Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 02 Outubro |
Santos Anjos da Guarda          
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Brasil: ativistas lançam carta aberta a candidatos 2022 com defesa do aborto

Marta Suplicy promove carta aberta com defesa do aborto

Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr, Attribution, via Wikimedia Commons

Marta Suplicy coordenou grupo de signatárias da carta aberta

Francisco Vêneto - publicado em 04/02/22

Versão final da carta não traz a palavra "aborto", optando pelo recorrente eufemismo "direitos sexuais e reprodutivos da mulher"

Um grupo de 33 mulheres ativistas de causas apresentadas por elas próprias como “primordiais e imprescindíveis” lançou uma carta aberta aos candidatos às eleições de 2022, no Brasil, defendendo no texto, entre outras pautas, os assim chamados “direitos sexuais e reprodutivos das mulheres”.

Este eufemismo costuma incluir tipicamente o aborto livre interpretado como um “direito”.

Participantes

De acordo com matéria do jornal Folha de S. Paulo publicada em 28 de janeiro, a “Carta Aberta Brasil Mulheres” foi elaborada depois de cerca de dez horas de discussões, sob a liderança da ex-senadora Marta Suplicy.

A reunião de elaboração da carta ocorreu no mesmo dia 28, com presenças como a da ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF); da senadora Simone Tebet (MDB-MS), pré-candidata à presidência da República; Gleisi Hoffmann, presidente do Partido dos Trabalhadores (PT); Ana Estela Haddad (PT-SP), ex-primeira dama de São Paulo; Patricia Vanzolini, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP); Carmen Silva, líder do Movimento dos Sem-Teto do Centro; Anielle Franco, diretora do Instituto Marielle Franco; Maria Alice Setúbal, socióloga e uma das herdeiras do grupo proprietário do banco Itaú, entre outras.

Segundo a matéria da Folha de S. Paulo, “as convidadas fizeram teste de Covid-19 ainda na entrada do prédio da ex-senadora, hoje secretária municipal de Relações Internacionais de São Paulo. Elas tinham à sua disposição álcool em gel, antibactericida em spray e máscaras dos padrões PFF2 e KN95 oferecidas em uma bandeja de prata”.

“Direitos sexuais e reprodutivos”

A carta aberta, em três laudas, reúne assuntos que as signatárias descrevem como “primordiais e imprescindíveis” para o país, entre os quais a “manutenção e expansão dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres” e a “garantia de direitos sexuais, reprodutivos e saúde menstrual”.

Segundo matéria da agência ACI Digital, as participantes da reunião, realizada em apartamento de Marta Suplicy, apresentaram as suas sugestões de temas a serem incluídos na redação final, com o aborto sendo um dos assuntos abertamente discutidos. Patrícia Vanzolini, presidente da OAB-SP, considerou, a respeito, que “é uma questão que tem que estar na pauta, não pode ser um tabu. Não pode ser uma lepra política que nenhum político se atreve a tocar a mão porque imediatamente perderá votos”. A advogada criminalista Cecília Mello declarou que “o aborto necessita urgentemente de um novo olhar do poder público”, o que, a seu ver, implica ser entendido “como um direito”, ser aceito “como uma decisão de foro íntimo de quem o escolhe” e ser tratado “como problema de saúde pública, que tem natureza universal e se insere dentro do espectro do dever estatal”.

Para um debate transparente

A respeito de tais alegações, é sempre necessário contrastá-las com argumentos divergentes para se aprofundar o debate. Por isso, recomendamos a leitura dos seguintes artigos, que respondem diferentemente a essas considerações:

A agência ACI Digital registrou também que as participantes da reunião organizada por Marta Suplicy mencionaram a arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) 442, protocolada pelo PSOL em 2017 no STF para pleitear a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação. Ainda não há previsão de julgamento.

Evitando a palavra “aborto”

De acordo com a matéria da agência, que também remete à matéria da Folha de S. Paulo, a ministra Cármen Lúcia chegou à reunião algumas horas após o seu início, discursou durante cerca de 30 minutos sobre o combate à violência contra a mulher e saiu antes do término das discussões. Enquanto esteve presente, teria manifestado oposição ao uso do termo “aborto” na carta aberta, propondo, antes, a criação de uma secretaria de mulheres e a petição de orçamento para políticas sobre “questões da mulher”.

A versão final da carta, observa a ACI Digital, não traz a palavra “aborto”, optando pelo recorrente eufemismo “direitos sexuais e reprodutivos da mulher”.

Veja mais sobre a ofensiva pró-aborto livre no mundo:

Tags:
AbortoIdeologiaPolíticaSociedade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia