Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 22 Maio |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Meu filho foi diagnosticado com uma doença grave. E agora?

SICK CHILD

jeep5d | Shutterstock

Ricardo Sanches - publicado em 01/02/22

Receber a notícia de que um filho está com uma doença grave é dilacerante. Mas, apesar de tanta dor, é preciso ser forte para enfrentar a situação

O casal de jornalistas Tiago Leifert e Daina Garbin emocionou o Brasil ao revelar que a filha deles, Lua, de apenas um ano e três meses, está com um tipo raríssimo de câncer no olho – o retinoblastoma.

O depoimento deles me dilacerou. Sou pai e o caso me fez pensar em como eu agiria se os planos de Deus incluíssem uma doença grave entre os meus filhos. Será que eu me revoltaria? Como lidaria com o sofrimento deles? E como reagiria à minha dor ao ver um filho sofrer?

Trata-se, na verdade, de situações e reações difíceis de imaginar para quem não as vivenciou. Óbvio que a gente nem imagina isso, pois o que nós queremos mesmo é ver nossos filhos saudáveis, felizes, correndo pra lá e pra cá e fazendo arte.

Mas e para aquelas famílias que descobriram agora uma doença grave em um de seus membros? Pense em um câncer… Como enfrentar com a criança todos os desafios do tratamento que está por vir? Como lidar com os pensamentos, a dor, a tristeza?

Famílias que já passaram por isso (e até o casal Tiago Leifert e Diana Garbin) podem servir de inspiração. Eles nos mostram que é possível declarar guerra contra a doença e seu consequente sofrimento adotando algumas “estratégias”. Abaixo, compartilho algumas delas.

1Aceite a doença do seu filho

O primeiro passo é aceitar a doença, bem como todos os riscos e possibilidade de cura que ela traz. O diagnóstico nunca é uma sentença de morte. Aceite que seu filho está com uma doença grave e prepare-se para ajudá-lo, incondicionalmente, a lutar contra ela. Busque o máximo de informações possíveis sobre o tratamento. Você também precisa aceitar essa doença como sendo da vontade de Deus. Assim, um dia você entenderá os planos Dele. Portanto, não perca a fé e nem se revolte contra Ele.

2Não hesite em mudar a sua rotina

Quando Tiago Leifert soube que a filha estava com um tipo raro de câncer, ele deu uma pausa em sua carreira de sucesso na TV para cuidar dela e da família. Deixou de apresentar um dos programas de maior audiência no Brasil. Claro, nem todo mundo pode se dar ao luxo de largar o emprego para cuidar de um filho doente. Mas lembre-se que seu pequeno vai enfrentar uma maratona de visitas a consultórios, hospitais, laboratórios, internações. Então, não hesite em mudar a sua rotina para poder, na medida do possível, acompanhá-lo. Vale conversar no seu trabalho, pedir férias ou mudar horários de expediente.

3Construa uma rede de apoio

Você também vai precisar construir uma rede de apoio para garantir o cuidado ideal do seu filho e da sua família durante a maratona do tratamento. Isso diz respeito a questões práticas, como por exemplo: quem, entre seus amigos e familiares, poderia ajudar levando seu outro filho para a escola? Quem poderia fazer o almoço no dia em que você for levar seu filho ao médico?

4Procure ajuda especializada

Esteja certo: você vai precisar de ajuda profissional, pois não é fácil lidar com a notícia de que seu filho tem uma doença grave, tampouco com todos os desdobramentos que o diagnóstico trará. Portanto, procure um psicólogo ou um diretor espiritual para conversar sobre a situação por que você está passando. Fortaleça-se emocional e espiritualmente. Alguns hospitais, sobretudo os que tratam crianças com câncer, também oferecem apoio psicológico aos pais e familiares. Não deixe de aceitar esse apoio. Você precisa aprender a enfrentar a angústia, a ansiedade e a dor causada pelo sofrimento do filho.

5Seja forte e alegre

Na presença de seu filho doente, você tem que ser forte e alegre. Lembre-se: você é o exemplo para a criança, a sua fonte de inspiração. Então, demonstre confiança e alegria. Evite desabar na frente dela. “Na frente da criança, é alegria. A criança sente tudo. Então, a gente decidiu que a gente chora escondido, no banheiro. A gente precisa ficar forte para que ela fique forte também”, disse a esposa de Tiago Leifert.

7Apegue-se à oração

Não é hora de abandonar a oração (nunca é!). De fato, neste momento, é preciso se aprofundar na sua vida espiritual. Peça a Deus pela cura, agradeça a cada evolução, recorra aos seus santos intercessores devoção. Uma dica: reze o Terço todos os dias. Pode ser enquanto seu filho estiver fazendo um exame, durante a espera por uma consulta ou em um momento da sua rotina diária em casa. Não preciso nem te dizer que esse compromisso com a oração vai trazer inúmeros benefícios, né?

8Transforme a sua dor em uma causa social

Qualquer que seja a doença do seu filho, procure ler sobre ela e ajudar o maior número possível de famílias que passam pela mesma situação. Se for uma doença rara, que tal alertar ajudar a levar o conhecimento para a população, como o Tiago Leifert e a esposa dele fizeram? Contribua com o seu exemplo para incentivar diagnósticos precoces, alterar leis e garantir políticas públicas de inclusão das pessoas doentes na sociedade, por exemplo. Com isso, você une a sua dor a milhares de outras pessoas numa rede de cidadania e caridade que só trazem bons frutos.

Tags:
CâncerCriançasDoençapaisSofrimento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia