Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 22 Maio |
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

Papas e guerra: entre a autodefesa e a incansável busca da paz

POPE PIUS XI

Ann Ronan Picture Library | Photo12 | AFP

I.Media para Aleteia - publicado em 18/03/22

Um olhar sobre a história recente da Igreja, desde a Primeira Guerra Mundial, e os sucessos e fracassos da diplomacia papal

Desde 24 de Fevereiro de 2022, a atitude da Santa Sé em relação à ofensiva russa na Ucrânia deu origem a perguntas e mal-entendidos, uma vez que o Papa Francisco nunca denunciou a Rússia pelo nome. Este tom faz parte de uma velha tradição de diplomacia no Vaticano, que tem sido frequentemente o único organismo a manter canais abertos com todos os atores em conflitos internacionais. I.MEDIA consultou três especialistas sobre o papado para identificar as directrizes da diplomacia papal desde a Primeira Guerra Mundial.

“Quando uma nação é atacada, tem todo o direito de se defender”, explica Frédéric le Moal, historiador e autor de um livro sobre a relação de Pio XII com a França durante a sua eleição em 1939. Ele observa que o termo “guerra justa”, que tem sido objeto de um longo desenvolvimento doutrinário ao longo dos séculos, está ligado sobretudo ao objetivo da “autodefesa”.

Relativamente à resistência ucraniana, assegura que se trata “totalmente” de um caso de auto-defesa, mas que encorajar a ajuda militar direta poderia levar a uma posição de “co-beligerância”. Esta situação daria a Vladimir Putin “o pretexto para uma política ainda mais agressiva” em relação ao Ocidente. “É um equilíbrio muito sutil, muito difícil de encontrar, e muito perigoso”, observa o historiador.

Consequências

O Papa Francisco, tal como Pio XII e os seus outros predecessores, sabe que “palavras demasiado brutais contra o inimigo podem ter consequências para os cristãos”. Assim, o objetivo da diplomacia do Vaticano nunca é atirar gasolina no fogo”, insiste o especialista em história militar. Evitar a espiral mortal que poderia conduzir a um conflito generalizado tem sido uma preocupação fundamental dos sucessivos papas ao longo da história.

Em 1939, Pio XII foi censurado por não ter denunciado claramente a agressão alemã contra a Polônia. Frédéric le Moal recorda que o Papa que pontificou durante a Segunda Guerra Mundial manteve sempre “uma extraordinária prudência” nas suas intervenções. O historiador vê analogias com a atitude do Papa Francisco perante o islamismo e o Kremlin.

Além disso, o estabelecimento de relações diplomáticas entre a Santa Sé e a Rússia sob o pontificado de Bento XVI, numa dinâmica de aproximação com o mundo ortodoxo, torna difícil fazer qualquer crítica frontal a Vladimir Putin. “É possível que o Papa Francisco esteja a ser cuidadoso para não quebrar este equilíbrio com a Rússia”, diz o historiador.

Conversar com todos, incluindo os poderes violentos

Frédéric le Moal lembra-nos que o realismo da diplomacia do Vaticano o leva a “falar com todos, incluindo pessoas que podem parecer verdadeiramente brutais”, assegura ele.

Assim, a nunciatura em Damasco nunca foi fechada durante a guerra civil, apesar da partida de uma grande parte do corpo diplomático. Esta estratégia deu ao papado “possibilidades de intervenção, especialmente num papel de arbitragem”, explica o historiador.

A Santa Sé viu-se assim no centro de muitas mediações, desde a Guerra dos Cem Anos até acontecimentos mais recentes, como a retomada das relações entre Cuba e os Estados Unidos em 2014.

Paradoxalmente, o mundo secularizado contemporâneo parece estar hoje mais receptivo às contribuições da diplomacia papal do que a chamada Europa “cristã” do início do século passado. O restabelecimento da credibilidade da Santa Sé tem sido fruto de várias décadas de esforço, após um período de descrédito da instituição pontifícia aos olhos dos governos ocidentais.

1914-1918: um papado controverso

Durante a Primeira Guerra Mundial, o papado sofreu um declínio na sua reputação internacional devido às diferenças entre o Papa Bento XV e o seu Secretário de Estado, recorda o historiador Marcel Launay, autor de uma biografia do pontífice que chefiou a Igreja de 1914 a 1922.

Neste contexto de caos entre nações europeias, o Cardeal Pietro Gasparri era a favor da “neutralidade absoluta, para não antagonizar nenhuma nação, porque para o papado isso era uma forma de procurar a paz” sem tomar a posição dos beligerantes.

Bento XV, por outro lado, considerava que se podia “interferir para tentar arranjar assuntos em nome de uma diplomacia que fosse a da paz”. Explicando que “a guerra é condenável em qualquer caso”, ele fez “24 intervenções em favor da paz e da reconciliação”.

Mas à medida que os combates avançavam, “o papado seria criticado pela sua atitude de aparente neutralidade”, recorda Marcel Launay. Neste contexto conturbado, os franceses chamavam a Bento XV o “Papa Germanófilo” e o general alemão, Erich Ludendorff, considerava-o, pelo contrário, um “Papa Francófilo”.

Na encíclica Ad beatissimi apostolorum, “desde o início do seu pontificado, ele disse: ‘Temos de procurar a paz, a guerra é odiosa'”, recorda o historiador. À medida que o pontificado evoluiu, “a posição de Bento XV prevaleceu finalmente sobre a de Gasparri”.

Em Agosto de 1917, Bento XV emitiu a mais importante intervenção do pontificado com a nota que dirigiu a todas as nações, convidando-as a “procurar a paz através do desarmamento”. Esta nota, mal recebida e mal compreendida, levou à exclusão da Santa Sé das negociações do tratado de paz em 1919, recorda Marcel Launay.

Rumo a uma Igreja que é “especialista em humanidade”

Nas décadas seguintes, a diplomacia papal deslocou gradualmente o seu centro de gravidade. Nas décadas de 1930 e 1940, a preocupação fundamental de Pio XII era limitar os riscos de perseguição dos católicos por Hitler, na Alemanha como nos países ocupados, e pelo regime soviético.

Sob os seguintes pontificados, contudo, ocorreu uma mudança de perspectiva. “A Igreja queria ser uma ‘especialista em humanidade’, pelo que já não se limitava a defender os católicos, mas vigiava realmente o respeito pela justiça para com todos os seres humanos, bem como a restauração da paz”, observou Frédéric le Moal.

O jornalista Bernard Lecomte, que cobriu o pontificado de João Paulo II, nota o “importante ponto de virada” tomado durante o pontificado de João XXIII, nomeadamente com a sua encíclica Pacem in Terris.

No início dos anos 60, o “Papa Bom” surpreendeu e chocou alguns católicos com os seus gestos de aproximação à URSS, o que, na verdade, ajudou a afastar o fantasma de uma guerra atómica. O jornalista explica que os contatos de João XXIII com Khrushchev “chegaram ao fim durante a crise dos mísseis cubanos, que coincidiu com a semana de abertura do Concílio”.

A pedido da comitiva de Kennedy, o papa italiano interveio com sucesso junto do líder soviético, que disse: “João XXIII e eu demo-nos bem porque somos ambos camponeses”.

“Houve, portanto, uma espécie de relação pessoal, bastante surpreendente”, observa Bernard Lecomte.

Seguiu-se o grito de Paulo VI – “Nunca mais guerra, nunca mais guerra” – na ONU em 1965. No entanto, o seu pontificado foi marcado pelos conflitos no Vietnã e em Biafra. Foi também o início da Ostpolitik no Vaticano.

O conceito de “nação” legitimado por João Paulo II

Eleito em 1978, João Paulo II assumiu uma estratégia diferente, enfatizando a defesa da nação polaca face ao domínio soviético, como demonstrado pelo “seu apoio ao Solidarnosc, aos dissidentes”, diz Bernard Lecomte.

O papa polaco continuou esta lógica no início dos anos 90, tomando o partido das populações balcânicas que procuravam a emancipação do regime de Belgrado, assinala ele.

“A independência da Croácia e da Eslovénia foi reconhecida muito rapidamente pela Santa Sé, mesmo antes dos países da Comunidade Europeia”, recorda o biógrafo do papa polaco. “Estas eram duas nações católicas pelas quais João Paulo II tinha um carinho especial, como ele tinha por todas as comunidades católicas do Oriente”.

Este apoio papal explícito e rápido seria criticado durante as lutas fratricidas que iriam dilacerar os países da ex-Jugoslávia. Mas a defesa de uma população oprimida, inclusive através da resistência armada, era legítima aos olhos de João Paulo II. “Quando somos atacados por tanques, respondemos com mísseis anti-tanque. Cada situação tem a sua resposta específica”, sublinhou Bernard Lecomte.

No seu discurso de 2004 na Normandia, o Cardeal Ratzinger, representante de João Paulo II para as comemorações de 6 de Junho, salientou que os desembarques Aliados eram uma necessidade moral e mostraram “o carácter insustentável do pacifismo absoluto”.

“O desembarque na Normandia não podia ser realizado com scooters, isso é claro!” observa Bernard Lecomte, notando a plena convergência entre o papa polaco e o seu sucessor alemão, eleito 60 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial.

Sucessos e fracassos aparentes de uma diplomacia de longo prazo

Em termos de esforços diplomáticos, o início do pontificado de João Paulo II foi marcado pela sua bem sucedida mediação no conflito sobre o Canal Beagle, uma zona fronteiriça disputada na ponta sul da América Latina. “Ele não queria deixar duas nações católicas, Argentina e Chile, entrar em guerra uma contra a outra”, recorda Bernard Lecomte, sublinhando a eficácia da mediação levada a cabo pelos núncios enviados pelo Papa, que conduziu a um tratado de paz no início dos anos 80.

O fim do pontificado foi mais amargo, pois a imensa influência internacional de João Paulo II não o impediu de experimentar desilusões. O Papa experimentou um “fracasso total” durante a ofensiva americana de 2003 no Iraque, segundo o seu biógrafo. Ele “investiu muito” ao enviar o Cardeal Pio Laghi a George W. Bush e o Cardeal Roger Etchegaray a Saddam Hussein, e “foi tudo em vão”. O repórter sublinha: “Só porque a diplomacia do Vaticano se investe numa questão, não significa que tenha êxito”.

No entanto, esta atitude de João Paulo II deu frutos a longo prazo, na percepção que a população iraquiana tem da figura do Papa. Bernard Lecomte reconhece que é “bastante provável” que o sucesso da visita do Papa Francisco ao Iraque em 2021 tenha estado ligado à atenção constante da Santa Sé à população iraquiana, mesmo quando o país era um pária na cena internacional.

Apesar dos aparentes fracassos face a acontecimentos traumáticos e violentos, a perseverança da diplomacia papal e a atenção fiel dos papas às populações martirizadas pela guerra pode, portanto, ser também uma ferramenta valiosa para moldar a paz a longo prazo.

Tags:
GuerraPapaPolíticaUcrânia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia