Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 07 Outubro |
Nossa Senhora do Rosário
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

O bispo que consagrou secretamente a Rússia à Nossa Senhora em Moscou

Bishop-Hnilica.jpeg

Copyright by Archív biskupa Pavla M. Hnilicu SJ v Nových Hradoch

Bp Pavol Hnilica

Marzena Devoud - publicado em 01/04/22

Quando o Papa João Paulo II consagrou solenemente o mundo a Maria na Praça São Pedro, em Roma, um bispo jesuíta realizou o mesmo ato de forma secreta, no coração do Kremlin

Nos corredores do Vaticano, algumas pessoas costumavam chamá-lo de “James Bond do pontificado de João Paulo II”. De fato, o Papa polonês o encarregava regularmente de missões especiais – tão secretas quanto perigosas. Por exemplo, ir a Moscou para celebrar secretamente a Missa e consagrar a Rússia e o mundo ao Imaculado Coração de Maria na véspera do mesmo ato de consagração pronunciado por João Paulo II no Vaticano, em 25 de março de 1984.

Numa época em que a União Soviética era esmagada por um regime totalitário e oficialmente ateu, esta tarefa tinha todas as características de uma missão impossível. Mas não para o bispo eslovaco Dom Pavol Hnilica (1921-2006), um jesuíta ordenado sacerdote clandestinamente em 1950, em meio à perseguição religiosa que a Tchecoslováquia comunista estava sofrendo. Ele foi exilado em Roma e, secretamente, nomeado bispo por Pio XII em 1951. Em 1976, conheceu o Karol Wojtyla, o futuro Papa João Paulo II.

O bispo das missões especiais

Tomasz Terlecki, autor do trabalho biográfico Biskup do zadan specjalnych (“O Bispo das Missões Especiais”), relata que, assim que o Papa polonês foi eleito, o bispo eslovaco disse abertamente a João Paulo II:

“Santo Padre, a consagração e a conversão da Rússia devem ocorrer durante seu pontificado”.

João Paulo II, que sabia da grande devoção do Bispo Hnilica a Maria, respondeu: “Se você convencer os bispos, eu a consagrarei a Maria imediatamente”. No entanto, nada aconteceu durante vários anos.

Entretanto, tudo isso mudou no dia da tentativa de assassinato de João Paulo II, em 13 de maio de 1981 – festa de Nossa Senhora de Fátima. O Papa polonês foi levado apressadamente à Clínica Gemelli e ficou em estado crítico. O mundo inteiro se uniu em oração.

Milagrosamente salvo, João Paulo II imediatamente tomou consciência da ligação entre seu ataque e a mensagem de Fátima. Isso o levou a pedir que o conteúdo do terceiro segredo de Fátima lhe fosse revelado.

Depois de lê-lo, ele tinha certeza não só de que era Maria quem havia salvado sua vida, mas também o que ele deveria fazer num futuro próximo. Durante sua convalescença, ele confidenciou ao Bispo Hnilica:

“Entendi que a única maneira de salvar o mundo da guerra, de salvá-lo do ateísmo, é converter a Rússia de acordo com a mensagem de Fátima”.

Um ano mais tarde, no aniversário da tentativa de assassinato, o Papa já estava em Fátima para agradecer à Virgem por ter sobrevivido às balas. E ele confia o mundo a Nossa Senhora.

Em seu livro, Tomasz Terlecki recorda as palavras da Irmã Lúcia sobre este ato de consagração. A visionária de Fátima enfatizou que aquela consagração “não cumpriu tudo o que Nossa Senhora pediu, porque não incluiu uma consagração especial da Rússia a Nossa Senhora”.

Além disso, ela não foi feita em unidade com os bispos do mundo inteiro. João Paulo II decidiu repetir o gesto dois anos mais tarde. De fato, o dia 25 de março de 1984 marcou a consagração do mundo e da Rússia ao Imaculado Coração de Maria. A consagração aconteceu na Praça de São Pedro e em dioceses de todo o planeta.

Mgr Pavel Hnilica
João Paulo II e o bispo Hnilica

O planejamento

Quando Pavol Hnilica soube da decisão do Papa, ele quis ir a Moscou para estar lá no dia da consagração. Mas como poderia fazer isso? A resposta veio durante sua estada em Calcutá. Acolhido por sua amiga Madre Teresa, o bispo jesuíta estudou com ela a possibilidade de enviar irmãs de sua congregação para a União Soviética. E foi lá que ele teve uma ideia incrível: pedir um visto de trânsito por alguns dias à embaixada soviética em Calcutá.

Ele pensou que, se tivesse sorte, os oficiais não teriam o instinto de vincular sua condição de bispo da Cúria Romana com sua identidade de oponente tchecoslovaco. Ele pediu o visto de turista para o período de 22 a 25 de março. Ao mesmo tempo, Madre Teresa pediu a todas as irmãs que rezassem. Como ele relataria mais tarde, um milagre aconteceu: o bispo perseguido pelos comunistas obteve um visto de trânsito russo que lhe permitiu atravessar a União Soviética.

No dia 24 de março, um dia antes da solenidade da Anunciação, a data em que João Paulo II planejava consagrar o mundo e a Rússia ao Imaculado Coração de Maria, o bispo Hnilica conseguiu chegar ao Kremlin com um grupo de diplomatas. O propósito oficial? Uma visita turística às igrejas ortodoxas.

Antes de entrar na Igreja de São Miguel Arcanjo, um oficial de segurança tentou barrar a pequena bolsa do padre, que continha a hóstia e o vinho para a celebração da Missa. “Eu tinha na mão a medalha da Virgem Maria, bem escondida. Tenho certeza de que isso me ajudou naquele momento”, disse ele mais tarde. Finalmente, o jesuíta entrou na igreja acompanhado por outro padre católico, e os dois homens não foram revistados.

A consagração secreta

“Entrei no interior da igreja, aproximando-me do altar. Depois peguei o Pravda (o jornal oficial do Partido Comunista) de minha bolsa e o desdobrei perto de mim. Entre suas páginas estava L’Osservatore Romano (o jornal oficial do Vaticano) com a publicação do texto do Ato de Consagração do Mundo escrito por João Paulo II”, confidenciou o Bispo Hnilica a Tomasz Terlikowski.

Ele, então, começou a rezar:

“Ó Mãe dos homens e dos povos, vós que conheceis todos os seus sofrimentos e esperanças, vós que sentis de maneira maternal todas as lutas entre o bem e o mal, entre a luz e as trevas que abalam o mundo contemporâneo, recebei o chamado que, com vosso amor de mãe e serva do Senhor, abraçai nosso mundo humano, que vos oferecemos e consagramos, cheio de preocupação pelo destino terreno e eterno dos homens e dos povos. Nós vos oferecemos e consagramos de maneira especial aqueles homens e nações que necessitam em particular desta oferta e consagração…”.

A Missa mais comovente

O bispo também relatou:

“Naquela igreja, no coração do Kremlin, uni-me espiritualmente com o Santo Padre e todos os bispos do mundo e, em união com eles, fiz o ato de consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria. Depois fui para a Igreja da Assunção de Nossa Senhora. Em frente ao altar dedicado a Maria, eu o repeti. Mais uma vez, retirei meu Pravda com o L’Osservatore Romano dentro, e mais uma vez me uni ao Santo Padre e a todos os bispos. Eu até celebrei a Missa naquela igreja! Como isso foi possível? Eu fingi tirar fotos. Um frasco de aspirina vazio serviu como cálice. Havia vinho e algumas gotas de água dentro dela. As hóstias estavam em um pequeno saco de nylon. O texto litúrgico da Festa da Anunciação estava escondido nas páginas do Pravda. Talvez pela primeira vez, este jornal contivesse toda a verdade – o texto sobre a Anunciação. Foi a Missa mais comovente da minha vida”.

Embora a Missa tenha durado apenas três quartos de hora, para o bispo Hnilica foi uma das liturgias mais importantes de sua vida:

“Quando deixei o Kremlin, senti-me transformado, senti a mão de Deus me acompanhando e me protegendo. Por isso não me preocupei com as conseqüências porque conhecia o poder de Deus”. Compreendi que a partir daquele momento, a Rússia pertencia à Virgem Maria e que o Senhor um dia a libertaria do poder de Satanás”.

De volta a Roma, durante uma audiência privada, Dom Hnilica contou ao Papa o que havia feito em Moscou. João Paulo II lhe disse: “Naquele dia, querido Pavol, a Virgem o tomou pela mão. “Não, Santo Padre”, respondeu o jesuíta. “Ela me carregou em seus braços”.

Tags:
consagraçãoNossa SenhoraRússia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia