Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Agosto |
Bem-aventurado Gabriel Maria de Benifayó
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Papa recebe infiltração para aliviar dores no joelho

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
POPE FRANCIS AUDIENCE VATICAN

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 04/05/22

Boletim Direto do Vaticano, 4 de maio de 2022

  • O Papa Francisco recebe uma infiltração para aliviar o seu joelho
  • Francisco preocupa-se com a “mentalidade pré-conciliar” presente na Igreja em Itália
  • Novo Núncio Apostólico nomeado na Hungria, no meio de uma aproximação entre Roma e Budapeste

O Papa Francisco recebe uma infiltração para aliviar o seu joelho

Por Hugues Lefèvre: Numa entrevista dada a 3 de Maio ao Corriere della Sera – em grande parte dedicada à guerra na Ucrânia – o Papa Francisco confia na melhora do estado do seu joelho que o impede de andar. De acordo com o diário italiano, o Papa teve de receber infiltrações para aliviar a dor.

“Tenho um ligamento rompido, vou fazer um tratamento com infiltrações e veremos”, explicou o papa argentino a jornalistas do Corriere que o estavam a entrevistar na sua residência no Vaticano. De acordo com as nossas informações, o pontífice recebeu efetivamente uma infiltração no dia da entrevista.

“Estou neste estado há já algum tempo, não consigo andar”, disse o papa de 85 anos, que não conseguiu levantar-se para cumprimentar os seus entrevistadores. “Os médicos disseram-me que eu tinha de me sentar, por causa do meu joelho”, explicou ele. Também mencionou que no passado os papas utilizavam a “sedia gestatoria”, um tipo de trono. “É preciso um pouco de dor, um pouco de humilhação…”, disse ele.

Na segunda-feira, um dia antes da publicação da entrevista do Papa no Corriere, Francisco tinha realizado as suas audiências em Santa Marta, onde vive, e não no Palácio Apostólico, a fim de evitar trasladar-se. Dois dias antes, ao receber peregrinos da Eslováquia a 30 de Abril, o Papa tinha dito que a sua perna “não estava boa”, acrescentando mesmo: “Não funciona”. Ele disse que o seu médico lhe tinha pedido para não andar. “Eu gosto de andar, mas desta vez tenho de obedecer ao médico”, disse.

O Papa, que se sabe ter sido recentemente submetido a exames médicos, já recebeu, portanto, pelo menos uma infiltração. Nenhum detalhe do tratamento foi divulgado.

A infiltração do joelho é a injecção de analgésicos para aliviar a articulação. “Pode também envolver a injecção de uma substância viscosa que atua como um lubrificante”, diz um anestesista francês. Este tipo de tratamento não requer anestesia geral e pode ser facilmente realizada numa clínica ambulatorial. O paciente pode sentir rapidamente os benefícios.

“Geralmente, é apenas após um curso de infiltrações mal sucedidas que consideramos uma operação cirúrgica mais complexa”, explica o médico. Neste momento, não está prevista nenhuma cirurgia para o Papa Francisco.


Francisco preocupa-se com a “mentalidade pré-conciliar” presente na Igreja em Itália

Por Cyprien Viet: “Encontrei frequentemente uma mentalidade pré-conciliar que se disfarça de conciliar”: o Papa Francisco é impaciente quando questionado sobre as mudanças que deseja promover na conduta da Igreja. Na sua conversa com o Corriere della Sera publicada a 3 de Maio, para além da guerra na Ucrânia e dos seus problemas de saúde, o Papa volta às questões eclesiásticas e políticas que pontuam as notícias italianas.

O Papa sugere que a implementação das orientações do Concílio Vaticano II tem sido “talvez mais difícil” em Itália do que na América Latina ou África, uma palavra que parece ser uma crítica implícita ao episcopado italiano, que o Papa tem criticado regularmente pelo seu conservadorismo e gosto pela pompa e pelas circunstâncias. No início do seu pontificado, a sua opção de não nomear cardeais de prestígio, como o Arcebispo Francesco Moraglia, patriarca de Veneza, tinha sido interpretada como um desejo de não promover prelados de sensibilidade tradicional.

Contudo, o Papa sublinha nesta entrevista as qualidades de muitos padres, párocos, freiras e leigos italianos, e explica que não deseja implementar uma rotação demasiado rápida no seio da hierarquia episcopal. “Cada bispo é cônjuge vitalício da Igreja”, disse, citando o Cardeal Bernardin Gantin, que foi prefeito da Congregação para os Bispos durante o pontificado de João Paulo II.

Contudo, o Papa Francisco quis encorajar “a renovação da Igreja italiana”, nomeando simples sacerdotes diretamente para a chefia de grandes dioceses, como recentemente em Turim com o teólogo Roberto Repole, ou em Génova em 2020 com o franciscano Marco Tasca.

Para a presidência da Conferência Episcopal, que o Cardeal Bassetti, de 80 anos, irá deixar nos próximos dias, o Papa espera encontrar um cardeal “que queira fazer uma boa mudança”. Exprime também o seu apego à figura do Cardeal Martini, arcebispo jesuíta de Milão de 1979 a 2002, que morreu há quase dez anos, e que foi a figura central da ala reformista do episcopado italiano durante o pontificado de João Paulo II.

Boas relações com os líderes italianos

Relativamente à situação política em Itália, o Papa elogiou o chefe de governo Mario Draghi, “uma pessoa direta e simples” com quem a relação é “muito boa”. Confiou que tinha consultado Mario Draghi, que é membro da Pontifícia Academia de Ciências Sociais, quando era chefe do Banco Central Europeu. “A Itália está a fazer um bom trabalho”, disse o Papa, que também manifestou a sua admiração pelo Presidente da República Sergio Mattarella e pelo seu antecessor Giorgio Napolitano.

De uma forma mais polémica, o Papa expressou também o seu respeito por Emma Bonino, figura do Partido Radical e militante pelo acesso ao aborto, que foi uma opositora histórica da Igreja italiana. “Não partilho as suas ideias, mas ela conhece a África melhor do que ninguém. Perante esta mulher, eu digo ‘tire o chapéu'”, acrescentou Francisco, em francês.

O Papa expressou repetidamente a sua simpatia pela política afectada pelo câncer, que recebeu para uma audiência privada na residência de Santa Marta em Novembro de 2016, causando a perplexidade de alguns católicos italianos. O seu diálogo foi dedicado em particular ao acolhimento de migrantes.


Novo Núncio Apostólico nomeado na Hungria, no meio de uma aproximação entre Roma e Budapeste

Por Cyprien Viet: O Papa Francisco nomeou um novo Núncio Apostólico na Hungria a 3 de Maio. É o Arcebispo Michael Wallace Banach, que até agora tem sido Núncio Apostólico em vários estados da África Ocidental. A sua nomeação surge no contexto de uma aproximação entre o Papa Francisco e o governo húngaro, que tem estado envolvido no acolhimento de refugiados ucranianos desde o início da ofensiva russa na Ucrânia, a 24 de Fevereiro.

O arcebispo Michael Wallace Banach é um arcebispo americano que fará 60 anos no dia 19 de Novembro de 2022. Foi ordenado sacerdote em 1988 para a Diocese de Worcester, Massachusetts, e juntou-se ao serviço diplomático da Santa Sé em 1992. De 2007 a 2013, foi observador permanente da Santa Sé junto de organizações internacionais sediadas em Viena, incluindo a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) e a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

Ordenado Arcebispo em 2013, tornou-se depois Representante Pontifício em vários Estados da Oceânia (Papua Nova Guiné e Ilhas Salomão) e depois em África a partir de 2016 (Senegal, Mauritânia, Cabo Verde e Guiné-Bissau).

Como parte desta quádrupla missão nestes países, que são muito diferentes em termos culturais, religiosos e linguísticos, ele esteve particularmente envolvido na aproximação diplomática entre a Santa Sé e a República Islâmica da Mauritânia, tornando-se em 2017 um núncio apostólico por direito próprio, enquanto anteriormente tinha apenas o título de “delegado apostólico” neste país, que tem apenas alguns milhares de católicos, essencialmente expatriados e migrantes.

Hungria, um possível destino para o Papa em 2023

Após a sua instalação como núncio na Hungria, o Arcebispo Banach poderia estar envolvido na preparação de uma visita do Papa Francisco ao país, potencialmente prevista para 2023. A curta visita do Papa a Budapeste em Setembro de 2021 durante o Congresso Eucarístico Internacional não foi considerada uma visita oficial à Hungria, mas o Papa Francisco tinha prometido regressar ao país da Europa Central de quase 10 milhões de pessoas durante um período mais longo.

A Hungria continua marcada por um catolicismo robusto, envolvendo entre 50 a 60% da população, e está relativamente intocada pela crise vocacional e secularização que marca a maioria dos outros países europeus. Para além da sua escala em Budapeste em Setembro de 2021, o Papa também elogiou a piedade popular dos católicos da cultura húngara durante uma missa celebrada a 1 de Junho de 2019 em Sumuleu-Ciuc, lugar de peregrinação da minoria húngara na Roménia.

Além disso, dados os seis anos de representação diplomática do Bispo Banach na AIEA e na OSCE, o seu conhecimento das questões de segurança europeias será certamente útil neste país que faz fronteira com a Ucrânia, que tem mantido contatos com a Rússia enquanto acolhe muitos refugiados ucranianos. Neste contexto de guerra, houve uma certa aproximação entre o governo húngaro e a Santa Sé, como se manifestou durante a visita do Primeiro Ministro Viktor Orbán ao Vaticano, a 21 de Abril de 2022.

O anterior Núncio Apostólico em Budapeste, o Arcebispo Michael Blume, também americano, reformou-se a 31 de Dezembro de 2021, tendo ultrapassado os 75 anos de idade.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoPapa FranciscoSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia