Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 08 Agosto |
São Domingos de Gusmão
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

O calvário das crianças nos países em guerra

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
SUDAN

STEFANIE GLINSKI | AFP

Ricardo Sanches - publicado em 19/04/22 - atualizado em 28/06/22

Vítimas de sequestros, matança, violência sexual e outras atrocidades: nas regiões em conflito, as crianças e adolescentes continuam sendo atacadas de forma cruel e alarmante

Em uma guerra, todos sofrem. Mas, certamente, o impacto dos conflitos sobre as crianças é ainda maior. Elas padecem ao ver a família dividida, já que os pais, muitas vezes, precisam ir para o combate. Também perdem a referência de lar, pois precisam abandonar suas casas. Além disso, veem suas escolas destruídas, assim como a cidade e o país. Como se não bastasse, ficam expostas ao risco de morte e de todo tipo de atrocidade, como sequestro e exploração sexual.

O Direito Internacional Humanitário prevê que forças armadas adotem medidas de proteção a civis em países em guerra. Isso inclui, sobretudo, crianças e adolescentes, que são particularmente vulneráveis nas regiões marcadas por conflitos. Na prática, entretanto, a medida raramente acontece.

Na Ucrânia, por exemplo, cerca de 400 crianças foram mortas ou feridas desde a invasão russa, em fevereiro de 2022. A informação é da ONG Save The Children, que também estima que 4,8 milhões de menores tiveram que deixar suas casas.

O calvário das crianças nos países em guerra

A guerra não atinge somente a Ucrânia. Atualmente, há, pelo menos, 70 países envolvidos em conflitos – e alguns deles se arrastam há anos.

Embora sejam conflitos que não despertam tanto a atenção da mídia, eles não deixam de ser menos graves em termos de morte e destruição. Também nesses países em guerra, a situação das crianças é considerada extremamente preocupante. Tanto que o Unicef, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, identificou e condenou seis tipos graves de violações contra crianças e adolescentes em tempo de guerras.

Entre os anos de 2005 e 2020, o Unicef confirmou mais de 266 mil violações graves contra crianças e adolescentes em mais de 30 situações de conflito na África, Ásia, Oriente Médio e América Latina.

Violações contra crianças nas áreas de conflito

1. Matança e mutilação de crianças. Segunda o Unicef, foram confirmados mais de 104.100 casos de crianças mortas ou mutiladas em situações de conflito armado. Mais de dois terços deles aconteceram em 2014;

2. Recrutamento e uso de crianças e adolescentes pelas forças e grupos armados. Os menores são usados como combatentes, cozinheiros, carregadores, mensageiros e espiões. No período de análise, registraram-se 93 mil casos em que as crianças e adolescentes foram forçadas a agir na linha de frente dos conflitos;

3. Ataques a escolas e hospitais. O Unicef identificou 13.900 ataques diretos e indiretos a instalações educacionais e médicas. “Esses ataques não apenas colocam a vida de meninas e meninos em risco, mas também interrompem seu aprendizado e limitam seu acesso à assistência médica, o que pode ter um impacto permanente em sua educação, oportunidades econômicas e saúde geral”, afirma a instituição;

4. Violência sexual. Nas regiões em conflito, o fundo das Nações Unidas registrou 14.200 casos de violência sexual contra crianças e adolescentes nos países em guerra. As meninas representam a esmagadora maioria das vítimas;

5. Rapto de crianças e adolescentes. A estimativa é que, entre 2005 e 2020, 25.700 crianças e adolescentes foram raptados nos países em conflito. Esse tipo de crime intimida grupos em guerra e também alimenta o tenebroso mercado da prostituição e do tráfico de órgãos;

6. Recusa à ajuda humanitária. 14.900 casos de recusa à ajuda humanitári para crianças e adolescentes aconteceram no período de análise. Segundo a instituição, isso “inclui a privação intencional ou impedimento de assistência humanitária essencial para a sobrevivência de meninas e meninos pelas partes em conflito”.

O Unicef ainda informou que o número de atrocidades cometidas contra os menores nesses países em conflito pode ser bem maior, devido à dificuldade que aos sobreviventes encontram em fazer as denúncias, motivados pelo medo de retaliações, pela vergonha e pela falta de segurança.

Ações específicas

Muitas ONGS e outras instituições realizam inúmeras ações específicas para ajudar as crianças em áreas de guerra. Um trabalho oculto, delicado e importantíssimo. O próprio Unicef informa que, juntamente com parceiros, interage com as partes em conflito para garantir o direito de crianças e adolescentes.

Entre outras ações, a Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre disponibilizou mais de 100 voluntários do escritório da ACN na Polônia para trabalhar na região de fronteira com a Ucrânia desde que a invasão russa começou. Eles distribuem roupas, comida e até brinquedos para as crianças refugiadas.

Já no Sudão do Sul, a Igreja tem um projeto para ajudar crianças-soldado, que foram treinadas para matar, a voltarem ao convívio social. Clique aqui e conheça mais sobre esta inestimável ação.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CriançasGuerraMundoUcrâniaViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia