacerdote explica por que “o marxismo não é para católicos”

Marxismo e a queda do muro de Berlim

Ricotti Alvaro/Press Association/East News

A queda do Muro de Berlim

Francisco Vêneto - publicado em 19/01/22

Ele alerta: toda ideologia baseada em conflito inevitável nos arrasta ao conflito perpétuo

O marxismo não é para católicos, reforçou o pe. Nelson Faria, sj, em artigo publicado pelo portal Ponto SJ, dos jesuítas em Portugal, neste último 13 de janeiro.

A tensão entre o catolicismo e o marxismo, registra o sacerdote, “permanece atual, pois, apesar da sua aparente falência no final do século XX, o marxismo continua presente e influente nos planos político e social contemporâneos, ainda que em diferentes estados de vitalidade e sujeito a copiosas reinterpretações”.

Dois pontos críticos de incompatibilidade

O pe. Nelson destaca dois pontos críticos de incompatibilidade entre o catolicismo e o marxismo:

  • 1 – A visão de Deus: segundo Karl Marx, que a este propósito adota o pensamento de Feuerbach, Deus “não passa de um ideal e de uma projeção humana”, negando-se assim a Revelação; além disso, Marx afirma que “a religião é um instrumento de dominação”;
  • 2 – A propriedade privada: o marxismo a considera “um roubo”, enquanto a Doutrina Social da Igreja a considera “intrínseca à dignidade humana e um direito natural”.

Mesmo que algum católico alegue rejeitar essas duas visões e ainda assim declare abraçar outros aspectos do marxismo, o pe. Nelson observa que, nos discursos de inspiração marxista, “não é coincidência a aversão à religião, principalmente ao catolicismo, bem como o desrespeito pela propriedade privada”. O sacerdote completa: “as ideias têm consequências, e a água de uma charca, por muito que se pareça com um aprazível lago, provocará e disseminará doenças”.

Um terceiro ponto crítico de incompatibilidade: o “conflito inevitável”

Para além destas duas questões cruciais, o padre destaca um terceiro aspecto gravíssimo que é intrínseco ao marxismo: a afirmação de que a história da humanidade “não é outra coisa que conflito”. Esse reducionismo falacioso divide drasticamente as pessoas “entre opressores e oprimidos, sem espaço para matizes”. Para o marxista, em cada situação existe “um opressor e um oprimido” – e o opressor deveria ser eliminado.

“O marxismo é uma dialética do conflito”, resume o pe. Nelson. Para desenvolver essa ideia, Marx se baseou em Hegel, “que via na tensão entre a família e a sociedade a estrutura da dialética política, tensão essa que poderia ser dirimida pelo Estado”. Ou seja, Hegel propunha que haveria dois agentes em busca do bem comum e abertos à intervenção de um terceiro, mas Marx reduz essa visão, que já era limitada em si mesma, a uma ideia ainda mais limitada e limitante: a de opressores e oprimidos em conflito aberto, do qual “emergirá, inevitavelmente, um vencedor” a quem caberiam “os despojos de guerra: o domínio do aparelho do Estado”.

Totalitarismos como resultado da premissa do conflito

Esta premissa torna o marxismo “uma ideologia cega à complexidade da realidade”, porque resume a história da humanidade à opressão, deixando de reconhecer a bondade e o altruísmo: a pessoa “passa a ser um animal a ser controlado”. A consequência desta visão reducionista e essencialmente falsa da humanidade é visível em todas as sociedades que implantaram “as ideias marxistas ou os seus derivados”: são “estados totalitários, assentes na demonização do outro”.

O padre ainda constata:

“Sempre que a humanidade, pelos seus próprios meios, tentou erigir o paraíso na Terra, deu espaço a poderosos, flamejantes e temíveis Infernos”.

Demonizar o outro é incompatível com o catolicismo

Para um católico, entretando, a “demonização do outro” é “uma deturpação da sua crença”: afinal, o fato é que todos somos pecadores que precisam de salvação e não de eliminação, e cada um “deverá ser julgado pelas suas ações e não pela sua classe”. São Tomás de Aquino deixou claro: o que deve ser odiado é o pecado, não o pecador. Por isso mesmo, a “obsessão marxista por catalogar o outro e dividir a sociedade” é fundamentalmente incompatível com o Evangelho de Jesus Cristo.

Só esta premissa, aliás, já deveria deixar claro por que o marxismo não é para católicos.

“Frutos” dessa ideologia: mais conflitos e “cancelamentos”

Essa ideologia divisiva do marxismo “tem encontrado expressão contemporânea nas políticas de identidade”, observa o pe. Nelson, acrescentando que, “diante do fracasso da luta de classes, o marxismo encontrou um lugar fecundo na luta contra a discriminação racial, de gênero ou de orientação sexual”: trata-se de causas legítimas e justas, mas a abordagem do marxismo as manipula para fomentar e prolongar o conflito e abrir as portas à perseguição. Neste contexto é que surge, por exemplo, a famigerada “cultura do cancelamento”.

O sacerdote chama as atenções para a “diferença abismal” que existe entre ativistas cristãos como Martin Luther King e os atuais “Black Panthers” de inspiração marxista. Ele cita ainda a enorme diferença entre “as palavras enformadas pelo cristianismo de Nelson Mandela ou do bispo anglicano Desmond Tutu” e o atual discurso nas sociedades ocidentais, “que faz de cada cidadão branco um racista e, das figuras de autoridade, opressores”.

A atual demonização do outro “é uma reinterpretação atualizada da visão marxista”, considera o sacerdote.

Ele prossegue questionando as tergiversações sobre sexo, cor e orientação sexual, que dizem “muito pouco sobre quem a pessoa é”: pelo contrário, essa “política de aparências” já é discriminatória em si mesma. O que deveria importar, enfatiza, “são as crenças e ações de cada um”.

Uma diferença essencial: “características não são valores”

É claro que a cor, o sexo e a orientação sexual “têm um peso na biografia e no itinerário pessoal”, reconhece o pe. Nelson, e também é claro que “devemos unir-nos na luta contra toda a discriminação injusta”. Entretanto, fatores como origem social, cor da pele, atração sexual e sexo da pessoa “são características, não são valores”: em vez de focar em gerar conflitos baseados nessas características, poderíamos unir-nos em torno a valores universais como a verdade, a bondade e a justiça.

O padre anota outra observação crucial que deixa claro por que o marxismo não é para católicos:

“Qualquer ideologia assente na inevitabilidade do conflito arrasta-nos para um perpetuar do conflito”.

Ele conclui que “construir um mundo mais justo” não se fundamenta “numa dialética de conflito”, e sim “no abraçar da revelação cristã”, da qual uma parte fundamental é assim descrita pelo sacerdote:

“Todos somos filhos de um mesmo Deus; todos somos seres em caminho, um caminho feito de erros e acertos, em que a graça, agindo sobre a natureza, pode espoletar o milagre da salvação, de uma salvação a ser vivida por todos. Esta é a nossa grande esperança. Esta é a promessa de Deus para nós. Esta é a nossa vocação”.

Tags:
CatólicosDoutrinaFilosofiaIdeologia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia