Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 22 Maio |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Jogadores brasileiros que estavam na Ucrânia têm reencontro emocionante com as famílias

Lateral Dodô

AFP

Lateral Dodô fala à imprensa na chegada ao Brasil: alívio e gratidão

Ricardo Sanches - publicado em 01/03/22 - atualizado em 01/03/22

Na chegada ao Brasil eles narraram as dificuldades para fugir da guerra e disseram que nunca perderam a fé e a esperança

Choro, abraços apertados e sentimentos de alívio e gratidão marcaram o reencontro emocionante dos jogadores de futebol brasileiros que estavam na Ucrânia com as famílias no Brasil.

Nesta terça-feira, 1 de março, o avião trazendo cerca de 40 pessoas – entre atletas, profissionais e familiares deles – chegou ao Aeroporto Internacional de São Paulo.

Já no desembarque, eles narraram os momentos de tensão que viveram na Ucrânia desde que a guerra começou.

“Bombas e aviões passando. Tudo isso vai ficar marcado”, afirmou Pedrinho, meio-campo Shakhtar Donetsk, que fugiu com a mulher e a filhinha de quatro meses de idade.

A fuga da guerra

O grupo estava abrigado no bunker de um hotel, em Kiev. Eles deixaram o local e foram até uma estação, onde pegaram um trem para Chernivtsi, no oeste da Ucrânia. De lá, tomaram outro tem para a Romênia, de onde embarcaram para o Brasil. Foram viagens de mais de um dia de duração e longas caminhadas a pé. Um trajeto marcado pelo pânico e pelo medo.

KIEV
Já no início da guerra, os jogadores impoloravam ajuda para deixar a Ucrânia com seus familiares

“O maior momento de tensão foi nossa saída do hotel para estação. Sirenes de ataque aéreo, barulhos de metralhadora. A gente não sabia se ia chegar ou não na estação para poder fazer a viagem e sair da Ucrânia”, contou o fisioterapeuta Luciano Rosa.

“Depois de uns dias ficou difícil, porque acabou o leite. Os supermercados não tinham mais nada e as crianças estavam com fome. Mas todo mundo se ajudou e na primeira oportunidade que a gente teve, a gente conseguiu sair”, explicou o lateral Dodô, também do time ucraniano Shakhtar.

No caminho, o alimento era escasso.

“As crianças, graças a Deus não passaram fome. Eu peguei duas maçãs e meus filhos comeram. No momento em que eu vi o caroço da maçã eu disse: ‘É agora que eu vou matar a minha fome’. Eu não me importava com a minha vida. Eu só queria que os meus filhos saíssem daquela situação”, revelou Lyarah Barberan, esposa do volante Maycon Andrade.

Fé e esperança

Apesar do medo, a fé e a esperança moveram o grupo durante a fuga da guerra.

“Eu tive muita fé de que eu ia conseguir. Não só eu, mas todo o grupo”, explicou Maycon Andrade, volante do Shakhtar.

Já o atleta Pedrinho afirmou que, algumas vezes, o medo até tentou falar mais alto que a fé. “Em alguns momentos a gente achava que não ia conseguir. Mas Deus sempre tem um plano para nós. Nós mantivemos a calma e, graças a Deus, conseguimos chegar aqui com vida”, declarou.

Na chegada à terra natal, além do alívio, os atletas puderam, mais uma vez, confirmar que a paz, a segurança e a proteção da família estão entre as maiores graças que Deus pode nos conceder.

Tags:
BrasilGuerraUcrânia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia