Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 22 Maio |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Poloneses vão à fronteira ucraniana retirar mulheres grávidas e crianças

HREBENNYM

Gentileza

En la frontera de Hrebennym (Polonia), colas de refugiados ucranianos a la intemperie.

Dolors Massot - publicado em 02/03/22 - atualizado em 02/03/22

A temperatura noturna está 6 graus abaixo de zero e há horas de espera. Milhares de crianças ao ar livre

“Que a guerra não venha no inverno”, diz um ditado popular em muitos países orientais. Infelizmente, isso aconteceu na Ucrânia. Os ucranianos – mulheres, crianças e idosos acima de tudo – deixam suas casas com as roupas do corpo. Alguns com uma pequena mala e um bebê nos braços. Mais de 400.000 refugiados já chegaram a dois pontos fronteiriços com a Polônia. Pessoas como nós.

Na Polônia, Begoña Herrera é uma das pessoas que tenta canalizar ajuda para quem está chegando. Ela é uma arquiteta espanhola que mora e trabalha lá há 30 anos. Criou há dois anos uma fundação dedicada à moda feminina e autoestima, a Pro Style, e lançou uma coleção de roupas para refugiados. Em Varsóvia, faz 4 graus ao meio-dia. Espera-se 6 graus abaixo de zero para hoje à noite.

“Estamos unidos e todos recebem cuidado. Não há diferenças devido a questões políticas. O essencial são as pessoas.”

“As pessoas na Polônia correram para a ajuda humanitária. Absolutamente o país inteiro. Estamos unidos e todos recebem cuidado. Não há diferenças devido a questões políticas. O essencial são as pessoas”, explica ela. “Mas agora se trata de nos organizarmos para que a ajuda seja eficaz.”

“Muitos voluntários vão com seu carro para a fronteira, atravessam, pegam refugiados e os levam para a Polônia”

Ela pensou em roupas porque “é um elemento importante. Essas pessoas não têm nada e está frio”.

Eles vão em seus carros particulares para a Ucrânia

“O ponto de ajuda mais frágil”, diz Begoña, “está na fronteira, porque há horas e horas de espera para atravessar. Vimos que os carros ucranianos são obrigados a esperar mais do que os poloneses retornando ao seu país, então muitos voluntários vão com seu carro particular para a fronteira, atravessam, pegam refugiados e os levam para a Polônia. Com a placa polonesa, fica mais ágil.” As primeiras pessoas que procuram os voluntários são as mulheres grávidas e as mulheres com bebês.

Marta é uma delas. Ela entrou em seu carro para a fronteira de Hrebenne (Hrebennym em polonês), a quatro horas de Varsóvia. Ela tirou as duas fotografias que aparecem neste artigo. Era noite e não havia tempo a perder. Ela chorou muito ao observar bebês ao ar livre naquele frio congelante.

HREBENNYM

Tatiana, que mora na fronteira com a Rússia há 6 anos, também foi para a fronteira com seu carro e mobilizou outras pessoas.

HREBENNYM
Tatiana, voluntaria polonesa que foi à fronteira com a Ucrânia para ajudar

Begoña explica que é admirável o quão focado está todo o país em que eles chegam. “Uma vez na Polônia, eles recebem cuidado, comida e assistência médica quando precisam. O governo decidiu que os trens passem a ser gratuitos neste momento para os refugiados ucranianos, para que eles possam seguir viagem. Isso tornará mais fácil para aqueles que têm família ou amigos chegarem aonde precisam ir.” De Hrebenne, são 6 horas de carro até Varsóvia.

“Está sendo uma mobilização completa. Os refugiados vão para as casas de famílias que ofereceram acomodação, instituições como a Caritas, a Ordem dos Cavaleiros de Malta, Universidades… No caso das Universidades, cada uma delas ofereceu um lugar para centenas de pessoas.”

Tags:
CriançasGuerraRefugiadosUcrânia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia