Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 07 Outubro |
Nossa Senhora do Rosário
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

Kirill seguirá Putin em sua queda

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
UKRAINE WAR ECUMENISM

Shutterstock

Jean-François Colosimo - publicado em 29/03/22

O teólogo Jean-François Colosimo analisa as consequências da relação ambígua entre o Patriarca Kirill e Vladimir Putin. Para ele, os dois estão fadados a cair juntos

Aleteia: Salienta-se que Putin e Kirill são da mesma geração. Para além da sua idade, o que têm estes dois homens em comum?

Jean-François Colosimo: Na Rússia, depois de 1989, apenas duas instituições surgiram dos escombros do comunismo: a KGB e a Igreja, que têm laços antigos. Kirill entrou imediatamente na corrida para se tornar patriarca, um objetivo que alcançou em 2009. Embora tivesse uma reputação inicial como progressista e ecumenista, assumiu o preconceito anti-ocidental típico do novo regime autoritário e apoiou a política externa de Putin. Tornou-se, de certa forma, o seu ministro para assuntos religiosos. Da mesma forma que Putin lidera uma federação multi-étnica, multi-fé e multilingue, Kirill, em nome da Ortodoxia, preside o Conselho Religioso da Rússia, que reúne o Rabino Chefe para o Judaísmo, o Grande Mufti para o Islã e o Grande Lama para o Budismo. No exterior, o pontífice e o déspota professam a mesma ideologia da unidade do “mundo russo”, em outras palavras, de uma Rússia que inclui todas as populações de língua russa. Este imperialismo pan-russo foi tornado possível pelo fato de não ter havido um Nuremberg do comunismo. Putin e Kirill são dois sobreviventes do homo sovietus. Concordam sobre o esquecimento dos gulags, a recusa da ordem internacional e a negação dos direitos humanos.

O que eles trazem um ao outro?

Kirill e Putin são impulsionados pelo mesmo projeto de restauração. O patriarca procura afirmar a grandeza da Igreja russa, tal como o presidente pretende reafirmar a grandeza do Estado russo. Internamente, a Igreja está a assumir o papel outrora desempenhado pelo Partido Comunista. É agora responsável pelo patriotismo, moralidade, normas sociais e pelo recrutamento de elites. Neste contexto, Kirill pretende imitar a interpretação que ele tem de um catolicismo do século XIX que nunca existiu, uma Igreja fortaleza que teria governado a sociedade. Ele quer fazer esta Igreja travar as grandes batalhas contra a Modernidade com uma dimensão inquisitorial que não é tradicionalmente ortodoxa. No exterior, Kirill promove o apoio diplomático a Putin. O Patriarcado de Moscou é a única instituição russa que ainda cobre a totalidade da ex-URSS. Apoia as manobras geopolíticas do atual regime. As representações do Patriarcado de Moscou na Bielorrússia, na Ucrânia, mas também nos Estados Bálticos, no Cazaquistão e nas Repúblicas da Ásia Central são, de fato, segundas embaixadas. Com as suas extensões nos antigos países satélites e nas antigas repúblicas irmãs, mas também na Europa e nas Américas, o Patriarcado de Moscou constitui cerca de 50% do mundo ortodoxo e se beneficia dos importantes recursos diplomáticos e financeiros que o Estado russo lhe reserva. Os dois homens andam juntos na política interna e externa.

Para estabelecer a sua hegemonia, Kirill empenhou-se num braço de ferro com o Patriarca de Constantinopla Bartolomeu. Mas o primaz de todos os ortodoxos no mundo – Bartolomeu –, que está resolutamente inscrito numa abordagem ecuménica e que é o primeiro líder espiritual a promover a ecologia, como o Papa Francisco reconhece, encarna uma ortodoxia que é o oposto da chauvinista, conservadora, moralista e clerical de Kirill. Duas concepções da humanidade, do mundo e do cristianismo são opostas. Tal como Stalin, Kirill tende a medir o poder pelo número de divisões e, portanto, a subestimar Bartolomeu. Ele não vê que Bartolomeu tem história, tamanho, experiência e primazia. Kirill decidiu não ir ao Grande Conselho Pan-Ortodoxo que Bartolomeu reuniu em Creta em 2016 e embarcou na sua recusa ao Patriarcado de Antioquia, à Igreja da Bulgária e à Igreja da Geórgia. O impulso conciliar, no entanto, foi alcançado. Mas Kirill, contudo, superestima as suas capacidades, especialmente desde que a Ucrânia se tornou um problema para ele e para Putin.

Por quê?

Se o Patriarcado de Moscovo representa 50% do mundo ortodoxo, a Ucrânia constitui 40% do Patriarcado de Moscou. No entanto, o confronto frontal entre Putin e o Ocidente tem como terreno a Ucrânia, principalmente a Crimeia e, no Oriente, a província de Donetsk. A tensão aumenta após 2014 e a revolução Maidan. Mas Putin subestima grandemente a existência da nação ucraniana: em 1991, 92% da população votou pela independência. Os ortodoxos são majoritários, mas estão divididos; além da Igreja de Moscou, existem duas Igrejas cismáticas: uma que continua o movimento das catacumbas que surgiram sob o comunismo, a outra que Filareto de Kiev criou para satisfazer a sua ambição pessoal. No entanto, ser simultaneamente ortodoxo e ucraniano está a tornar-se cada vez mais difícil: como fazer parte de um centro de autoridade espiritual aliado a um poder político hostil?

Será que esta independência eclesiástica ucraniana se concretizou?

Em 2019, o Patriarcado de Constantinopla concede à Igreja da Ucrânia o estatuto de autocefalia, por outras palavras, de auto-governo. Kirill rompe a comunhão com Bartolomeu, declara-o cismático e nega-lhe qualquer direito de primazia. O caso afetou toda a Ortodoxia, tendo as Igrejas locais sido convocadas para escolher o seu lado. Kirill utilizará todos os meios de pressão que a política externa do Kremlin lhe permite. No final de 2021, enquanto Putin se projeta na África Ocidental, entre outros no Mali, através do infame Grupo Wagner, Kirill desencadeia uma cisão no patriarcado de Alexandria, que exerce a sua jurisdição no continente africano e que é a favor da independência da Igreja da Ucrânia.

Será que os destinos de Vladimir Putin e Kirill estão tão ligados que eles correm o risco de afundar juntos?

Para Putin, a Ucrânia existe apenas como parte da Rússia. Ele não viu que as populações etnicamente ou linguisticamente russas formariam um bloco com a resistência patriótica. Kirill também não compreendeu que os bispos da Igreja autônoma que ele tinha consigo estavam gradualmente a se dissociar dele. Ao justificar uma guerra iníqua e fratricida, Kirill tornou-se um escândalo para os ortodoxos, mas também para os católicos e os protestantes. Ele seguirá Putin na sua queda, mesmo que não seja necessariamente de imediato. O melhor inimigo da Rússia de hoje é Putin e o melhor inimigo da Ortodoxia é Kirill. Sem a Ucrânia, o Patriarcado de Moscou é apenas mais uma igreja no mundo ortodoxo.

Haverá uma fratura entre o clero e os fiéis na Rússia?

A Igreja russa é hoje constituída no reverso do modelo piramidal que normalmente governa as comunidades humanas: os fiéis valem mais do que os padres que valem mais do que os bispos. Por razões de interesse, a hierarquia partilha a ideologia de Kirill. Da mesma forma que Putin amordaçou a imprensa livre e perseguiu a oposição, Kirill tem constantemente purgado o corpo eclesiástico de todos os elementos oposicionistas. No entanto, ainda existe uma oposição interna. As petições contra o atual patriarca estão a multiplicar-se. Estamos menos longe do que se poderia pensar de um renascimento da espiritualidade russa e eslava no espírito de Gogol, Dostoiévski e Soljenítsin.

Que oportunidades o mundo ortodoxo pode tirar dos acontecimentos atuais?

Assistimos a uma inversão espectacular de imagem no espaço de meio século. De uma Igreja espiritual, quase imaterial, de contemplação, oração e liturgia, passamos a uma espécie de sobrevivência arcaica, ameaçadora, incapaz de compreender a modernidade, confundindo política e religião. A questão agora é como os ortodoxos voltarão ao essencial, que é o Evangelho, limpando-se da escória da história. O Patriarcado Ecuménico está disposto a fazê-lo porque conhece o peso das tragédias históricas a partir da sua própria experiência. Foi capaz de transformar as suas dificuldades num reino, como se diz no Monte Atos, à imagem do Deus que se faz impotente para que o verdadeiro poder da Ressurreição possa se manifestar. A Ortodoxia tem muito a contribuir para os diálogos ecumênicos e inter-religiosos, para a civilização planetária da inter-relação. A visão constantinopolitana está muito próxima do catolicismo que brotou do Vaticano II, a de uma Igreja que nos convida a reconhecer em Cristo o Salvador do mundo porque Ele é o Servo da humanidade.

Entrevista conduzida por Laurent Ottavi

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
DiálogoGuerraRússiaUcrânia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia