Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 04 Dezembro |
São Bernardo, bispo de Parma
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Charles de Foucauld e a Santa Missa como centro da nossa vida

CANONISATION-Vatican-on-May-15-2022-Antoine-Mekary-ALETEIA-AM_3440.jpg

Antoine Mekary | ALETEIA

Vanderlei de Lima - publicado em 15/05/22

É possível compreender porque o período mais triste na vida de Charles de Foucauld foi quando não podia mais celebrar a Eucaristia

A Santa Missa é o centro da vida de todo verdadeiro católico. Daí o eremita de Charles de Foucauld fazer dela o eixo em torno do qual gira o seu dia ou – onde não há Missa diária ou se o eremita não é sacerdote – a sua semana.

Neste artigo, busquemos, antes do mais, uma síntese da doutrina católica sobre a Missa. O Compêndio do Catecismo da Igreja Católica diz que a Eucaristia “é o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que ele instituiu para perpetuar pelos séculos, até seu retorno, o sacrifício da cruz, confiando assim à sua Igreja o memorial de sua Morte e Ressurreição. É o sinal da unidade, o vínculo da caridade, o banquete pascal, no qual se recebe Cristo, a alma é coberta de graça e é dado o penhor da vida eterna” (n. 271). “É fonte e ápice de toda a vida cristã. Na Eucaristia, atingem o seu clímax a ação santificante de Deus para conosco e o nosso culto para com Ele. Ela encerra todo o bem espiritual da Igreja: o mesmo Cristo, nossa Páscoa. A comunhão da vida divina e a unidade do Povo de Deus são expressas e realizadas pela Eucaristia. Mediante a celebração eucarística já nos unimos à liturgia do Céu e antecipamos a vida eterna” (n. 274). 

“A Eucaristia é memorial no sentido de que torna presente e atual o sacrifício que Cristo ofereceu ao Pai na cruz, uma vez por todas, em favor da humanidade. O carácter sacrificial da Eucaristia se manifesta nas próprias palavras da instituição: ‘Isto é o meu corpo, que é dado por vós’ e ‘Este cálice é a nova aliança no meu sangue, que é derramado por vós’ (Lc 22,19-20). O sacrifício da cruz e o sacrifício da Eucaristia são um único sacrifício. Idênticos são a vítima e o oferente, diferente é apenas o modo de oferecer: cruento na cruz, incruento na Eucaristia” (n. 280). “Na Eucaristia, o sacrifício de Cristo se torna também o sacrifício dos membros do seu Corpo. A vida dos fiéis, seu louvor, seu sofrimento, sua oração, seu trabalho estão unidos ao de Cristo. Como sacrifício, a Eucaristia é também oferecida por todos os fiéis vivos e defuntos, em reparação dos pecados de todos os homens e para obter de Deus benefícios espirituais e temporais. Também a Igreja do céu está unida à oferta de Cristo” (n. 281).

Meditando com o coração e a mente sobre essa grandeza da Santa Missa, é possível compreender porque o período mais triste na vida de Charles de Foucauld foi, em 1907, quando não podia mais celebrar a Eucaristia por não ter – à sua volta – cristãos para dela participarem. Eis o que ele escreve: “Natal. Esta noite nada de missa pela primeira vez em vinte e um anos: seja feita a vontade do Bem-Amado… Na sua misericórdia, Ele me conserva o Santíssimo Sacramento […]. Até o último minuto, esperei que alguém viesse, mas não veio ninguém, nem um viajante cristão, nem um militar, nem a permissão de celebrar sozinho” (Irmãzinha Annie de Jesus. Charles de Foucauld: nos passos de Jesus de Nazaré. São Paulo: Cidade Nova, 2004, p. 78). Para sua maior provação, eis que “algumas semanas depois, ficaria sabendo que não podia guardar o pão sagrado no tabernáculo quando estivesse sozinho […]. Por seis meses, permaneceria com o tabernáculo vazio” (Antoine Chatelard. Charles de Foucauld: o caminho rumo a Tamanrasset. São Paulo: Paulinas, 2009, p. 258). Só no início de fevereiro do ano seguinte, pôde, enfim, voltar a celebrar a Santa Missa (cf. idem, p. 261).

De fato, a Santa Missa por ele celebrada era, não obstante a simplicidade do lugar, de extrema piedade e esmerada liturgia, conforme nos testemunha o general Lyautey: “Às sete horas do domingo, os meus oficiais e eu assistimos à missa no eremitério. Este eremitério não passa de um casebre e a capela não é mais que um miserável corredor de colunas cobertas por uma caniçada; uma tábua serve de altar; a decoração limitava-se a uma tela com uma imagem de Cristo pintada e castiçais de lata. O soalho era de areia. Mas a verdade é que eu nunca vi celebrar missa como a celebrava o Padre Foucauld. Eu imaginava-me na Tebaida. Foi uma das mais fundas impressões da minha vida” (Jean-François Six. O irmão universal: vida de Carlos de Foucauld. Lisboa: Sampedro, s/d., p. 110).

Possamos nós aprender a valorizar mais e mais a Santíssima Eucaristia e rezar pela conversão dos que não a valorizam como se deve. Amém!

Tags:
EucaristiaMissaSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia