Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 04 Outubro |
São Francisco de Assis
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

Emmanuel Macron reeleito: as 4 lições de uma reeleição sem surpresas

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
EMMANUEL-MACRON.jpg

Twitter @avecvous

Xavier Patier - publicado em 25/04/22

O Presidente Emmanuel Macron foi reeleito para um segundo mandato com 58% dos votos, e com uma abstenção recorde. O escritor Xavier Patier tira as primeiras lições desta reeleição sem surpresas: uma eleição sem apoio para um projeto político centrado na grande desconstrução

A surpresa das eleições presidenciais de 24 de Abril é que nada aconteceu que não estivesse previsto: não houve surpresa. Os desafios económicos, os perigos externos, a exasperação de um poder arrogante, o medo dos extremos, a campanha eclipsada, o desejo de mudança, a raiva silenciosa, o cansaço, nada poderia impedir a renovação clara do mandato do presidente. Aqui está Emmanuel Macron de volta ao cargo como que por renovação tácita com, para muitos eleitores, um sentimento de incompletude e a impressão de que a eleição terminou antes de ter começado. Mas a realidade está lá.

O fim do voto católico

Várias lições podem ser extraídas do que acabámos de experimentar. A primeira é que as eleições presidenciais de 2022 terão marcado o desaparecimento do eleitorado católico. Até 2017, houve um voto católico relativamente homogéneo, caracterizado por uma elevada participação, uma rejeição dos extremos e uma propensão para tudo o que se assemelhasse à centro-direita. Já não é este o caso: o que resta do eleitorado católico em França ficou disperso. Pela primeira vez, os extremos foram favorecidos por uma ausência significativa dos votos dos católicos praticantes. Nesse sentido, os católicos praticantes parecem ter-se abstido de forma bastante maciça no segundo turno, quando não votaram em branco. Parecem ter-se dividido em três terços: Le Pen, Macron, abstenção. Já não há um voto católico. No meio de solicitudes tinha acabado de ser virada. Por detrás desta ruptura, deve ser feito um grande esforço para discernir um desejo de reconstruir um projeto político cristão. Tudo tem de ser construído, mas quem tem a energia necessária para isso? Devemos esperar tempos difíceis, tão difíceis são as questões sociais a serem enfrentadas.

Uma segunda lição da eleição é o enfraquecimento do voto de apoio. Emmanuel Macron foi reeleito porque emergiu de dois anos de pandemia e agora com uma guerra entre a Rússia e a Ucrânia. Houve um aspecto de “não se muda de cavalo no meio do vau” na recondução de Macron. Nas últimas semanas não houve apoio ou entusiasmo popular em relação ao titular. Os franceses votaram em Macron por votar. E sabemos que desentendimentos resultam do dever feito sem prazer.

O veneno lento da raiva silenciosa

Uma terceira lição é que os franceses, como um povo velho, estão cansados de se exprimirem através de uma raiva forte. A partir de agora, o descontentamento já não se exprime através de gritos, mas sim através do silêncio. Já não se trata de ir para as ruas, mas de ficar em casa. Não confundamos a abstenção neste segundo turno – significativamente superior à de 2017 – com indiferença: é a raiva silenciosa de um eleitorado desencorajado. Há anos que se verifica uma crise na oferta política, que é um veneno lento. Emmanuel Macron foi reeleito por milhões de eleitores resignados. A sua base é muito mais fraca do que em 2017. O cenário de reunir todos os moderados ao Centro no poder pode funcionar a curto prazo, mas ninguém sabe por quanto tempo será sustentável.

A grande desconstrução

Finalmente, a última lição é que é tempo de aqueles que ainda não o fizeram relerem as declarações e o projeto do presidente reeleito. Para além da precipitação orçamentária e do oportunismo ecológico, a grande desconstrução permanece no coração do projeto de Macron. O Presidente da República é apenas o Presidente da República. Ele não pode fazer tudo. Sobre grandes questões económicas e estratégicas, as circunstâncias irão decidir por ele. Ele sabe disso. Uma vez que a sua margem de manobra económica é muito limitada num país que se endividou em demasia, tudo o que lhe resta para provar que pode mudar alguma coisa é agir em áreas da sociedade que não custam dinheiro: a desconstrução do Estado, a decomposição da família, a eutanásia liberalizada, a inclusão do aborto nos direitos fundamentais da constituição, a reescrita da nossa istória, a normalização da nossa cultura, a ignorância ou desprezo de tudo o que é pequeno, fraco ou marginal. Sobre estes assuntos, não há dúvida de que o presidente reeleito terá todo o interesse em avançar. Porque acredita que a história é escrita com antecedência e que não devemos ficar para trás dos tempos. Ele acredita na razão dos mais fortes. No mundo que está a ser preparado, em breve restará apenas a última praça cristã para fazer ouvir a voz de esperança prometida aos fracos e aos pequenos.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CulturaPolíticaSociedade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia