Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 08 Agosto |
São Domingos de Gusmão
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Preparado(a) para casar? Este padre tem as respostas

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
shanti108.jpg

shanti108 | Shutterstock

Mathilde de Robien - publicado em 05/04/22

Há já alguns anos, o Padre Jean-Baptiste Stern, da comunidade de São João, oferece uma forma de preparação para o casamento que está fora dos circuitos habituais. É uma preparação exigente, até mesmo "esmagadora", segundo um casal de noivos, onde se passa muito tempo a conhecer-se a si próprio e à outra pessoa, e a partilhar emoções

O número de divórcios coloca a preparação do casamento na linha da frente. Para dar aos casais os meios para prosperar na união, parece necessário reforçar a preparação para o casamento. “Para se tornar padre, há uma preparação de oito anos. Há algo de errado”, observou o Papa Francisco em setembro de 2015. Mas há um tipo de preparação diferente. Seu iniciador é o Padre Jean-Baptiste, da Comunidade de São João em Saint-Quentin-sur-Indrois (Indre-et-Loire, França).

Sacerdote há cerca de trinta anos, ele preparou muitos casais para o casamento ao longo do seu ministério. Ele notou que muitos casais, embora acompanhados durante o seu noivado, são finalmente apanhados, após cinco, dez ou quinze anos de casamento, pelas mesmas dificuldades que os outros casais.

“Tentei analisar o que poderia ajudá-los a enfrentar melhor estas dificuldades, e perguntei-me como dar um ‘plus’ à preparação do casamento”, confidencia. Nos últimos dez anos, reviu a sua abordagem, baseada numa profunda convicção: a intimidade entre duas pessoas baseia-se na partilha de emoções. “A intimidade entre duas pessoas não se baseia na troca de ideias, mas sim na troca de emoções. Só me torno íntimo de alguém porque lhe confio o que sinto”.

É esta intimidade que deve ser aprofundada durante este tempo de preparação para o casamento, e que se revela um tesouro inestimável para os anos que se seguem. Esta abordagem destina-se aos noivos que estão convencidos e motivados, e que estão prontos a ser desafiados por uma preparação exigente.

O Padre Jean-Baptiste não se contenta em ensinar um catecismo sobre o casamento ou em dar chaves para a vida em comum. Formado para acompanhar as pessoas, encoraja o casal de noivos a revelar-se, a partilhar as suas emoções, a entrar em verdadeira comunhão um com o outro. Este é um processo profundamente comovente que, sem dúvida, dá frutos preciosos para a vida matrimonial.

Acompanhando um processo de auto-exame

O Padre Jean-Baptiste dedicou e dedica muito do seu tempo para os noivos. Vários fins de semana por ano – a um ritmo específico para cada casal – ele ouve, acompanha e ajuda os noivos a descobrirem-se um ao outro. Isso assume a forma de conversações a três, em que o padre convida cada casal de noivos a ir ao fundo de si mesmo para dizer quem realmente é.

Éloi e Bénédicte casaram em 2018. Foram acompanhados pelo Padre Jean-Baptiste e aperceberam-se da sorte que tiveram em poder entregar-se tão livremente um ao outro antes do seu casamento. “Com o pe. Jean-Baptiste, cada um empreendeu um trabalho sobre si próprio, em frente do outro. Ele tem esta capacidade de nos ajudar a falar sobre tudo em conjunto, de nos fazer ouvir um ao outro, de nos ajudar a respeitar o outro no que ele é. Ajuda-nos a conhecer-nos, a amar-nos a nós próprios e a amar o outro”, diz Éloi.

Feridas

Este é um processo desafiador na medida em que faz as feridas virem à tona, mais ou menos profundas, que cada um de nós carrega no seu interior. Feridas que são mostradas ao outro nesta busca da verdade sobre si próprio. E isto pode ser doloroso. “No momento em que os noivos se abrem, tomam consciência de certos obstáculos, quebram barreiras, feridas do passado vêm à luz. É frequentemente uma fonte de lágrimas, mas é também muito libertador”, explica o Padre Jean-Baptiste.

Marc e Éléonore, casados desde Agosto de 2019, testemunham os benefícios de revelar as suas feridas um ao outro. “Não são necessariamente grandes feridas”, acrescenta Éléonore, “mas somos inevitavelmente marcados por pequenas coisas que moldam a nossa personalidade. Estar consciente delas permite-nos conhecer a outra pessoa em profundidade, saber porque reagem de tal forma, e depois evita que reapareçam dentro de dez anos.”

Para Mathieu e Marie, que também foram preparados para o casamento pelo Padre Jean-Baptiste, falar de si próprios fez emergir algumas feridas bastante profundas. Maria está bem ciente do seu medo de não ser amada. Ela atribui esta ansiedade à atitude do seu pai, que nunca demonstrou realmente o seu afeto. Por vezes, especialmente durante as discussões, ela tende a voltar a ser uma menina ferida, com um medo profundo de que ninguém se apegue a ela. Durante a preparação do casamento, ela compreendeu de onde veio este medo e é agora capaz de se tranquilizar. “Aprendemos a comunicar, experimentámos o benefício de partilhar as nossas fraquezas. E isso é muito libertador! Mostrar as nossas fraquezas, quando elas são aceites com respeito e escuta, faz-nos felizes, reforça a confiança e multiplica o amor”, diz Marie.

Dar chaves para a comunicação

De que serve falar de si próprio? Para além de nos conhecermos em profundidade, é uma boa maneira de nos conhecermos durante anos futuros. Já não existem assuntos tabu. Mathieu e Marie confirmam: “Durante esta preparação, adquirimos o hábito de comunicar sobre assuntos íntimos. Graças a esta facilidade de comunicação, Bénédicte e Éloi também se sentem equipados para os anos vindouros: “Já não temos medo de nos confrontarmos, o nosso conhecimento mútuo permite-nos mesmo antecipar certas tensões. Claro que seremos confrontados com novos problemas na nossa vida de casal, mas temos agora as chaves da comunicação e da escuta, o que nos permitirá enfrentá-los com serenidade e respeito um pelo outro.

Qual é o teu sentimento agora?

Quanto a Marc e Éléonore, depois de descobrirem a importância de compartilhar as emoções, desenvolveram um pequeno ritual de casal: quando um problema, ou tensão, surge na sua vida diária como recém-casados e jovens pais, perguntam um ao outro: “Qual é o teu sentimento agora?”, e o outro tenta responder: “Eu sinto…”. Uma ferramenta de comunicação descoberta e experimentada durante a sua preparação para o casamento, que provou ser muito eficaz na resolução de uma tensão particular que atormentava a sua relação de tempos a tempos: Mark sentia-se desconfortável quando Eleanor se ausentou sozinha num fim-de-semana com amigas, sem ele. Sentiu um sentimento de desilusão e frustração por ela estar feliz sem ele. Em contrapartida, ela sentiu-se culpada e ligou para ele durante o fim de semana… Eles falaram sobre isso, partilharam os seus sentimentos, e os dois se tranquilizaram.

Preparação extraordinária

Para coroar esta extraordinária preparação, o Padre Jean-Baptiste fornece “serviço pós-casamento”. Após a união sacramental, ele permanece disponível para dedicar ouvidos atentos aos casais que preparou. Marc e Éléonore dizem tê-lo chamado várias vezes desde o seu casamento. “Em uma hora de conversa, ele tinha resolvido o problema fazendo-nos perguntas como: por que lhe disseste isso…”, diz a jovem mulher. Uma preocupação que corresponde plenamente a um pedido feito pelo Papa Francisco na sua exortação apostólica Amoris Laetitia, onde dedica um longo parágrafo ao acompanhamento dos cônjuges durante os primeiros anos de casamento: “se o amor se reduzir a mera atracção ou a uma vaga afectividade, isto faz com que os cônjuges sofram duma extraordinária fragilidade quando a afectividade entra em crise ou a atracção física diminui. Uma vez que estas confusões são frequentes, torna-se indispensável o acompanhamento dos esposos nos primeiros anos de vida matrimonial, para enriquecer e aprofundar a decisão consciente e livre de se pertencerem e amarem até ao fim”.

Contato

Frères de saint Jean à saint Quentin-sur-Indrois
Email: semarierenverite@gmail.com

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CasamentoFamíliaPadres
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia