Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 13 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Igreja vira abrigo na Ucrânia e reúne fiéis para rezar pelo fim da guerra

Modlitwa

Marcin Nowak/REPORTER

Katolicka Agencja Informacyjna - publicado em 21/03/22

Além de abrigar pessoas que deixaram suas casas por causa da guerra, todos os dias a paróquia promove missas, adoração do Santíssimo e oração do Terço. No centro de Jitomir, católicos, protestantes e ortodoxos rezam juntos pela paz

Em entrevista à Rádio Vaticano, Pe. Jarosław Olszewski aponta que a Divina Misericórdia se torna muito tangível em tempos de guerra. O padre palotino trabalha na Paróquia da Divina Misericórdia em Jitomir, Ucrânia. Todas as noites, as pessoas se reúnem nas criptas da igreja, e os mais necessitados recebem suprimentos básicos de alimentação e assistência médica.

No início não havia pão

Pe. Jarosław disse à Rádio Vaticano que mais da metade dos 270.000 moradores de Jitomir deixaram a cidade. Os palotinos encaminham grupos de evacuados para a Polônia e ajudam a fornecer ajuda material.

Pe. Jarosław, que trabalha na Ucrânia há mais de três décadas, diz:

“No início não havia pão; agora pequenas padarias estão abrindo novamente. Atualmente não se ouvem explosões, mas passo as noites perto de um prédio de bombeiros e as sirenes de alerta soam com bastante frequência. Na verdade, elas estão ligadas enquanto falamos; o último alerta soou meia hora atrás, e houve três alertas de ataques aéreos à noite.

Deixamos as pessoas passarem a noite na igreja inferior. Todos os dias, cerca de cem pessoas vêm; quando há ataques aéreos, o número chega a duzentos. Como a construção da igreja é bastante robusta, nós a tratamos como uma espécie de abrigo antiaéreo. Graças a Deus o local onde as pessoas se abrigam é aquecido, tem eletricidade e banheiros. As pessoas se reúnem aqui porque estão preocupadas acima de tudo com as crianças, os idosos e consigo mesmas.”

Evacuação e socorro

“As pessoas não entram em pânico aqui, mas estão muito angustiadas e assustadas. Em cooperação com o corpo de bombeiros local, estamos organizando evacuações para a fronteira polonesa e para o oeste da Ucrânia. Até agora, conseguimos evacuar mais de 1.500 pessoas de ônibus.

Tentamos o nosso melhor para manter o ânimo de todos. O pároco está em contato com os soldados que também estamos tentando ajudar fornecendo remédios, curativos e alimentos. No sábado, fui ao mercado local. Os quiosques estão abrindo lentamente e há uma oferta bastante razoável de produtos básicos, especialmente pão, que faltava antes.

Acho que o problema agora é que as pessoas estão ficando sem dinheiro para comprar coisas básicas. A Cáritas faz um excelente trabalho aqui. As pessoas vêm e recebem ajuda específica: farinha, massa e outros essenciais. Tentamos ajudar o máximo que podemos e elevar o ânimo das pessoas. Todos valorizam muito nossa presença, o fato de termos ficado com eles”.

A oração cresce a cada dia

Pe. Jarosław aponta que a guerra eliminou as divisões interdenominacional; uma oração ecumênica pela paz acontece no coração de Jitomir.

“Uma observação interessante é que são os homens, não as mulheres, que são a maioria da congregação agora. Mulheres com filhos foram embora. Todos que puderam, mandaram seus filhos, mães ou avós para lugares mais seguros. Os homens ficaram para defender sua pátria.

A oração se intensifica a cada dia. Após a Missa há uma exposição do Santíssimo Sacramento e o Terço da Divina Misericórdia. Cantamos súplicas; na verdade, estávamos fazendo isso dois meses antes da invasão, quando a ameaça de guerra se tornou muito real.”

O padre concluiu:

As pessoas tratam a oração com seriedade. Todos os dias rezamos o Santo Rosário. No centro da cidade, onde ficava o Monumento a Lênin, tremula uma enorme bandeira ucraniana. Católicos, protestantes e ortodoxos se reúnem espontaneamente para rezar. Todos os dias, durante meia hora, rezam pela paz na Ucrânia”.

Tags:
GuerraTerçoUcrânia
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia