Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 04 Dezembro |
São Bernardo, bispo de Parma
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: A lição de política do Papa Francisco

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
The Pope prays with the young people of Chemin Neuf

© Vatican Media

I.Media para Aleteia - publicado em 17/05/22

Boletim Direto do Vaticano, 17 de maio

  • A lição de política do Papa Francisco
  • Ucrânia: Caritas responde a emergências e prepara-se para o futuro

A lição de política do Papa Francisco

Por Hugues Lefèvre – A política é um encontro, reflexão e ação, explicou o Papa Francisco, que recebeu em audiência quase 70 jovens envolvidos na Fraternidade Política Chemin Neuf a 16 de Maio. No final da audiência, o grupo rezou pelo pontífice, que estava sentado na sua cadeira de rodas. Nascida em França em 2014 no seio da Comunidade Chemin Neuf, a Fraternidade Política reúne jovens cristãos com idades compreendidas entre os 18 e os 33 anos com diferentes origens e culturas. Alguns estão envolvidos na política – servidores eleitos de todas as partes -, outros em associações ou comunidades. Em Abril passado, membros desta fraternidade já tinham sido recebidos em audiência pelo Papa.

“A política é acima de tudo a arte de conhecer pessoas”, o Papa Francisco começou por enfatizar a estes jovens de 18 a 33 anos do Brasil, Colômbia, Hungria, Burundi, França, Ucrânia, Líbano, Espanha, Bélgica e Alemanha. Convidou-os a não ficarem satisfeitos apenas com “um diálogo superficial e formal, como estas negociações frequentemente hostis entre partidos políticos”, acrescentou. Para o pontífice, um político deve saber como mudar a visão que tem dos outros e aceitá-los incondicionalmente. “Se esta mudança de opinião não ocorrer, a política corre o risco de se transformar num confronto frequentemente violento para fazer triunfar as próprias ideias”, advertiu ele.

Numa “perspectiva cristã”, a política é também “uma reflexão, ou seja, a formulação de um projeto comum”, continuou o Papa. É uma questão de procurar o bem comum e não apenas interesses a defender. “Finalmente, a política é também ação”, concluiu o Papa, felicitando a sua audiência pelo seu compromisso com os migrantes e a ecologia. “Soube que alguns de vós escolheram viver juntos no meio de um bairro operário de Paris, para ouvir os pobres: esta é uma forma cristã de fazer política”, disse-lhes, insistindo no ponto de vista de que não é possível fazer política com uma ideologia. Durante quatro dias, estes jovens envolvidos na fraternidade política participaram num seminário de reflexão sobre o tema da migração. Na sexta-feira 13 de Maio, tiveram a oportunidade de trocar pontos de vista com a Seção de Migrantes e Refugiados do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral.


Ucrânia: Caritas responde a emergências e prepara-se para o futuro

Por Cyprien Viet – “A guerra não terminará com um simples acordo de paz”, mas “as almas e memórias terão de ser curadas”, num contexto de trauma que marcará milhões de ucranianos por toda vida, explicaram os chefes das filiais locais da Cáritas a 16 de Maio, numa conferência de imprensa organizada na sede da Rádio Vaticano. Os chefes da Caritas Ucrânia e da Caritas Spes, que estão ligados à Igreja Católica Grega e à Igreja Católica Latina, respectivamente, realizaram operações detalhadas desde o início da ofensiva russa, a 24 de Fevereiro.

A guerra provocou movimentos populacionais a uma escala não vista na Europa desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Mais de 14 milhões de pessoas foram forçadas a abandonar as suas casas – um terço da população ucraniana. 1,8 milhão dos refugiados são crianças”, disse Aloysius John, Secretário-Geral da Cáritas Internationalis. A Ucrânia está a viver um “pesadelo”, disse, acrescentando que o custo da reconstrução está atualmente estimado em 600 bilhões de dólares e 116 igrejas foram destruídas.

A rede da Cáritas está mobilizada na Ucrânia mas também nos países vizinhos, onde “mulheres e crianças se tornam facilmente vítimas de tráfico humano”, disse ele. Também salientou que o mundo inteiro começava a sofrer as consequências desta guerra, com dificuldades de abastecimento alimentar, a crise energética e o risco de uma recessão global. Além disso, o aumento do investimento militar será feito à custa das despesas sociais e da atenção a outras situações de crise no mundo. “Os pobres pagarão o preço mais alto”, advertiu o Secretário-Geral da Caritas Internationalis.

Curar as feridas e cuidar do futuro

O Padre Vyacheslav Grynevych, Presidente da Caritas Spes, uma organização ligada à Igreja Católica Latina e com sede em Kiev, reconheceu que é “difícil partilhar a verdade, todos os fatos”, neste contexto de uma guerra no terreno que é também uma guerra de comunicação. Para além da emergência, ele está também a mobilizar as suas equipes para uma ajuda a longo prazo, notando em particular o desafio de levar as crianças à escola. “Quem serão os nossos médicos, os nossos professores, os nossos líderes no futuro?” – perguntou ele, observando que a guerra tinha marcado uma nova ruptura no processo educativo, acrescentando às dificuldades causadas pela pandemia.

Mas também notou a tremenda solidariedade internacional, bem como a criatividade dos próprios ucranianos. As pessoas deslocadas por vezes assumem serviços voluntários e demonstram grandes capacidades de liderança. O Padre Grynevych expressou o seu espanto e admiração pela “flexibilidade da alma humana” demonstrada no metrô de Kiev, onde foi criada uma cidade subterrânea para se proteger dos bombardeamentos. Foi organizada toda uma cadeia logística para a alimentação, higiene e medicina, e até são oferecidas exibições de filmes.

“A solidariedade está em toda a parte” e é uma “expressão de dignidade e amor” que ajuda a “restaurar a integridade das pessoas face ao caos, destruição e morte” causado pela guerra, disse Tetiana Stawnychy, secretária-geral da Caritas Ucrânia, uma organização de cúpula das dioceses greco-católicas com sede em Lviv, no oeste do país.

Ela disse que a organização garante a segurança do seu pessoal e aplica protocolos de segurança muito precisos, baseados na experiência de oito anos de trabalho na zona de guerra em Donbass, onde os serviços foram sempre mantidos de ambos os lados da linha de demarcação. Contudo, relativamente ao bombardeamento de um escritório da Cáritas em Mariupol, que ocorreu em meados de Março mas foi revelado quase um mês mais tarde, não foi possível conduzir qualquer investigação no terreno. Sete pessoas foram mortas, incluindo dois empregados e cinco membros de uma família que tinham procurado refúgio no edifício.

Mobilização maciça nos países vizinhos

No total, mais de 1,2 milhão de pessoas foram ajudadas pelos serviços das duas filiais da Cáritas ucraniana em 50 centros. A ajuda é também maciça nos países vizinhos, nomeadamente na Polónia, onde foram distribuídas 1,5 milhão de refeições a mais de 500.000 pessoas da Ucrânia. A mobilização é também forte na Roménia, Eslováquia, República Checa, Moldávia e Hungria. Países mais distantes começam também a estar envolvidos no acolhimento de refugiados ucranianos. Este é nomeadamente o caso da Bulgária, onde 2.000 refugiados receberam apoio da Cáritas local.

Reunidos com o Papa Francisco na Casa de Santa Marta na tarde de 15 de Maio, os líderes da Cáritas na Ucrânia puderam apresentar-lhe as suas operações, que mostram uma “Igreja em movimento”, explicou o padre Grynevych. Explicou que o Papa lhes tinha manifestado “grande apoio” e que tinha voltado ao seu encontro com as crianças ucranianas no hospital Bambino Gesù. “Ele fez-nos sentir que não estamos sozinhos, e esta é a mensagem mais forte que quero levar à Ucrânia”, disse, recordando a importância da mobilização internacional e dizendo que o Papa tinha abençoado os seus esforços.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoGuerraPapa FranciscoUcrânia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia