Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 25 Setembro |
Santo Aunacário ou Aunacário
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: O julgamento do edifício de Londres, o papel conturbado do monsenhor Perlasca

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
POPE FRANCIS AUDIENCE VATICAN

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 06/05/22

Boletim Direto do Vaticano, 6 de maio de 2022

  • O julgamento do edifício de Londres, o papel conturbado do monsenhor Perlasca
  • Uma nova comissão para implementar a “atualização” da Cúria Romana
  • O Papa centraliza a gestão das residências sacerdotais

O julgamento do edifício de Londres, o papel conturbado do monsenhor Perlasca

Por Camille Dalmas e Isabella H. de Carvalho: A 14ª audiência do julgamento do edifício de Londres, que teve lugar a 5 de Maio de 2022, foi a ocasião para ouvir pela segunda vez o Cardeal Angelo Becciu. O alto prelado teve a oportunidade, durante mais de duas horas, de dar a sua versão dos fatos, insistindo em particular no lugar ocupado pela testemunha chave do julgamento, monsenhor Alberto Perlasca, nos assuntos financeiros da Secretaria de Estado.

Agora livre do segredo papal, o Cardeal Becciu pôde finalmente dar o seu ponto de vista completo sobre o caso. Antes disso, o advogado Alessandro Sanmarco tinha anunciado oportunamente que desejava agir como parte civil para representar monsenhor Perlasca em relação a duas acusações. A primeira é a acusação de suborno contra o Cardeal Becciu, que alegadamente pediu ao bispo da diocese de Como (Itália) para pressionar monsenhor Perlasca a retirar as suas declarações acusatórias contra o prelado da Sardenha. A segunda diz respeito à acusação de fraude contra os senhores Tirabassi, Crasso, Torzi e Squillace, que alegadamente induziram o monsenhor Perlasca a assinar um acordo para transferir a propriedade do edifício de Londres para o senhor Torzi em condições desfavoráveis para a Santa Sé. Vários advogados de defesa manifestaram imediatamente a sua oposição, citando, entre outras coisas, a posição única de monsenhor Perlasca como antigo suspeito e o momento tardio da ação civil. O presidente do tribunal declarou que iria decidir em breve, permitindo que o advogado participasse na audiência.

Máxima confiança no monsenhor Perlasca

O Cardeal Becciu fez uma longa declaração espontânea com a duração de quase duas horas e meia. Começou por explicar que o Gabinete Administrativo, do qual monsenhor Perlasca era o chefe desde 2009, estava encarregado dos assuntos financeiros da Secretaria de Estado, e que na altura da sua nomeação em 2011, o Cardeal Tarcisio Bertone, então Secretário de Estado, tinha lhe apresentado o Gabinete chefiado por Perlasca como um “gabinete competente e experiente”. Isto tranquilizou o cardeal sardenho, que recordou o seu passado como núncio apostólico “nos quatro cantos do globo” e se apresentou como “muito afastado de qualquer formação económica e financeira”.

O Cardeal Becciu também descreveu o gabinete como “quase o pequeno reino de [Perlasca]”. Disse que como substituto se reunia todos os dias com o chefe do Gabinete Administrativo, que lhe apresentava notas, relatórios ou documentos sobre as principais questões financeiras relativas à Secretaria de Estado, para que pudesse tomar uma decisão. Contudo, o Cardeal salientou que, como não era um perito em assuntos financeiros, os “homens” do arcebispo Perlasca – uma nota escrita com a sua opinião sobre o assunto – eram de extrema importância no seu processo de tomada de decisões. “Durante o meu serviço, nunca tomei uma decisão sobre investimentos financeiros que não estivesse de acordo com o que me foi proposto” por monsenhor Perlasca e o seu gabinete, disse ele. Sublinhou que “no mundo eclesiástico, a confiança é a principal força motriz por detrás de cada escolha” e que nos sete anos de trabalho com Perlasca, a “máxima confiança” que tinha nele nunca “tinha de ser posta em causa”.

O Cardeal Becciu explicou que foi o Gabinete Administrativo, e portanto o monsenhor Perlasca, que apresentou o edifício na 60 Sloane Avenue – “o edifício de Londres” – como um investimento valioso. “Ainda me pergunto como poderia ter agido de forma diferente, à luz das informações que me foram disponibilizadas na altura, que […] não deixaram margem para interpretação”, defendeu-se o prelado sardenho. “Se, em consciência, devo atribuir hoje uma falha a monsenhor Perlasca, é a de não lhe ter dado a conhecer pontos críticos (e apenas a ele) durante os meus anos na Secretaria de Estado”, disse o cardeal.

O Cardeal Becciu nega qualquer suborno de testemunhas

O Cardeal Becciu prosseguiu dizendo que achou a acusação de suborno “particularmente dolorosa”. É acusado de ter pressionado o Bispo de Como, Oscar Cantoni, a pressionar monsenhor Perlasca – como padre incardinado na sua diocese – a retirar declarações acusatórias sobre o cardeal. Este explicou que se encontrou com o bispo italiano porque, na altura, vários meios de comunicação social italianos relatavam que Perlasca tinha feito “falsas declarações” sobre o cardeal e tinha até escrito cartas ao pontífice para apoiar a sua versão dos acontecimentos.

“Esta perspectiva era para mim – um cardeal que jurou fidelidade ao Papa – indizível. […] Não toleraria que se dissessem falsidades sobre mim, e muito menos que se mentisse ao Santo Padre”, explicou o Cardeal Becciu, acrescentando que não queria “magoar” o monsenhor Perlasca, o qual estaria “a atravessar um período de grande desespero, levado à beira do suicídio”. O cardeal pensou portanto em encontrar-se com o bispo de Como para lhe confiar o seu “pesar” pelo que se estava a passar e para lhe dizer que se monsenhor Perlasca dissesse realmente o que foi noticiado nos meios de comunicação social, o cardeal seria obrigado “a proteger [a sua] honestidade, e portanto, apesar de [ele próprio], a denunciá-lo por calúnia”. Ele disse esperar que o bispo pudesse ajudar Perlasca.

A tentativa de suicídio da Perlasca

O Cardeal Becciu confirmou que, após deixar o seu cargo de substituto em 2018, teria continuado a estar próximo do monsenhor Perlasca. Quando as investigações sobre o caso do edifício de Londres começaram, o cardeal explicou que o Arcebispo Perlasca tinha caído em “profunda solidão”. O cardeal disse ter apoiado durante muito tempo o monsenhor, mesmo quando ele estava no seu mais baixo ânimo, ao ponto de o avisar que estava a considerar o suicídio. O cardeal leu uma mensagem de texto enviada pelo antigo chefe de gabinete na qual este teria dado indícios de pensamentos suicidas

O cardeal informou então o próprio secretário do Papa, D. Yoannis Lahzi Gaïd, bem como o Comandante da Gendarmerie. Mais tarde encontrou-o “agitado e a falar incoerentemente” antes de um médico ter administrado um sedativo suave. Mais tarde, informou-o que não cometeria suicídio, dizendo-lhe que não receberia “nada” de tal ação, exceto que os jornais “não transmitiriam a versão de que ele se tinha suicidado por culpa”.

O Cardeal referiu-se então a um jantar entre os dois homens dois meses depois no restaurante ‘Lo Scarpone’, em Roma, durante o qual o monsenhor Perlasca parecia “muito estranho e sensível” e alegadamente fez-lhe perguntas “sobre [a sua] pessoa e [as suas] atividades”, incluindo as “mais confidenciais”. O sardenho levantou então a possibilidade de ter sido gravado sem o seu conhecimento durante esta discussão, falando de traição. Ele disse que não o tinha visto desde então.

Ameaças

O cardeal explicou que foi abordado “inesperadamente” por uma pessoa “preocupante” chamada Genoveffa Ciferri Putignani a partir de maio de 2020. Apresentando-se como amiga íntima do monsenhor Perlasca, ela alegadamente pediu-lhe que ajudasse o antigo chefe de gabinete recentemente demitido, pedindo-lhe em particular que intercedesse junto do Papa. Mais tarde, ela tê-lo-ia chamado de volta para questionar a “eficácia” da sua intervenção em favor do seu protegido.

Finalmente, o cardeal recebeu esta senhora na noite de 10 de Julho de 2020. Lembra-se de uma pessoa “fria e insolente” que o censurou pela sua inação e depois criticou o Papa. Acusou-o então de tentar “eliminar” o monsenhor Perlasca com o sedativo durante a sua “tentativa de suicídio” e de tentar mantê-lo afastado do Vaticano.

O Cardeal Becciu afirma ter protestado mas recebeu estas ameaças em resposta: “Lembre-se: se não fizer tudo para restaurar a honra e as funções do monsenhor Perlasca, perderá sua biretta de cardeal e o seu chapéu será apenas uma memória ignominiosa para si!” Falou então da sua proximidade com jornalistas ingleses e italianos capazes de o “destruir”, declarando que era uma ex-agente dos serviços secretos italianos. O prelado alegadamente fez com que ela se fosse embora, mas depois ouviu falar dela por mensagens, a pessoa que insistia em salvar monsenhor Perlasca, dizendo-lhe depois que ele “precisaria de advogados”. Ela também chamou o seu irmão para ameaçá-lo. O Cardeal Becciu bloqueou então o seu número no seu telefone.


Uma nova comissão para implementar a “atualização” da Cúria Romana

Por Cyprian Viet: Num quirógrafo assinado a 12 de Abril mas tornado público a 5 de Maio, o Papa Francisco criou uma comissão interdicasterial para a revisão do Regulamento Geral da Cúria Romana. Este organismo terá uma existência limitada, o tempo para actualizar as normas ligadas à nova Constituição Apostólica Praedicate Evangelium, tornada pública a 19 de Março e que entrará em vigor a 5 de Junho, o dia de Pentecostes.

O presidente da comissão será o Arcebispo Filippo Iannone, que também preside ao Pontifício Conselho para os Textos Legislativos, um órgão que será chamado “dicastério” a partir de 5 de Junho. Os outros membros são o Arcebispo Edgar Peña Parra, substituto da Secretaria de Estado, D. Nunzio Galantino, presidente da Administração do Património da Sé Apostólica, D. Marco Mellino, secretário do Conselho de Cardeais, D. Juan Guerrero Alves, prefeito da Secretaria de Economia, e Vincenzo Buonomo, reitor da Pontifícia Universidade Lateranense, que será a única pessoa leiga a participar nesta comissão.

A revisão do Regulamento Geral da Cúria Romana deveria alinhá-los “não só com as normas mas também com os princípios que inspiram o texto constitucional” tornado público a 19 de Março “sobre a Cúria Romana e o seu serviço à Igreja no mundo”, disse o Papa na carta. “Os novos regulamentos devem também tornar as relações de trabalho no seio da Cúria Romana e a sua gestão mais sustentáveis e eficazes”, acrescentou ele.

Entre as principais linhas de ação introduzidas pela nova Constituição estão a promoção de leigos – inclusive a chefe de certos dicastérios – e a generalização do contrato de cinco anos para sacerdotes e religiosos, a fim de promover uma rotação que supostamente rejuvenesça e energize as estruturas. No entanto, este princípio será difícil de implementar. A natureza sensível e complexa de algumas das questões tratadas pelos órgãos da Cúria exige uma grande experiência e conhecimentos, e o Vaticano poderia enfrentar dificuldades de recrutamento se todo o pessoal saísse após cinco ou dez anos.

As prorrogações e renovações destes contratos teoricamente limitados no tempo parecem, portanto, prováveis. O novo Regulamento terá de clarificar esta articulação entre os princípios teóricos e as adaptações práticas necessárias para garantir uma certa continuidade na conduta da administração do Vaticano.


O Papa centraliza a gestão das residências sacerdotais

Por Anna Kurian: O Papa Francisco confiou a gestão das residências para sacerdotes criadas por João Paulo II e Bento XVI a uma única entidade: a Domus Vaticanae, instituída por um quirógrafo a 5 de Maio. Com esta decisão, a ser entendida no contexto da reorganização da Cúria Romana, estas residências passarão a ser administradas pela Administração do Património da Sé Apostólica (APSA) e os seus funcionários dependerão da Cúria.

A Domus Vaticanae, que terá a sua sede no Vaticano, reunirá assim quatro fundações: a Domus Sanctae Marthae – Casa de Santa Marta, residência do pontífice argentino – fundada em 1996, a Domus Romana Sacerdotalis – conhecida como “Traspontina” – de 1999, a Domus Internationalis Paulus VI, de 1999, as três criadas por João Paulo II para acolher os prelados e padres da Cúria; assim como a Casa San Benedetto criada em 2008 por Bento XVI, uma casa de repouso dedicada ao pessoal diplomático do menor Estado do mundo.

Estas antigas fundações estão a ser abolidas e os seus bens confiados à APSA. As residências em questão manterão o seu objetivo, disse o Papa de 85 anos, recordando que no caso de um conclave, a Casa de Santa Marta está reservada ao uso exclusivo dos eleitores cardeais. O Papa também pediu ao Cardeal Secretário de Estado para aprovar o regulamento da nova instituição Domus Vaticanae, cujo pessoal está agora incluído na Cúria Romana.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoEconomiaVaticano
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia