Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 23 Maio |
São Desidério
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Deus a salvou do suicídio e ensinou a perdoar sua mãe abusiva

WEB2-PORTRAIT-MARTINE-L.jpg

Martine L.

Martine

Raphaëlle Coquebert - publicado em 07/03/22

Ela queria morrer, até entrar em uma igreja por acaso: "as palavras do padre me atingiram bem no coração"

“Nascida um ano depois do meu irmão, fui imediatamente rejeitada pela minha mãe, que tinha problemas com as filhas. Ela me submeteu a muitos abusos físicos e verbais. Ela ficava me dizendo que eu era um pedaço de lixo a ser descartado em uma sarjeta. Acabei acreditando e acumulei fracassos.”

No entanto, é sem ódio que Martine L., uma policial aposentada, relaciona sua infância dolorosa com um pai motorista de caminhão que estava sempre ausente e uma mãe abusiva cujo alcoolismo a fez caminhar para mais e mais violência.

Trabalho forçado

Aos 16 anos, a jovem foi forçada a trabalhar 10 horas por dia limpando casas para ganhar dinheiro para sua mãe. Mas justamente quando ela estava se tornando adulta, teve uma discussão muito pior do que o habitual com sua mãe, e ela se rebelou. Em consequência do rompimento, ela se viu na rua e afundou em álcool, drogas e sexo.

“No entanto”, continua ela, “no fundo, eu tinha o desejo de sair disso. Embora Deus estivesse totalmente ausente da minha vida na época, acredito hoje que meu batismo, recebido aos 2 anos por pura tradição, deu-me uma força interior.”

Morando em um albergue, Martine trabalhou como diarista e estudou por correspondência. Aos 24 anos, ela conseguiu se juntar à força policial. Ela teve a oportunidade de uma vida mais estável, o que a fez acreditar na possibilidade de felicidade. Ela se apaixonou por um colega oficial, casou-se e enterrou seu passado trágico no fundo da alma.

Salva no último momento

No entanto, a perspectiva de maternidade reabriu suas feridas. Como ela poderia se tornar mãe quando havia sido tão brutalmente rejeitada? Depois de abortos, Martine se divorciou e ficou desabrigada pela segunda vez, aos 42 anos.

“Minha vida foi uma ladainha de sofrimento. Eu estava destroçada por dentro… Eu pensei que só a morte poderia me dar paz de espírito.” No dia em que decidiu agir, ela esqueceu sua arma de serviço em casa.

Alguma força misteriosa a levou a entrar em uma igreja. Ela se viu no meio de uma missa católica, e uma Presença benéfica veio para neutralizar seu plano de dar fim à própria vida.

Reconciliação

“As palavras do padre me atingiram bem no coração, e eu desmaiei em lágrimas…” Uma paroquiana veio prestar ajuda.

Assim começou uma longa jornada de reconciliação consigo mesma: confissão, um catecumenato de 24 meses, confirmação e uma jornada de dois anos dentro de uma Fraternidade Camilo de Lelis. Para se curar em profundidade, ela fez sessões de terapia e direção espiritual.

“Eu revistei meu passado sob o olhar do Senhor, em uma atmosfera de total benevolência. Fui movida para o fundo do meu coração, mas apoiada pelo poder da oração fraterna. Então chegou o dia em que a pessoa que me acompanhava me pediu para perdoar minha mãe… Eu estava em paz com quase todas as partes da minha vida, exceto aquela: eu estava cheio de raiva por aquela que me fez tanto mal.”

Perdão do alto

Dilacerada pela raiva, Martine se voltou para o Céu em busca de ajuda: “Em resposta, ouvi uma voz dentro de mim dizendo: ‘Quero que você se levante! Escolha o caminho da vida, perdoando sua mãe. Se você recusar esse perdão, se desviará pelos caminhos da morte que marcaram sua vida desde a infância.’ Tocada por essa advertência, entrei na capela e implorei ao Senhor que colocasse em meu coração esse perdão que me sentia totalmente incapaz de expressar. Instantaneamente, essa graça me foi concedida, ao mesmo tempo em que uma torrente de paz derramou-se em todo o meu ser.”

Após este episódio decisivo, Martine escreveu uma carta para sua mãe, que havia morrido duas décadas antes, e foi ao seu túmulo para depositá-la.

“Perdoar a mulher que tinha sido minha algoz abriu um novo caminho de vida para mim. E quando o sofrimento de não ter sido capaz de começar uma família se torna assombroso, coloco essa cruz nas mãos de Cristo. Ele me ajuda a carregá-lo, porque agora e para todo o sempre Ele é tudo para mim.”

Martine compartilhou sua história em um livro, “Le jour où j’ai pardonner les crachats de ma mère” (“O dia em que pude perdoar minha mãe por cuspir em mim”, atualmente disponível apenas em francês).

Tags:
MortePerdãoSofrimentoSuicídio
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia