Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 04 Dezembro |
São Bernardo, bispo de Parma
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: A viagem do Papa Francisco ao Sudão

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
POPE-FRANCIS-AUDIENCE

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 18/05/22

Boletim Direto do Vaticano, 18 de maio

  • A poucas semanas da viagem apostólica de Francisco à RDC e Sudão do Sul
  • Papa pede às universidades do Lácio que eduquem os jovens para o respeito
  • Leonid Sevastianov: o Papa quer que sejamos “embaixadores da paz”

A poucas semanas da viagem apostólica de Francisco à RDC e Sudão do Sul

Por Anna Kurian – Enquanto o Papa Francisco se prepara para partir para a República Democrática do Congo e o Sudão do Sul (2-7 de Julho), o Padre Stanley Lubungo, Superior Geral dos Missionários de África (Padres Brancos), que estão presentes nestes dois países, pinta um quadro da Igreja ali presente. Em Roma, algumas pessoas têm dúvidas sobre a viabilidade desta longa viagem para o Papa de 85 anos, que está a sofrer de dores no joelho. Mas, segundo o Superior Geral, os povos de ambos os países aguardam a visita “com grande entusiasmo” e os preparativos estão bem encaminhados. Na RDC, explica o Padre Lubungo, um conhecedor que aí esteve em missão, os Padres Brancos são mais de uma centena, de várias nacionalidades. A congregação participou nos primeiros dias da evangelização neste país francófono da África Central, no final do século XIX. “A Igreja Congolesa é uma das mais vibrantes do continente”, diz o missionário da Zâmbia.

A Igreja está “muito presente a nível social, e na educação em direito civil”, continua ele. Graças à Igreja, os cidadãos estão muito interessados no que a política pode trazer ao seu país. Durante as campanhas políticas, há muitos cristãos que se comprometem, em nome da sua fé, a procurar a paz numa nação que é muito rica, mas onde a pobreza é generalizada. Numa terra que tem sido palco de violência étnica durante anos, diz o Padre Lubungo, o Papa virá com a sua mensagem de paz. Ele está certo de que este evento “encorajará o povo no seu compromisso de reconciliação”. Em Goma em particular, o chefe da Igreja Católica irá encontrar-se com as vítimas do terrorismo, que é generalizado nesta província do Kivu do Norte, no leste da RDC.

Outro tema que será certamente realçado durante esta viagem, segundo o Superior Geral, é a valorização das tradições locais na prática da fé. Dos seus anos no Congo, o Padre Lubungo lembra-se de uma “Igreja vibrante, muito alegre, animada e muito criativa, que realmente trabalhou na questão da inculturação em África”. Um fato raro, há mesmo uma adaptação do rito romano para as dioceses congolesas, aprovada em 1988. “O Papa Francisco teve a oportunidade de celebrar uma missa em rito congolês [em 2019, N. do R.]. Ele poderá vivê-la em solo congolês, será uma grande celebração”, alegra-se o Padre Lubungo.

No Sudão do Sul, encorajando as instituições públicas

Quanto ao Sudão do Sul, os Padres Brancos estabeleceram-se lá muito recentemente, em 2021. Uma primeira comunidade de três jovens foi estabelecida na diocese de Malakal, que tem 20% de católicos no noroeste do país. “A região tem sofrido muito com a guerra civil. Sem exagerar, tudo está em ruínas e precisa de ser reconstruído”, lamenta o Padre Lubungo, que visitou o país e viu a devastação da guerra. Neste contexto, a congregação está envolvida em programas para facilitar o regresso das populações refugiadas aos campos geridos pelas Nações Unidas. É altamente provável que o Papa, que visitará Juba, visite o grande campo de refugiados naquela cidade. Não conheço o programa”, explica o religioso, “mas conhecendo a sua preocupação com esta realidade, não me surpreenderia se ele quisesse ir para lá.

Para o Padre Lubunga, esta visita à África Oriental é esperada especialmente em termos de instituições políticas. Mais de três anos depois de se ajoelhar no Vaticano perante representantes do Sudão do Sul, cujos pés ele beijou num gesto que deixou a sua marca (Abril de 2019), “o Papa Francisco vai lá para dar seguimento a isso, para ver onde estamos nos acordos de paz, para que uma paz duradoura possa ser estabelecida num país que sofre há cerca de quinze anos. Existem atualmente 1.115 Padres Brancos de 35 nacionalidades no mundo, incluindo quase 600 em África. As suas casas de formação, que estavam anteriormente em Toulouse e Londres, foram transferidas para este continente. O Capítulo Geral da Congregação, que teve início em Roma a 16 de Maio, durante cinco semanas, elegerá um novo Conselho Geral. Os seus membros serão recebidos em audiência pelo pontífice.


Papa pede às universidades do Lácio que eduquem os jovens para o respeito

Por Anna Kurian – “A educação universitária não deve ser desligada da vida, das pessoas e da sociedade”, advertiu o Papa Francisco ao receber os reitores das treze universidades públicas de Roma e do Lácio, a 16 de Maio, no Vaticano. Advertindo os professores contra o “conformismo”, pediu-lhes que educassem os jovens para se “respeitarem” a si próprios e aos outros.

“Há muito a fazer” no mundo universitário, salientou o chefe da Igreja Católica, apelando a “um grande investimento educacional” para tirar os jovens do atual clima de “desânimo, desorientação, perda de confiança, e pior, dependência”. O Papa exortou os académicos a “repensar” os modelos económicos e de desenvolvimento, “a fim de recuperar o valor central da pessoa humana”. Em particular, pediu-lhes que treinassem os jovens no “respeito por si próprios, pelos seus vizinhos, pela criação e pelo Criador”.

No seu discurso, o Bispo de Roma também encorajou os professores a valorizar cada aluno, convidando-os a não ficarem satisfeitos com a “mediocridade”. Desejou uma formação “sem preconceitos ideológicos, sem medos ou fugas”. Não se tratava de ceder ao “conformismo”, acrescentou o pontífice argentino, recomendando que os académicos tivessem um “sentido crítico”. “Estamos em crise”, disse o Papa de 85 anos, saindo das suas notas para afirmar que “a crise é uma coisa boa porque nos faz crescer”. O sucessor de Pedro também advertiu contra as ideologias, que “mostram apenas um caminho” e que “destroem a humanidade de uma pessoa, tiram-lhe o coração”. “Também na Igreja, temos por vezes tantas ideologias que não nos servem de nada”, lamentou.

Finalmente, o Papa Francisco apelou pelo “direito de estudar e de ser formado”, inclusive para aqueles que não têm os meios. Para este fim, sugeriu que as universidades da região italiana “acolham estudantes, investigadores e professores que sejam vítimas de perseguição, guerra e discriminação em vários países do mundo”.


Leonid Sevastianov: o Papa quer que sejamos “embaixadores da paz”

Por Isabella H. Carvalho – “Nós cristãos devemos ser embaixadores da paz”, escreveu o Papa Francisco numa carta enviada a Leonid Sevastianov e à cantora de ópera Svetlana Kasyan a 5 de Maio. O casal ortodoxo russo já se encontrou com o Papa Francisco oito vezes desde o seu primeiro intercâmbio em 2013. Ela é uma cantora de ópera muito amada pelo Papa Francisco; ele é o presidente da União Mundial dos Antigos Crentes, um ramo da ortodoxia russa. Numa altura em que a guerra na Ucrânia já ceifou milhares de vidas e deslocou milhões de ucranianos, I.MEDIA perguntou a Leonid Sevastianov o que significa ser hoje um embaixador para a paz. Fala também da guerra em curso, da posição do Patriarca Kirill no conflito e do seu desejo de ver o Papa Francisco vir à Rússia.

O que diz a carta que o Papa Francisco lhe enviou?

Leonid Sevastianov: Recebemos esta carta do Papa convidando Svetlana e eu para sermos embaixadores da paz, mas temos vindo a fazê-lo desde o nosso primeiro encontro com ele em 2013. Nessa altura, organizámos um concerto pela paz no Auditório Conciliazione [em Roma], dedicado à guerra na Síria. Após o concerto, o secretário do Papa disse-nos que o Papa queria ver-nos, por isso fomos à sua missa privada em Santa Marta. Ele colocou-nos na primeira fila, e pudemos vê-lo. Colocou-nos na primeira fila, falou conosco e pediu à Svetlana que cantasse para a promoção da paz. Isso foi em Novembro. Três meses mais tarde, em Fevereiro de 2014, os trágicos acontecimentos começaram na Ucrânia. A partir daí, o Papa começou a enviar-nos cartas, reiterando os seus apelos à paz. Lembro-me muito bem que quando conheci o então Primeiro-Ministro da Ucrânia, Arseniy Yatsenyuk, em Abril de 2014, o Papa Francisco deu-lhe uma caneta e desejou-lhe que a usasse para a paz. Assim, somos amigos do Papa Francisco há quase 10 anos, e a nossa relação com ele tem sido sempre baseada na promoção da paz.

O que pensa da ação do Papa face a esta guerra?

Para os russos, ver um papa católico jesuíta, dada a história dos jesuítas no país, é quase um símbolo de um Ocidente intrusivo. Em vez disso, este papa é tão humilde. Ele está fora da arena política. Quando as pessoas me perguntam por que razão estou do lado do Papa, digo que desde o início fiquei impressionado com o fato de ele estar sempre do lado daqueles que sofreram, quer fossem ortodoxos, católicos ou outros. Em 2014, perguntou sempre o que podia fazer, como podia ajudar. Mesmo quando falei com ele sobre a guerra na Ucrânia, ele nunca tomou uma posição política, o que é importante. Além disso, ele não fala apenas da guerra no continente europeu, fala também das pessoas que estão a morrer em África, na América Latina e noutros lugares. A guerra é um pecado mortal em todo o lado.

Numa entrevista ao Corriere della Sera, o Papa disse que o Patriarca Kirill “não pode tornar-se o acólito de Putin” ou que “o ladrar da NATO (OTAN) à porta da Rússia” levou Putin a reagir. O que pensa destas palavras?

Gostei delas porque ele é duro, mas é duro com todos. Quando fala de Kirill e da NATO, tem razão sobre ambos. A Igreja Ortodoxa Russa sempre se misturou com o Estado: hoje bem como há 10, 100, 200 anos atrás. Como antigo crente, critico abertamente isto, porque, na minha opinião, esta não é a função da Igreja. Quanto à OTAN, o Papa tem em conta a psicologia do adversário – algo que mais ninguém faz. A Rússia pode ter-se sentido um pouco “deixada de fora da festa”. As palavras do Papa ajudaram-me a compreender melhor a situação, porque não vi a motivação económica ou política para este ataque. Falamos frequentemente de economia e não de psicologia. Rezo para que o Papa venha à Rússia, pode mudar a mentalidade. O Papa seria capaz de propor formas de convivência e, precisamente devido à sua neutralidade e à sua oposição a qualquer guerra, seria capaz de influenciar Putin. É preciso abrir as portas aos democratas, aos ditadores, a todos, sentá-los juntos e exercer influência moral.

Que mais poderia a Santa Sé fazer para ajudar a resolver o conflito?

Promovo a ideia de que o Vaticano deve tornar-se a capital da política internacional, moralmente falando. Penso que não há outra alternativa para a paz, não só para a Ucrânia mas para o mundo inteiro. Após a Segunda Guerra Mundial, não criámos uma instituição que nos mantivesse fora de guerra. Quando baseamos as nossas relações unicamente na economia, a guerra acaba sempre por eclodir. Precisamos de criar uma nova instituição baseada na fé. Há apenas uma instituição, um Estado, que sempre foi neutro e se opôs à guerra: o Vaticano. Lembro-me que em 2003, quando estava a estudar em Itália, o meu amigo Cardeal Roger Etchegaray foi enviado por João Paulo II para falar com Saddam Hussein no Iraque. Mesmo com Saddam Hussein, o Vaticano sempre tentou promover a paz e procurar uma base comum para evitar conflitos.

Como é que isto pode ser feito concretamente?

Proponho a criação de uma espécie de “mesa redonda” dentro do Vaticano. A Santa Sé deveria convidar Biden, Zelensky, representantes da NATO (OTAN), Putin, Xi Jinping, etc., para uma reunião cimeira com o Papa como moderador. Não consigo pensar em nenhuma outra instituição, nenhum outro país neutro, que possa promover a paz. Todos os outros estão mais preocupados com questões económicas. É impossível parar a guerra sem diálogo e, na minha opinião, a Santa Sé deve assumir o papel principal e moral. Sugeri isto ao Papa, mas ele não respondeu.

E o que pensa das ações do Patriarca Kirill? Acha que ele poderia mudar a sua atitude?

Concordo com Nietzsche que disse que o homem age sempre pelo poder, mesmo quando fala de religião. Só se pode mudar a atitude se se encontrar alguma utilidade para o fazer. Na Rússia, a Igreja viveu um renascimento após a queda do regime soviético, ao qual se opôs. Espero agora uma enorme crise existencial e religiosa após este conflito na Ucrânia, porque desta vez a Igreja apoia o regime. Imagino que muitos ucranianos, muitos russos perderão a sua fé cristã face a uma Igreja que promove a guerra.

O que pensam os crentes ortodoxos da atitude de Kirill?

Ele não é de todo popular. Mesmo entre os bispos, muitos deles apoiam-no, mas interiormente não estão de acordo. É difícil apoiar o militarismo. Posso compreendê-lo muito bem do ponto de vista da propaganda e da política, mas não do ponto de vista do Evangelho, ela não existe e não pode ser explicado.

Qual é a sua relação com a Igreja Ortodoxa Russa?

Trabalhei durante muito tempo na Igreja Ortodoxa Russa como diretor da Fundação St Gregory, que apoiou o Departamento de Relações Externas do Patriarcado de Moscovo (Moscou), chefiado pelo Metropolita Hilarion. Em 2018, começaram os problemas com o Patriarcado de Constantinopla e os problemas com a Ucrânia. A partir desse momento, senti que não queria fazer parte disso, não queria entrar nessas querelas, e por isso saí daquele escritório. Sou agora o presidente da União Mundial dos Antigos Crentes. Esta é uma tradição religiosa histórica russa que no século XVII se separou da Igreja Ortodoxa por não aceitar a sua ligação e submissão ao Estado. Desde estas reformas do século XVII, a Igreja sempre apoiou o Estado, para o bem e para o mal. Para os antigos crentes, por outro lado, a tradição ortodoxa é baseada na comunidade. A minha família vem desta tradição. Hoje, sou o representante a nível político e social. Algumas comunidades reconhecem o Patriarca Kirill, outras ainda estão separadas.

Por que pensa que o Papa tem uma relação tão estreita consigo?

Já me disseram no passado: “Quem é você para falar com o Papa?” ou “Não há cantores mais importantes do que Svetlana?” Mas, na minha opinião, o Papa gosta de pessoas normais. Não se consegue compreender o povo dando prioridade à ‘elite’. Desde o início ele disse-nos que as coisas só podem mudar se as pessoas normais trabalharem pela paz. Porque um político pode promover a paz hoje, e esquecê-la amanhã, mas se a maioria das pessoas promover a paz, então os políticos serão influenciados. E estamos a trabalhar para isso com a Svetlana. Decidimos ficar na Rússia quando esta guerra começou, mas não é fácil. Tentamos falar e promover a paz, tentamos publicar na imprensa russa, para falar sobre ela publicamente, apesar dos riscos. Também organizamos eventos culturais e concertos dedicados à paz. Vamos realizar um em Kaliningrado, a parte mais ocidental da Rússia, no dia 1 de Junho. Estamos também a ajudar os muitos refugiados que aqui chegaram desde que o conflito começou.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoEducaçãoPapa FranciscoPaz
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia