Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 31 Janeiro |
Beata Candelária de São José (Susana Paz Castillo Ramírez)
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Resenha de Imprensa: Um mês decisivo para o pontificado do Papa Francisco

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis Walking

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 23/05/22

O essencial de hoje para você se manter informado. Uma seleção de artigos escritos pela imprensa internacional sobre a Igreja e as principais questões que preocupam os católicos em todo o mundo. As opiniões e pontos de vista expressos nestes artigos não são dos editores da Aleteia

Segunda-feira, 23 de Maio de 2022

1 – Um mês decisivo para o pontificado do Papa Francisco
2 – A recusa do Papa em condenar Vladimir Putin provoca debate na Igreja
3 – O regresso da fome no mundo
4 – Mal-estar pós-covid entre estudantes
5 – A turbulenta história da arquidiocese de Paris


1 – Um mês decisivo para o pontificado do Papa Francisco

“As próximas semanas serão decisivas para o pontificado do Papa Francisco”, escreve Francesco Boezi no jornal italiano Il Giornale, observando que ele tem de lidar com “duas questões”. Em primeiro lugar, a Ucrânia, onde terá de decidir o que fazer. Como a porta para uma viagem à Rússia parece estar fechada por Moscou (Moscovo), é provável que a porta para uma viagem à Ucrânia seja complicada. Entretanto, enviou o Bispo Gallagher, o seu “ministro de exteriores”, mas o jornalista pergunta-se agora qual “é o caminho preferido do Vaticano para a paz”. Na Itália, a questão da sucessão do Cardeal Bassetti também está na mente de todos. A Conferência Episcopal deverá reunir-se em breve para designar o seu novo líder, e para isso terá de apresentar uma lista restrita – três nomes – ao Primaz de Itália, o próprio Papa. Tudo menos uma “escolha secundária” apresenta-se agora a Francisco, pois a Igreja italiana seria “ventilada como possível protagonista do futuro conclave”. Enquanto “a hipótese de que o ministério petrino poderia voltar a ser exercido por um clérigo italiano continua a circular”, a escolha do novo presidente da CEI poderia implicar “uma visão do futuro da Igreja italiana, mas também, inevitavelmente, um caminho que pode ser percorrido não só pelo Vaticano, mas por toda a Igreja universal”, acredita o jornalista.

Il Giornale, italiano

Embora o Papa Francisco se tenha referido constantemente ao sofrimento dos ucranianos, evitou “ostensivamente” condenar Vladimir Putin, afirmam Chico Harlan e Stefano Pitrelli no Washington Post. Chegou mesmo a defender a Rússia numa recente entrevista ao Corriere della Sera, referindo-se ao “ladrar da OTAN à porta da Rússia”. A linha de cumeeira que agora persegue “desencadeou um debate” no seio da Igreja sobre a forma como esta deveria agir face ao conflito. Por exemplo, Thomas Bremer da Universidade de Münster acredita que o Papa “não está a fazer o suficiente” e, dada a gravidade da situação, não deveria agir “como fez há seis meses atrás”. O antigo editor de L’Osservatore Romano, Giovanni Maria Vian, não hesita em compará-lo a Pio XII e recorda que tem sido criticado por se manter em silêncio. “Ele não age como Putin, que aponta outros nazistas, nem como Biden, que diz que Putin deve sair”, diz o seu biógrafo Marco Politi. John Allen, do website Crux, salienta também que do ponto de vista do Vaticano, poucas coisas importam mais do que a “busca da unidade” das igrejas ortodoxas e católicas que Francisco está a tentar manter vivas.

Washington Post, inglês

3 – O regresso da fome no mundo

O Papa Francisco alertou repetidamente para o risco de uma grave crise alimentar nos últimos meses. E de fato a guerra na Ucrânia pode muito bem matar para além das fronteiras da Ucrânia, diz um artigo no The Economist, que salienta que a Ucrânia e a Rússia fornecem em conjunto 12% das calorias comercializadas nos mercados internacionais. A seca na Índia e no Corno de África, e as chuvas tardias na China, França e Estados Unidos, sugerem o pior. As Nações Unidas já estão a soar o alarme de que 2 bilhões de pessoas estão em risco de subnutrição e 250 milhões de fome. Os países que dependem do pão como alimento básico podem sofrer enormemente. Como as colheitas ucranianas apodrecem em silos, vários países já anunciaram restrições alimentares, por exemplo, no Cazaquistão e no Kwait. É urgente, diz o jornal britânico, pôr fim ao bloqueio do Mar Negro. “Alimentar um mundo frágil é um assunto de todos”.

The Economist, inglês

4 – Mal-estar pós-covid entre estudantes

Jonathan Malesic, professor em duas universidades americanas, está alarmado com as consequências do período pandémico, que parece estar a chegar ao fim, para os seus alunos: absentismo em massa, falta de comprometimento. E não é o único nesta situação, explica ele num artigo publicado pelo New York Times. Muitos estudantes, diz ele, habituaram-se, de fato, à flexibilização na participação nas aulas e, mais seriamente, perderam muito da sua capacidade de aprender. O nível observado é particularmente baixo, e o autor considera que esta situação está ligada à perda do contexto escolar, que é “por si só” educativo para o aluno. Trata-se, diz ele, de redescobrir locais de encontro funcionais, porque a educação é sempre uma questão de relações. Sobre este ponto, observa que na Universidade de Dallas, uma instituição católica alegadamente conservadora que abriu as suas estruturas mais cedo, os estudantes não sofrem deste mesmo mal-estar pós-covid.

The New York Times, inglês

5 – A turbulenta história da arquidiocese de Paris

O arcebispo Laurent Ulrich foi investido como arcebispo de Paris na segunda-feira 23 de Maio, pondo fim a vários meses de instabilidade desde a renúncia do arcebispo Aupetit. Mas toda a história da arquidiocese, recorda o jornal Katholisch.de, é particularmente agitada. O seu primeiro bispo e santo padroeiro, São Dinis, morreu em perseguição. Tiveram de levar sua cabeça do Monte dos Mártires – Montmartre – até à basílica que hoje leva o seu nome. Depois veio São Marcelo (falecido em 436), que se diz ter sido obrigado a domar um dragão durante o seu ministério. Anos mais tarde, Dom Le Clerc de Juigne teve de fugir para Savoy durante a Revolução Francesa. O Bispo de Belloy morreu em 1808 com a idade de 98 anos… no cargo, tendo sido nomeado por Napoleão, e foi até há pouco tempo o cardeal mais antigo da história. Dom Denis Affre foi um arcebispo revolucionário, participando na revolução de 1948 e morrendo nas barricadas. Por outro lado, em 1871, o Arcebispo Georges Darboy foi martirizado pelos Comunas que o consideravam um inimigo do povo. Desde então, nenhum arcebispo tem tido morte trágica, e Dom Ulrich “já não tem de temer pela sua cabeça”. No entanto, do outro lado do Reno, é de notar que ser arcebispo de Paris significa “ser o pastor chefe de um rebanho muito especial”.

Katholisch.de, alemão

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
EuropaPapa FranciscoResenha de Imprensa
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia