Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 27 Maio |
São Bruno de Würtzburg
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Nossa vida não nos pertence: o exemplo de Marthe Robin

web-marthe-robin-000_arp1568518-staff-afp

Staff/AFP

Hozana - publicado em 04/02/22

Tetraplégica e cega, ela viveu 52 anos na cama e se alimentava apenas da Sagrada Eucaristia

Ao longo da história da Igreja, Deus sempre suscitou homens e mulheres como luzeiros nos momentos mais difíceis. No último século, dentre tantos, Pe. Pio de Pietrelcina se destacou no momento em que muitos ou não queriam ser sacerdotes, ou abandonavam a batina. No final do século, São João Paulo II afirmou que a Igreja precisava de santos que usassem calça jeans e bebessem Coca-Cola. Deus, em resposta, nos dá Carlo Acutis, jovem cyber-apóstolo da Eucaristia (como ele se definiu). Como Pe. Pio, seu corpo está incorrupto. Então fui convidado, pela rede social de oração Hozana, a discorrer sobre Marthe Robin. Uma venerável que há pouco não conhecia.

Sou professor e tenho uma devoção particular a alguns santos, tais como Tereza D’Avila (padroeira dos professores) e Dom Bosco, educador por excelência. Conhecer Marthe não seria uma tarefa difícil (imaginei).

Após pesquisas bibliográficas, a decepção. Como falar de alguém que nasce em 1902 na França, morre em 1981 na mesma casa onde viveu, sem sair do lugar? Achei que seria como Santa Tereza, a desbravar o mundo e reformar os carmelos, ou São João Bosco a construir oratórios e escolas… 

Apesar de tudo, não poderia voltar atrás. Alguma coisa interessante eu encontraria numa mulher que teve febre tifoide por beber água contaminada, encefalite e paralisia total, inclusive se alimentando exclusivamente, por 52 anos, “apenas” da Sagrada Eucaristia. 

O sacerdote, qualquer que fosse, apenas precisava aproximar a Santa Hóstia dos lábios de Marthe e… a Hóstia entrava como que por si mesma na boca dela, sem ter de fazer qualquer movimento. O sacerdote chegava a sentir a Hóstia ‘escapando’ por si mesma de seus dedos, para desaparecer em seguida entre os lábios imóveis da privilegiada criatura que então também desaparecia do comércio dos vivos, abismando-se na mais profunda contemplação por dias inteiros.

Bebi da principal fonte de pesquisas teológicas: a oração. Pedi a Deus que me mostrasse o que discorrer sobre Marthe Robin. Então Ele me lembrou o texto sagrado: “Agora me alegro nos sofrimentos suportados por vós. O que falta às tribulações de Cristo, completo na minha carne, por seu corpo que é a Igreja” (Col 1,24).

Depois de muito meditar, percebi que Marthe trazia em si as palavras de São Paulo. Em 1928, durante uma missão pregada em sua paróquia, ela compreende claramente que é na doença, e através da doença, que é chamada a servir a Deus, unindo-se, incessantemente, ao mistério da Paixão do Senhor, pela salvação das almas.

A história de Marthe Robin

Em 1929 fica tetraplégica e passa a sofrer uma paralisia total das vias digestivas, de modo a não poder engolir alimento algum. E assim permanecerá até a sua morte, em 1981, ou seja, após 52 anos de martírio, pregada a uma cama, sofrendo silenciosamente, na mais inteira resignação à Santíssima Vontade de Deus. 52 anos de calvário e amor! Não bastasse isso, também ficou cega, e pelo resto da vida.

Marthe, em 1925, inspirada pelo exemplo de Santa Teresinha, oferece-se como vítima ao Amor Misericordioso.

Há poucos dias, contraí COVID. Era necessário e urgente isolar-me socialmente. Resolvi então, aproveitar deste pequeno sofrimento para me assemelhar um pouco ao exemplo de Marthe Robin. Não fiquei acamado como ela, mas o isolamento me trouxe novas reflexões. Sem ninguém por perto, aproximei-me um pouco mais de Deus, além de refletir um pouco melhor sobre sua vida.

Dentre tantos aspectos da vida de Marthe Robin, nota-se que ela é um exemplo a tantos acamados e entubados por conta da COVID. Não podia, por conta de sua doença incurável, alimentar-se ou mover-se. Também a COVID ainda não possui cura definitiva e podem deixar as pessoas imóveis por um certo període e muitas vezes com sequelas. Nos tempos atuais, Marthe é um modelo de vida a ser seguido, no seu resignar-se à vontade Divina.

A vida não nos pertence. É Marthe que nos ensina isso. Nossa vida pertence a Deus. É Marthe quem nos escreve em seu diário: “Os golpes inesperados, as dolorosas provas, os acidentes imprevistos são frequentemente ocasiões da graça. Na história das almas, não existem fatos pelo acaso, só tem grandes desenhos de uma Providência; o que é imprevisto para nós era desde sempre previsto por Deus” (12 de janeiro 1930)

Nossa Senhora apareceu-lhe com o livro o “Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem, de São Luis Maria de Montfort”, seu compatriota. Então ela decidiu se tornar escrava de Jesus em Maria. A Santa Virgem esteve sempre acompanhando Marthe, chegando até mesmo a cuidar dela. Marthe convive com Maria a quem chama “Mamãe querida”… Marthe Robin morreu sozinha em seu pequeno quarto, em 6 de fevereiro de 1981, próxima de completar 79 anos. 

Novena a Marthe Robin

Convido você a rezar com e a conhecer esta grande mulher que nos ensina a sempre confiar no amor e na misericórdia do Pai. Clique aqui e participe de 9 dias de oração com Marthe Robin e, junto com ela, peça a Deus a graça de reacender o amor que está morrendo no mundo.

Entreguemos a Ele nossos caminhos e peguemos emprestado dela a oração a Nossa Senhora e roguemos:

“Ó Mãe muito amada, Vós que conheceis tão bem os caminhos da Santidade e do Amor, ensinai-nos a erguermos frequentemente o nosso espírito e nosso coração para a Trindade, a fixar Nela nossa respeitosa e afetuosa atenção; e já que andais conosco no caminho da vida eterna, não fiqueis estranha aos pobres peregrinos que Vossa caridade tem a bondade de recolher; voltai para nós Vossos olhos misericordiosos, atraí-nos nas Vossas claridades, inundai-nos com Vossas doçuras, levai-nos na Luz e no Amor, levai-nos mais longe e muito alto nos esplendores dos céus. Que nada possa jamais perturbar nossa paz, nem nos tirar do pensamento de Deus; mas que cada minuto nos leve mais adiante nas profundezas do augusto Mistério, até o dia em que nossa alma, plenamente desabrochada nas iluminações da união divina, verá todas as coisas no Amor Eterno e na Unidade. Amém.” 

Wellington de Almeida Alkmin, pelo Hozana

Tags:
ComunhãoEucaristiaMártiresSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia