Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 26 Novembro |
São Conrado 
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

‘Ao meu irmão Vladimir’: padre e indicado ao Prêmio Nobel da Paz escreve a Putin

FATHER Pedro Opeka

Mamyrael | AFP

Padre Pedro implora a Putin: "pare a guerra, desista da ditadura, das mentiras, das falsas aparências e da duplicidade"

Marzena Devoud - publicado em 09/03/22 - atualizado em 28/06/22

O Pe. Pedro Opeka é um desses pacificadores discretos e eficientes. Ele trabalha diariamente a serviço dos mais pobres e necessitados. Enquanto a guerra na Ucrânia continua, o sacerdote dirigiu uma contundente carta aberta ao "irmão Vladimir Putin"

Missionário lazarista em Madagascar, nascido na Argentina e de família eslovena, Pe. Pedro Opeka foi indicado cinco vezes ao Prêmio Nobel da Paz. Tendo trabalhado por quase 50 anos para os mais pobres de Madagascar, este padre de determinação edificante construiu Akamasoa, uma cidade perto de Antananarivo, a capital do país. Este lugar extraordinário dedicado aos excluídos e menos favorecidos agora abriga 25.000 habitantes. Akamasoa, a associação que leva seu nome, já ajudou 500.000 pessoas.

Consternado com a invasão russa na Ucrânia, ele espontaneamente escreveu e compartilhou com amigos e familiares uma carta aberta a Vladimir Putin, dirigindo-se a ele, como “meu irmão Vladimir”. A carta é cheia do rico espírito de fraternidade que lhe é muito caro e que ele pratica diariamente. 

Pe. Opeka escreve: “É hora de sair da lógica que divide o mundo em países poderosos e ricos e países vulneráveis ​​e pobres. Somos todos cidadãos da nossa terra, todos iguais, todos irmãos e irmãs e todos responsáveis ​​por construir um futuro melhor para todas as crianças do mundo que um dia nos substituirão e perpetuarão a vida na terra”.  O sacerdote ainda implora a Vladimir Putin que aja para “parar a guerra e parar o massacre de cidadãos inocentes”.

A carta completa do Padre Pedro a Vladimir Putin:

“Ao meu irmão Vladimir Putin,

Irmão Vladimir, acordamos neste 24 de fevereiro consternados ao ver que você declarou guerra e lançou um ataque contra o povo ucraniano, um povo soberano que respeita os direitos e as leis internacionais e que nunca teve a intenção de atacar a Rússia. Os cidadãos de muitos países sentiram grande amargura, tristeza e vergonha por seu ato insano.

Você, irmão Vladimir, é o presidente da Rússia, que tantas pessoas ao redor do mundo amam e respeitam por sua história e profundas raízes espirituais. Perguntam-se como é possível que se queira impor à força a outras nações a loucura de recriar um Império de outro tempo? A única solução que você encontrou nas garras de sua autoridade à deriva é provocar uma guerra de maneira surpreendente, às 3 horas da manhã, pegando seus ex-irmãos da União Soviética de surpresa. Um minuto após o seu discurso, uma chuva de granadas e mísseis caiu sobre a Ucrânia.

Alguém poderia pensar, ouvindo você, que esse ataque foi direcionado a um país que ameaça o mundo inteiro. Mas, na realidade, o povo ucraniano simplesmente quer viver em paz em seu país livre e soberano. É fácil obrigar soldados cidadãos russos, que se recusariam a lutar e, portanto, incorreriam na penalidade de acusá-los de serem traidores da Pátria, a atacar e matar irmãos e irmãs de outra nação sob falsos pretextos.

Homens e mulheres livres, humanistas de nossa terra, levantem sua voz para condenar este ato bárbaro contra o povo ucraniano!

É hora de sair da lógica que divide o mundo em países poderosos e ricos contra países vulneráveis ​​e pobres. Somos todos cidadãos da nossa terra, todos iguais, todos irmãos e irmãs e todos responsáveis ​​pela construção de um futuro melhor para todas as crianças do mundo que um dia nos substituirão para perpetuar a vida na terra. Devemos parar de acreditar que existem seres humanos mais dignos do que outros.

Vivemos no século 21, e as armas que os humanos inventaram podem destruir a Terra. Como você, irmão Vladimir, pode brincar com fogo, equilibrando-se em um barril de pólvora que pode explodir a qualquer momento, gerando um caos total que pode acabar com toda a nossa civilização? Onde está a sabedoria dos heróis, poetas e escritores que defenderam os ideais de toda a humanidade contra a barbárie, a tirania e a ditadura?

Que nós, irmão Vladimir, sejamos mais humanos, mais respeitosos, mais honestos e mais verdadeiros, vivendo na verdade. Porque só a verdade nos tornará livres e fraternos. Como podemos aceitar hoje a dramática morte imposta aos soldados ucranianos ou russos? Todos esses soldados têm famílias, têm irmãos e irmãs que os lamentarão se morrerem. Penso nos soldados russos que não saberão por que morreram ou por que foram mortos.

Nunca é tarde demais para cair em si e se juntar a esses seres humanos que procuram viver em justiça, fraternidade e paz. Esta guerra que vocês começaram é um ato irresponsável, prejudicial à humanidade. Pela guerra nunca conseguiremos resolver os conflitos humanos, é a partir de agora, através do diálogo e da diplomacia, que todos os países desta terra trocam. A mediação de países terceiros pode sempre ajudar a resolver problemas e potenciais conflitos, é sempre possível encontrar soluções pacíficas e justas. Para isso, é preciso respeito, assim como a ideia de que todos pertencemos a uma única Família Humana.

Nossa humanidade comum nos une acima de todas as ideologias, todas as religiões e todas as ideologias de raça, uma vez que encarnamos uma humanidade, com suas diferenças, livres e iguais. A nossa diversidade é uma riqueza que torna a vida mais bela, no respeito, na partilha e na fraternidade.

Irmão Vladimir, volte ao berço da Família Humana e seja um irmão que constrói o Bem-Comum e a solidariedade para que todos os seres humanos das futuras gerações da Terra possam viver com dignidade e igualdade de direitos e deveres! A guerra destrói, semeia o ódio e separa os povos por séculos antes que eles possam se reunir e trabalhar juntos. O dinheiro gasto em armas sofisticadas a serviço da morte e do terror não seria mais útil a serviço das necessidades vitais daqueles deixados para trás pela humanidade construindo mais moradias, escolas, hospitais e acesso à água para todos? Sempre acreditei que todo ser humano é meu irmão e minha irmã. Como posso convencê-lo, irmão Putin, a parar a guerra e parar o massacre de cidadãos inocentes?

Por favor, irmão Vladimir, pare a guerra, desista da ditadura, das mentiras, das falsas aparências e da duplicidade. Sejamos verdadeiros, justos, unidos e livres juntos! Que Deus Criador ilumine todos os governantes da terra para que vivam em fraternidade, igualdade e liberdade, que são os ideais da dignidade humana e dos direitos humanos.”

Padre Pedro
Tags:
GuerraPazUcrânia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia