Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 22 Maio |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Você já sentiu saudade de si mesmo(a)?

WOMAN CRYING,

Photographee.eu | Shutterstock

Talita Rodrigues - publicado em 25/04/22

Muitas vezes perdemos o brilho nos olhos, passamos a ficar cegos para as coisas mais simples. E são as coisas mais simples que nutrem a nossa vida...

Hoje, ao ver uma foto, confesso que senti saudades de mim. Senti saudade de quem eu era, do brilho que havia nos meus olhos e da simplicidade que havia em minha vida. Era possível ver Deus nos meus olhos. 

A foto me fez perceber o quanto eu já me perdi de mim. Me fez perceber as brechas que eu dei para que a vida e tudo que faz parte dela me roubassem pouquinho a pouquinho de mim. 

Fui tirada de mim mesma quando tive e aceitei relacionamentos falidos, quando não fiz as escolhas certas, quando eu poderia ter agido da forma mais simples e pelo caminho mais difícil, mas optei por seguir a estrada mais fácil. Só por ser mais fácil. Porque o difícil não nos atrai. 

Uma questão de simplicidade

Percebi olhando para essa foto de oito anos atrás que, quando perdemos a simplicidade, nós não temos absolutamente nada. As coisas “não simples” começam a ser rotineiras. Um café, um almoço, um jantar mais robusto começam a ser coisas básicas. Não agradecemos mais e, quando sentamos à mesa, não conversamos.

Ficamos todos ligados 24 horas por dia na tela do celular. Simplesmente o que era simples e grandioso se torna rotineiro e pequeno. 

Perdemos o brilho nos olhos, passamos a ficar cegos para as coisas mais simples. E são as coisas mais simples que nutrem a nossa vida. É nas coisas simples que encontramos o sentido. 

Querer-se de volta

Hoje, eu chorei. Não por arrependimento. Não por orgulho. Chorei porque eu percebi que me quero de volta. Quero o brilho, quero a simplicidade, quero o sol, e quero que Deus não saia mais do meu olhar. 

G.K Chesterton disse certa vez: “A coisa mais extraordinária do mundo é um homem comum, uma mulher comum e seus filhos comuns.”

Os olhos são a janela da alma. Então, que meus olhos voltem a brilhar.

Quer ler mais artigos como este? Clique aqui e siga a psicóloga Talita Rodrigues no Instagram

Tags:
passadoPsicologiasentimentos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia