Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 09 Dezembro |
São Cipriano de Genouillac
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: o apoio espiritual de Francisco aos católicos da China

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
POPE-FRANCIS-AUDIENCE

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 23/05/22

Boletim Direto do Vaticano de 23 de maio

  • O apoio espiritual de Francisco aos católicos da China
  • Consistório para a canonização de dois italianos
  • A beatificação de uma jovem leiga espanhola

O apoio espiritual de Francisco aos católicos da China

Por Camille Dalmas – No final do Regina Coeli em 22 de Maio, o Papa Francisco disse que “segue com atenção e participação a vida e as histórias frequentemente complexas dos fiéis e pastores” na China e reza por eles “todos os dias”. Esta declaração – justificada pelo pontífice pela celebração, a 24 de Maio, do memorial litúrgico de Maria “Auxílio dos Cristãos”, padroeira da China – chega apenas alguns dias após a prisão do Cardeal Joseph Zen em Hong Kong, a 11 de Maio.

O Papa não mencionou explicitamente o Cardeal Zen, que está atualmente sob fiança à espera de julgamento por colaborar com “forças estrangeiras” contra a segurança nacional na antiga colônia britânica. A primeira audiência terá lugar a 24 de Maio, o dia de oração por Maria Auxiliadora mencionado pelo pontífice.

No seu breve apelo, o Bispo de Roma recordou a importância de Nossa Senhora na China, mencionando a sua veneração no santuário Sheshan em Xangai – a cidade de onde o Cardeal Zen é originário – mas também “em muitas igrejas do país e nas suas casas”. Ele assegurou aos católicos da China a sua “proximidade espiritual”.

Liberdade e tranquilidade para os católicos na China

De fato, o pontífice pediu “urgentemente” que a Igreja na China pudesse viver “em liberdade e tranquilidade […] em comunhão efetiva com a Igreja universal e cumprir a sua missão de anunciar o Evangelho a todos, dando assim um contributo positivo para o progresso espiritual e material da sociedade”.

O Papa Francisco raramente fala sobre a situação do catolicismo na China, um assunto delicado para a diplomacia do Vaticano que há vários anos tem tentado construir pontes com o gigante asiático. Em 2018, foi assinado pela primeira vez um acordo pastoral de dois anos sobre a nomeação de bispos, que foi renovado em 2020. O acordo expira novamente este Outubro.

O Cardeal Zen, um defensor da autonomia de Hong Kong, opõe-se abertamente ao acordo, o qual ele vê como uma traição à Igreja clandestina na China – a Igreja não filiada no Partido Comunista Chinês. A 11 de Maio, a Santa Sé reagiu à sua detenção, dizendo estar “preocupada” e que estava a seguir “muito de perto a evolução da situação”.


Consistório para a canonização de dois italianos

Por Camille Dalmas – Menos de uma semana após a canonização de Carlos de Foucauld e outros nove santos, o Papa Francisco decidiu convocar um consistório ordinário para a canonização do Beato João Baptista Scalabrini (1839-1905), um bispo que fundou as congregações para migrantes que hoje levam o seu nome, os “Scalabrinianos”, e Artemide Zatti (1880-1951), uma leiga salesiana de origem italiana, médica na Argentina. De momento, ainda não foi anunciada qualquer data.

Embora tenha sido reconhecido um milagre para Artemide Zatti a 9 de Abril, o caso do Beato Scalabrini é particularmente raro: o Papa decidiu aprovar a votação a favor da sua canonização durante uma sessão ordinária da Congregação para as Causas dos Santos, abrindo a porta a uma canonização sem milagre. Esta canonização não é, contudo, “equipolente”, uma forma rara de canonização que permite ao pontífice reconhecer e declarar uma pessoa como santa sem a necessidade de um milagre. No caso de Dom Scalabrini, o Papa pretende celebrar a sua canonização apesar da ausência de um milagre, como fez para João XXIII em 2014.

Scalabrini, um missionário ao serviço dos migrantes

Nascido perto de Como, na Lombardia, em 1839, João Batista Scalabrini cresceu numa grande família, sendo o seu pai um comerciante de vinho. Desde cedo, descobriu a sua vocação para o sacerdócio e sentiu-se chamado a tornar-se um missionário. Contudo, quando foi ordenado aos 23 anos de idade, o seu bispo recusou-se a permitir que ele se tornasse missionário, dizendo-lhe: “As vossas Índias são a Itália”.

Durante sete anos, ensinou no Seminário menor de Como, tornando-se seu diretor, e foi então nomeado pároco. Durante estes anos, estudou cuidadosamente o catecismo, tentando torná-lo mais adequado à mentalidade contemporânea. O seu zelo foi notado: com apenas 36 anos de idade, foi nomeado bispo de Piacenza pelo Papa Pio IX, a conselho de Dom Bosco.

Na sua diocese, iniciou uma intensa atividade pastoral e reformadora, abrindo um instituto para surdos e mudos, fundando vários jornais e promulgando um novo catecismo diocesano. Num período marcado pela “Questão Romana” – o resultado da perda dos Estados papais – também trabalhou pela reconciliação, aumentando as suas visitas às paróquias da sua diocese.

Durante este período, foi um dos primeiros a interessar-se pelos migrantes, denunciando os “mercadores de carne humana” que especulavam sobre o seu desespero. Fundou uma comissão para a proteção dos migrantes em 1887, a que deu o nome de Sociedade São Rafael e que trabalhou em Roma, Génova, Florença, Turim e Milão.

Em 1887, realizou o seu sonho de infância ao fundar a Congregação dos Missionários de São Carlos Borromeo, e depois a sua homóloga feminina, as Irmãs de São Carlos Borromeo, em 1895, hoje conhecidas como as “Scalabrinianas”. Estas duas congregações têm uma vocação particular para ajudar os migrantes.

Os seus missionários instalaram-se na Itália mas também na América entre a diáspora italiana. A fim de se unir aos seus missionários, o bispo Scalabrini decidiu viajar para os Estados Unidos em 1901, durante o que instou os imigrantes italianos a serem patriotas no seu novo país. Como resultado, foi recebido pelo Presidente Theodore Roosevelt.

Em 1904, o bispo Scalabrini foi ao Brasil para visitar as comunidades locais italianas. Estava cansado da viagem, mas no seu regresso a Itália foi a Roma para pedir a criação de uma Comissão Central para todos os migrantes católicos, precursora da atual Secção de Migrantes e Refugiados da Santa Sé. Morreu alguns meses mais tarde. Reconhecido como venerável em 1987, Dom Scalabrini foi beatificado em 1997 por João Paulo II.

Artemide Zatti, médica ítalo-argentina

Nascida em Boretto (Itália) em 1880 numa família pobre, Artemide Zatti trabalhou como trabalhadora agrícola a partir dos nove anos de idade. Em 1897, a sua família foi forçada a emigrar para a Argentina e ele instalou-se no porto de Bahia Blanca, 650 km ao sul de Buenos Aires. Como visitante frequente dos Salesianos que trabalham na cidade, decidiu entrar para a Congregação, mas contraiu tuberculose enquanto ajudava um padre que estava doente.

A jovem prometeu dedicar a sua vida aos doentes. Em 1911, fez os seus votos e dedicou-se totalmente aos doentes, combinando o estudo da medicina com uma via espiritual. Construiu um hospital na sua cidade. Atingido pelo câncer, morreu em 1951. Foi reconhecida como venerável por João Paulo II em 1997, depois – após o reconhecimento de um primeiro milagre ligado à sua intercessão – foi beatificada em 2002.

O segundo milagre reconhecido pela Congregação para as Causas dos Santos é uma “cura inexplicável” que ocorreu em 2016, nas Filipinas. Um homem sofreu um “derrame isquémico cerebelar no lado direito, complicado por uma grande lesão hemorrágica” que quase o matou. O seu irmão, um salesiano em Roma, intercedeu junto da Beata Artemide Zatti pela sua recuperação, as suas orações coincidindo com a recuperação “quase imediata e completa” do homem moribundo.


A beatificação de uma jovem leiga espanhola

Por Camille Dalmas – O Papa Francisco autorizou a publicação de um decreto da Congregação para as Causas dos Santos reconhecendo um milagre atribuído a Maria de la Concepción Barrecheguren y García, uma jovem espanhola que era discípula de Santa Teresa do Menino Jesus. O decreto também reconhece as virtudes heróicas de sete outros servos de Deus que são agora considerados “veneráveis”.

Maria de la Concepción Barrecheguren y García

Maria de la Concepción Barrecheguren y García (1905-1927) era uma jovem nascida em Granada em tão pouca saúde que os seus pais não a puderam mandar para a escola. O seu pai, o Venerável Francisco Barrecheguren Montagut, encarregou-se da sua educação, preparando-a para o catecismo, para que pudesse receber a sua primeira comunhão e confirmação. Ainda muito jovem, sentiu o chamado para se tornar freira carmelita, tomando como modelo Santa Teresa do Menino Jesus, mas várias novas doenças graves impediram-na de o fazer.

Permanecendo muito piedosa, fez várias peregrinações, nomeadamente a Lisieux nas pegadas da pequena Teresa, onde não pediu para ser curada, mas pelo fortalecimento da fé em meio à doença; de fato, essa doença tirou a vida da santa carmelita. Pouco depois do seu vigésimo aniversário, o seu estado agravou-se, e ela morreu em 1927 após uma dolorosa agonia.

O pai e a filha, cujas causas são apoiadas pelo movimento redentorista ao qual o pai se juntou após as mortes da sua filha e depois da sua esposa, foram reconhecidos como veneráveis juntos pelo Papa Francisco em Maio de 2020.

Bispo Teófilo Bastida Comomot

O Papa Francisco aprovou também o reconhecimento pela Congregação para as Causas dos Santos das virtudes heróicas do Bispo Teófilo Bastida Comomot (1914-1988). Este filipino de Cebu sentiu-se chamado a trabalhar para os pobres numa idade muito jovem e foi ordenado em 1941. Foi pároco durante 12 anos antes de se juntar aos Carmelitas Descalços que tinham acabado de se estabelecer na sua ilha para se tornarem os seus antecessores.

Em 1955, foi nomeado bispo auxiliar de Jaro por Pio XII, então arcebispo coadjutor da diocese missionária de Cagayan de Oro por João XXIII. Entre 1962 e 1965, participou em três sessões do Concílio Vaticano II em Roma. Atingido por uma doença renal, teve de desistir do seu cargo em 1970 e regressou a Cebu, onde terminou a sua vida como cuidador diário dos mais pobres e considerado um santo pela sua comunidade. Tragicamente, morreu num acidente de carro quando o seu condutor adormeceu ao volante.

Bispo Luigi Sodo

O Papa reconheceu as virtudes heróicas de outro bispo, Monsenhor Luigi Sodo (1811-1895). Este napolitano sentiu-se chamado a tornar-se sacerdote e foi ordenado aos 22 anos com uma dispensa do Papa Gregório XVI. Tornou-se reitor de uma paróquia frequentada pela aristocracia local e depois do santuário de Santa Lúcia do Mar, onde cuidava das almas dos marinheiros. O seu zelo pastoral foi notado e ele foi nomeado bispo de Crotone, mas adoeceu e teve de regressar a Nápoles. Em 1853 foi nomeado para dirigir a diocese de Telese o Cerreto, onde permaneceu até à sua morte. Durante a unificação da Itália, foi injustamente acusado de instigar uma revolta e teve de fugir por algum tempo. Morreu amado pelo seu povo e pelos padres da sua diocese.

Alfredo Berta

Francisco reconheceu as virtudes heróicas do Padre Alfredo Berta (1889-1969), sacerdote franciscano das Marcas (Itália). Era um trabalhador árduo, um professor muito culto, e era muito apreciado pelos seus alunos. Deixou um trabalho hagiográfico, místico e histórico abundante.

Janina Woynarowska

O pontífice reconheceu as virtudes heróicas de uma poetisa polaca, Janina Woynarowska (1923-1979). Enfermeira na sua juventude, foi muito ativa na sua paróquia e juntou-se ao grupo Living Rosary. Ela combinava empenho social, caritativo e poético. Em 1961, tornou-se membro do Instituto do Cristo Redentor do Homem em Cracóvia, e emitiu os seus votos perpétuos de castidade, pobreza e obediência em 1966 perante o arcebispo da sua cidade, o então Cardeal Karol Wojtyla. Morreu num acidente de viação em 1979.

Giampietro da Sesto San Giovanni

O pontífice reconheceu as virtudes heróicas do Padre Giampietro da Sesto San Giovanni (1868-1913), nascido Clement Racalcati. Natural de Milão, este padre capuchinho foi missionário na região Nordeste do Brasil, onde teve de enfrentar a imensa pobreza e violência contra a Igreja naquela região. Ele é o fundador das Irmãs Missionárias Capuchinhas de São Francisco de Assis.

José Torres Padilla

As virtudes heróicas do Padre José Torres Padilla (1811-1878) também foram reconhecidas. Este sacerdote espanhol, originário das Ilhas Canárias, co-fundou as Irmãs da Companhia da Cruz em Sevilha com Santa Maria dos Anjos Guerrero González.

Marianne da Santíssima Trindade

Francisco reconheceu as virtudes heróicas de outra fundadora, Marianne da Santíssima Trindade (1854-1933), no nascimento de Mariana Allsopp González-Manrique. Esta freira mexicana foi a co-fundadora, com o venerável Padre Francisco de Assis Mendez Casariego, do Instituto das Irmãs da Santíssima Trindade. O seu carisma centra-se na proteção das mulheres vítimas das redes de prostituição.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoIgrejaPerseguição
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia