Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 08 Agosto |
São Domingos de Gusmão
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Francisco concorda com Bento XVI: Igreja do futuro será menor, porém mais autêntica

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-greeting-Pope-Emeritus-Benedict-XVI

HANDOUT / VATICAN MEDIA / AFP

Kathleen Hattrup - publicado em 18/04/22

Falando com jesuítas em Malta, Francisco disse que a visão de Bento XVI sobre o futuro da Igreja é uma das “intuições mais ricas” que o Papa Emérito teve

O Papa Francisco concorda com o que já disse o seu predecessor Bento XVI: o futuro da Igreja será “menor”, ​​mais “humilde e autêntico”, com “energia para o essencial”.

Esse assunto foi tratado em uma conversa do Papa com os membros da Companhia de Jesus, durante a viagem apostólica a Malta.

A transcrição da conversa informal de cerca de 40 minutos, realizada na manhã de domingo, 3 de abril de 2022, na Nunciatura Apostólica e com a participação de 38 confrades malteses, foi postada pela  La Civiltà Cattolica, a revista jesuíta italiana.

A Igreja do futuro

Religiosos perguntaram a Francisco como será o futuro da Igreja, que está se tornando menor na Europa secular, enquanto se desenvolve na Ásia e na África. 

O Papa, então, respondeu prontamente:

“Papa Bento XVI foi um profeta desta Igreja do futuro, uma Igreja que se tornará menor, que irá perder muitos privilégios, será mais humilde e autêntica e encontrará energia para o essencial. Será uma Igreja mais espiritual, mais pobre e menos política: uma Igreja dos pequenos. Bento XVI, quando era bispo, havia dito: vamos nos preparar para ser uma Igreja menor. Esta é uma de suas mais ricas intuições.”

Vocações

O Santo Padre reconheceu o problema da falta de vocações para muitas ordens religiosas, ligando-o ao fato de que há menos jovens, já que as famílias estão tendo menos filhos. “Os casamentos estão diminuindo, enquanto as pessoas pensam em crescer na profissão”, acrescentou o pontífice.

Respeito nas questões vocacionais

Para Francisco, tal situação traz também o risco de se “querer buscar vocações sem discernimento adequado”, perigo sobre o qual o Papa já alertou em outras ocasiões.

“Lembro-me que em 1994 se realizou um Sínodo sobre a vida consagrada. Vim como delegado da Argentina. Na época, estourava o escândalo dos noviços nas Filipinas: as congregações religiosas iam para lá em busca de vocações para importar para a Europa. Isso é terrível”, explicou o Santo Padre.

De fato, na exortação apostólica publicada após o Sínodo da Amazônia o Papa já chamava a atenção para esta questão. Ele destacou: “É digno de nota que, em alguns países da Bacia Amazônica, mais missionários vão para a Europa ou Estados Unidos do que permanecem para ajudar seus próprios Vicariatos na região amazônica.”

Agora, aos jesuítas, Francisco alertou:

“A Europa envelheceu. Temos que nos acostumar com isso, mas temos que fazê-lo de forma criativa, para levar para as vocações as qualidades que vocês mencionaram em sua pergunta: humildade, serviço, autenticidade”.

Nós avançamos, e não há como voltar atrás

Francisco também falou sobre a jornada sinodal da Igreja:

“Estamos aprendendo a falar e escrever ‘no Sínodo’. Foi Paulo VI quem retomou o discurso sinodal perdido. Desde então, avançamos na compreensão, na compreensão do que é o Sínodo. Lembro-me que, em 2001, fui relator do Sínodo dos Bispos. Na verdade, o relator era o Cardeal Egan, mas por causa da tragédia das Torres Gêmeas, ele teve que voltar para Nova York, sua diocese. Eu era o substituto. As opiniões de todos, mesmo de grupos individuais, foram coletadas e enviadas à Secretaria-Geral. Eu reunia o material e organizava. O secretário do Sínodo iria examiná-lo e dizer para remover esta ou aquela coisa que havia sido aprovada por votação dos vários grupos. Havia coisas que ele não considerava apropriadas. Houve, em suma, uma pré-seleção de materiais. Claramente não havia compreensão do que é um Sínodo.

Hoje avançamos e não há como voltar atrás. Ao final do último Sínodo, no levantamento dos temas a serem abordados no próximo, os dois primeiros foram o sacerdócio e a sinodalidade. Pareceu-me claro que eles queriam refletir sobre a teologia da sinodalidade para dar um passo decisivo em direção a uma Igreja sinodal.”

A verdadeira vocação da Igreja

Por fim, o Papa voltou a falar sobre os números da Igreja e a sua vocação:

“Qual é a vocação da Igreja? Não são números. É evangelizar. A alegria da Igreja é evangelizar. O verdadeiro problema não é se somos poucos, em outras palavras, mas se a Igreja evangeliza. Nas reuniões anteriores ao Conclave, eles falaram sobre o perfil do novo Papa. Foi justamente aí, nas Congregações Gerais, que se utilizou a imagem de uma Igreja que sai. Em Apocalipse diz-se: ‘Estou à porta e bato’. Mas hoje o Senhor está batendo de dentro para que possamos deixá-lo sair. Esta é a necessidade de hoje, a vocação da Igreja hoje.”

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Bento XVIIgrejaPapa FranciscoVocação
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia