Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 29 Setembro |
São Miguel, São Gabriel e São Rafael
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

Venda do Twitter, liberdade de expressão e responsabilidade

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
TWITTER

Worawee Meepian | Shutterstock

Pe. Patrick Briscoe - publicado em 29/04/22

A Doutrina Social da Igreja teria algo a dizer sobre a venda do Twitter?

O bilionário Elon Musk negociou um acordo para comprar o Twitter por cerca de US$ 44 bilhões. Esse acordo, que pode ou não ser aprovado, parece ser animado pelo desejo de Musk de promover a liberdade de expressão na plataforma.

Pouco depois de anunciar sua tentativa de comprar a mídia social, Musk disse: “O Twitter se tornou uma espécie de praça da cidade, então é realmente importante que as pessoas tenham a percepção de que podem falar livremente dentro do limites da lei”. 

Musk também falou várias vezes sobre a censura do Twitter. Criticou, inclusive, a suspensão do New York Post da plataforma.

Elon Musk também afirmou que, “para o Twitter merecer a confiança do público, ele deve ser politicamente neutro”.

O bilionário também falou sobre a liberdade de expressão: “Por ‘liberdade de expressão’, quero dizer simplesmente o que está de acordo com a lei”. Ele ainda declarou: “Sou contra a censura que vai muito além da lei”. Então, para Musk, as proibições e suspensões do Twitter vão além da lei do país, mas esse é o único princípio que deve reger a liberdade de expressão?

Doutrina social católica e liberdade de expressão

Compêndio da Doutrina Social da Igreja afirma:

“O valor da liberdade, enquanto expressão da singularidade de cada pessoa humana, é respeitado e honrado na medida em que se consente a cada membro da sociedade realizar a própria vocação pessoal; buscar a verdade e professar as próprias ideias religiosas, culturais e políticas; manifestar as próprias opiniões; decidir o próprio estado de vida e, na medida do possível, o próprio trabalho; assumir iniciativas de caráter econômico, social e político.” 

Aqui a Igreja fala do direito de articular as próprias opiniões. Parece razoável concluir que isso se estenderia às plataformas de mídia social, que, como Musk vê, se tornaram a praça pública.

Qualquer coisa serve?

Para a Igreja, no entanto, isso não significa que vale tudoOs críticos de Musk se preocupam com os limites da liberdade de expressão. No passado, o Twitter permitia postagens incitando diretamente a violência, como aconteceu durante a “Primavera Árabe”. Outros estão preocupados em reviver a experiência de assédio que sofreram anteriormente no site.

A Igreja Católica ensina que existem limites para “o bem comum e a ordem pública”. Mas isso exige dos cidadãos as virtudes gêmeas da prudência e da responsabilidade.

Prudência

Para Tomás de Aquino, o teólogo dominicano medieval, a prudência é a rainha das virtudes morais. Segundo ele, a prudência é regnetiva, ou, como ele diz, “sabedoria sobre os assuntos humanos”. A prudência é a virtude que, como diz Thomas Hibbs, “envolve não simplesmente a subordinação de particulares a universais apropriados, mas a avaliação de circunstâncias concretas e contingentes”. A prudência orienta a aplicação dos princípios morais, animando o prudente a aplicá-los na vida cotidiana.

No Twitter, a prudência deve conter a depreciação e o discurso desnecessariamente depreciativo. Porque a prudência orienta homens e mulheres para o autêntico florescimento humano, ela anima o princípio católico que exige que a liberdade de expressão seja ordenada ao bem comum. A autêntica liberdade humana, em última análise, permite que a pessoa se afaste “de tudo o que possa impedir o crescimento pessoal, familiar ou social” (Compêndio, n. 200).

Responsabilidade

Na perspectiva católica, “a vida humana em sociedade é ordenada, produz frutos de bondade e responde à dignidade humana quando se fundamenta na verdade”. Para que isso aconteça em uma sociedade, homens e mulheres devem aceitar a responsabilidade por suas ações. 

Em uma plataforma digital, é fácil interagir descuidadamente ou anonimamente. Na melhor das hipóteses, isso pode ser divertido. No pior cenário, essas trocas distorcem a realidade e prejudicam o tecido da sociedade, das pessoas que vivem em comunhão umas com as outras. Aspectos particularmente viciosos das personalidades podem ser amplificados, enquanto as virtudes pessoais são silenciadas ou ocultas. A responsabilidade requer autenticidade e vulnerabilidade. Somente com esse núcleo de virtudes podem ocorrer trocas autênticas.

A possível compra do Twitter por Musk levanta muitas questões sobre a natureza da liberdade de expressão. Esperemos que outras vozes católicas aproveitem o momento para refletir mais profundamente sobre o que isso significa na praça pública digital.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
InternetliberdadeRedes sociaisValoresVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia