Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 22 Maio |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Guerra na Birmânia: convento e hospital católico são bombardeados

ANN ROSE NU TAWNG, FREIRA NA BIRMÂNIA OU MIANMAR

ACN

Irmã Ann Rose Nu Tawng, freira na Birmânia (Mianmar), em foto da ACN

Francisco Vêneto - publicado em 11/03/22 - atualizado em 11/03/22

O país asiático sofre a mais longa guerra civil em andamento hoje no planeta

A guerra na Birmânia, pouco tratada nas manchetes internacionais, é um dos muitos e trágicos conflitos que estão atualmente ocorrendo em nada menos que 70 países mundo afora.

Conflitos armados perduram no país, cujo nome oficial é hoje Mianmar, desde a sua independência do Reino Unido, declarada em 1948. São conflitos de base étnica, entre diversos grupos armados contra as forças do governo central, visando independência. Inúmeros acordos de cessar-fogo já foram feitos na teoria, bem como foram criadas áreas autônomas em 2008, mas os grupos étnicos continuam lutando por independência ou pela federalização do país. A guerra civil na Birmânia é hoje a mais longa do mundo, uma vez que se arrasta há mais de sete décadas.

Um dos grupos étnicos mais atingidos pelos conflitos são os ruaingas, ou rohingyas, de fé islâmica, perseguidos pelo governo central e considerados pela ONU como uma das minorias mais perseguidas do mundo.

Eles não são os únicos, porém. A minoria cristã também sofre sistemática discriminação e perseguição na Birmânia.

A Igreja Católica local relatou que, nos últimos dias, edifícios religiosos foram alvo de ataques aéreos. Em 8 de março, a igreja de Nossa Senhora de Fátima, no vilarejo de Saun Du La, perto da cidade de Demoso, foi atingido pelos disparos de um avião de combate por volta das duas horas da tarde. Em 10 de março, por volta das 6 da manhã, o alvo dos bombardeios foi um convento da congregação das Irmãs da Reparação, também em Demoso. Esse convento, que mantinha em suas instalações um hospital para as freiras idosas, se localiza ao lado da igreja de Nossa Senhora Rainha da Paz, já bombardeada em junho de 2021.

A Igreja na Birmânia vem denunciando os ataques frequentes das forças militares há tempos. No caso dos últimos ataques, padres denunciam que os bombardeios não foram acidentais, já que não estavam ocorrendo conflitos armados naquela área.

“Foi claramente um ataque deliberado e planejado contra a Igreja Católica e civis inocentes, para maximizar o número de mortes humanas e aniquilar a religião”.

Um dos ataques pontuais mais mortíferos foi perpetrado contra a igreja do Sagrado Coração de Jesus em Kanyantharyear, com 8 mortos e dezenas de feridos. Padres, religiosos e freiras de 16 paróquias da diocese foram obrigados a abandoná-las e a buscar refúgio em outros locais.

Tags:
GuerraIdeologiaPerseguição
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia