Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 27 Janeiro |
São João Maria, chamado Muzei ou Ancião
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

O pecado grave do aborto legal na Colômbia

MARSZ PROLIFE W WASZYNGTONIE

AP/Associated Press/East News

Vanderlei de Lima - publicado em 06/03/22 - atualizado em 28/06/22

Notamos a manobra para que o aborto seja imposto à população por meio do “ativismo judicial”

No dia 21/02/2022, a Corte Constitucional da Colômbia descriminalizou o aborto até as 24 semanas de gestação. Portanto, até o seu sexto mês de vida intrauterina, um ser humano pode ser assassinado sob o amparo da lei dos homens. Perante a lei divina, porém, esse homicídio cruel e covarde continua a ser pecado grave. Reflitamos!

Já de início, afirmemos que, no aborto provocado, tem-se a morte deliberada e direta – independentemente da forma como é realizado – de um ser humano na fase inicial de sua existência. Fase que vai da concepção ao nascimento. É pecado mortal e leva quem participa desse aborto – salvo as atenuantes do cânon 1324 a algumas mães – à excomunhão automática (cf. Código de Direito Canônico, cânon 1398 e Catecismo da Igreja Católica, n. 2270-2275). Mais: o aborto é um pecado que clama aos céus por vingança de Deus (cf. Gn 4,10), porque, conforme a doutrina católica, a sua malícia é tão grave e manifesta, que provoca o mesmo Deus a puni-lo com os mais severos castigos.

O segundo ponto é refutar os que, de um modo um tanto relativista, argumentam mais ou menos assim: “O aborto já existe. Se for legalizado, nada mudará, na prática. Apenas passará de ato criminoso a legal”. A este falso raciocínio, responde o Pe. Dr. Luiz Carlos Lodi da Cruz, do Pró Vida Anápolis (GO): “Legalizar ou não o aborto não é a mesma coisa. A diferença é enorme! Uma coisa é viver em uma nação cheia de criminosos que infringem a lei. Outra coisa é viver numa nação criminosa, porque aboliu a lei que pune o crime. Uma coisa é não conseguir impedir o aborto com as forças policiais. Outra coisa bem diferente é declarar que a matança dos inocentes não deve ser impedida porque é um direito do cidadão matar seus filhos”.

E continua: “Uma coisa é a justiça estar apenas no papel, mas não na prática. Outra coisa muitíssimo pior é a justiça não estar nem sequer no papel, mas ser trocada por uma lei injusta. Uma coisa é haver indivíduos, por numerosos que sejam, que não honram as leis justas da pátria. Outra coisa muito mais grave é uma pátria nem ao menos ter leis justas para serem honradas. Uma coisa é o crime de muitos brasileiros contra a vida. Outra coisa é o crime da própria nação brasileira contra o direito sagrado e inviolável à vida”.

Sua conclusão só pode ser, portanto, a seguinte: “A partir do dia em que o aborto se tornar lei, não haverá apenas um aumento do número dos assassinatos intrauterinos. Haverá uma mudança essencial: o Brasil se tornará uma nação aliada ao inimigo de Deus, ao homicida desde o princípio. Que nenhum de nós concorra, por atos ou omissões, para que tal desgraça aconteça” (O homicida desde o princípio. Boletim online, 10/05/2016).

Manobra

De fato, o crime aumenta onde é estimulado, mas diminui ou até se extingue onde é combatido. No Texas (EUA), por exemplo, o governador Greg Abbott assinou, em maio de 2021, o Texas Heartbeat Act que proíbe o aborto quando o batimento cardíaco do bebê se torna detectável, geralmente por volta da sexta semana de gravidez. Esta lei, embora, infelizmente, não proteja os nascituros concebidos nos crimes e pecados de estupro e incesto, conseguiu fazer cair, já no primeiro mês após promulgada, os casos de homicídios no ventre materno em cerca de 60% (cf. Texas reduz em 60% o aborto: o começo da batalha pela vida. IPCO online, 12/02/2022).

Por fim, notamos a manobra para que o aborto seja imposto à população por meio do “ativismo judicial”. Afinal, foi a Suprema Corte da Colômbia – e não os legisladores – que, por 5 votos a 4, jogou na consciência do povo colombiano mais este fardo moral. A pergunta a ser feita é: diante desse pecado grave do assassinato de um ser humano inocente e indefeso no ventre materno, que fazer?

Três são as atitudes dos fiéis católicos e demais pessoas de boa vontade: 1) Rezar pedindo a Deus que tenha piedade da Colômbia e livre também o Brasil do mal do aborto. 2) Demonstrar-se firme na denúncia desse pecado grave. 3) Estimular médicos e demais pessoas da área da saúde a conhecerem e a alegarem objeção de consciência ante essa escalada da morte sob o amparo da lei humana, mas não da imutável lei divina.

Coragem! Com a graça de Deus, venceremos!

Tags:
AbortoFamíliaFilhosPecadoVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia