Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 25 Setembro |
Santo Aunacário ou Aunacário
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Papa Francisco sem panos quentes: “Não é operação militar especial: é guerra!”

PAPA FRANCISCO

Antoine Mekary | ALETEIA | I.Media

Francisco Vêneto - publicado em 07/03/22

O Papa contestou a versão da Rússia de que a guerra contra a Ucrânia não seja uma guerra

“Operação militar especial” é o desconcertante termo eufemístico imposto pelo governo de Vladimir Putin às narrativas oficiais da Rússia para referir-se à guerra que o seu exército está promovendo em território da Ucrânia.

O governo russo vem ameaçando e prendendo seus próprios cidadãos que protestam contra a guerra. Só neste domingo foram cerca de 4 mil prisões de manifestantes. População, imprensa e, obviamente, quaisquer membros de qualquer esfera do governo russo estão explicitamente proibidos de usar o termo “guerra” para descrever o que está sendo perpetrado na Ucrânia, sob pena de até 15 anos de cadeia pelo alegado crime de propagar “fake news” caso chamem a guerra daquilo que ela é.

A postura de Vladimir Putin exemplifica de modo retumbante o que é um governo autoritário, ainda que supostamente democático e eleito pela população, e quais são as consequências da intervenção estatal no controle da mídia, ainda que alegadamente “justificada” pela desculpa de “combater fake news”.

As ameaças de Putin contra quem questiona a sua assim descrita “operação militar especial”, no entanto, não calaram o Papa Francisco.

“Trata-se de guerra”

Em sua tradicional alocução do Ângelus neste I Domingo da Quaresma, 6 de março, o pontífice afirmou sem panos quentes que a guerra da Rússia contra a Ucrânia não é apenas uma “operação militar especial”, mas sim uma “guerra” de fato, com todo o horror que este fato significa para a população.

“Correm rios de sangue e lágrimas na Ucrânia. Não se trata apenas de uma operação militar, mas de guerra, que semeia morte, destruição e miséria. As vítimas são cada vez mais numerosas, assim como as pessoas que fogem, especialmente mães e crianças. A necessidade de assistência humanitária neste país atormentado está crescendo dramaticamente a cada hora”.

Como medida concreta e urgente de assistência, Francisco reforçou o pedido de que sejam criados e respeitados corredores humanitários nas áreas em conflito, assim como acesso facilitado de ajudas à população que está nessas regiões.

Reconhecimentos

O Papa fez questão de agradecer ainda a todas as pessoas que estão empenhadas em ajudar e acolher os refugiados de guerra:

“Agradeço a todos aqueles que estão acolhendo refugiados. Acima de tudo, imploro que os ataques armados cessem e que prevaleçam a negociação e o bom senso. E um retorno ao respeito ao direito internacional”.

Francisco fez menção especial também aos jornalistas, voltando a afirmar que eles estão cobrindo uma guerra e não apenas uma operação militar:

“Gostaria de agradecer às jornalistas e aos jornalistas que colocam sua vida em risco para garantir a informação: obrigado, irmãos e irmãs, pelo seu serviço! Um serviço que nos permite estar perto da tragédia daquela população e nos permite avaliar a crueldade de uma guerra. Obrigado, irmãos e irmãs”.

Durante o Ângelus, o Papa observou a presença de bandeiras ucranianas entre o público na Praça de São Pedro e rezou com os fiéis uma Ave-Maria dedicada a “Nossa Senhora Rainha da Ucrânia’.

Ações concretas da Igreja pela paz

Ao encerrar sua alocução, Francisco reafirmou que a Santa Sé está disposta a empregar seu máximo empenho pela obtenção da paz. O próprio Papa, de fato, já foi pessoalmente até a embaixada da Rússia perante o Vaticano para interceder pelo fim da guerra. Ele também se prontificou a ser o mediador entre as partes para ajudá-las a estabelecer o cessar-fogo e a retomada de negociações diplomáticas. Neste domingo, Francisco informou que enviou dois cardeais à Ucrânia para facilitar as ajudas da Igreja ao povo local.

“A Santa Sé está pronta para fazer tudo, para colocar-se a serviço desta paz. Nestes dias, dois cardeais foram à Ucrânia para servir ao povo, para ajudar. O cardeal Krajewski, esmoleiro, para levar ajuda aos necessitados, e o cardeal Czerny, prefeito [interino] do Dicastério [para o Serviço] do Desenvolvimento Humano Integral. Esta presença dos dois cardeais ali é a presença não só do Papa, mas de todo o povo cristão que quer se aproximar e dizer: ‘A guerra é uma loucura! Parem, por favor! Vejam esta crueldade'”.

Tags:
GuerraIdeologiaIgreja CatólicaPapa FranciscoPolíticaUcrânia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia