Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 04 Dezembro |
São Bernardo, bispo de Parma
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

A guerra na Ucrânia completa 3 meses – e a Rússia já perdeu

Holodomor: comunismo e nazismo equiparados em horror

Jarosław Góralczyk I CC BY-SA 4.0

Francisco Vêneto - publicado em 24/05/22

Invasores foram escorraçados das duas maiores cidades da Ucrânia, mas deixaram um trágico rastro de horror

A guerra na Ucrânia completa 3 meses neste dia 24 de maio – e, apesar das funestas perspectivas de que ainda se arraste ao longo de meses, a Rússia já perdeu.

Não que haja algum vencedor. Em qualquer guerra, todos os envolvidos direta e indiretamente perdem muito mais do que ganham. A própria entrada numa guerra já é essencialmente uma derrota, porque a única forma genuína de vencer um conflito armado é impedi-lo de começar.

A Rússia perdeu

A Rússia, no entanto, é o maior dos perdedores desta guerra que o seu próprio regime autoritário provocou e que ele próprio se nega pateticamente a chamar de guerra – talvez na tentativa inútil de narrar para o próprio subconsciente que não irá perder, já que, na sua realidade paralela, o que está havendo nem sequer é uma guerra.

Vladimir Putin também se esforça para manter um igualmente patético discurso de vencedor, mas nem ele mesmo acredita no próprio devaneio.

OTAN | Um dos seus objetivos prioritários era impedir a expansão da OTAN junto às suas fronteiras. Putin não apenas não conseguiu garantir que a Ucrânia desista de solicitar ingresso na aliança militar ocidental, como ainda viu a Finlândia, que tem mais de mil quilômetros de fronteira com o norte da Rússia, formalizar um pedido de adesão que nem sequer estava sendo considerado concretamente antes da agressão do Kremlin contra os vizinhos ucranianos. Por fim, a historicamente neutra Suécia também formalizou o mesmo pedido e pelo mesmo motivo.

ZELENSKY | Outro dos objetivos prioritários de Putin era derrubar o governo de Volodymyr Zelensky, a quem tacha de nazista a despeito de ser judeu, para implantar em seu lugar um governo-fantoche pró-Moscou. Putin não apenas fracassou retumbantemente neste objetivo como ainda provocou o resultado oposto: Zelensky cresceu em popularidade na Ucrânia e passou a ser exaltado como herói por grande parte do planeta, relegando a segundo ou terceiro plano as denúncias contra as suas políticas na região de Donbass.

RESISTÊNCIA MILITAR | Além de não conseguirem derrubar o governo da Ucrânia, as tropas invasoras tardaram muito mais do que previam para chegar à capital do país, surpreendidas pela resistência das forças locais. Quando enfim chegaram, acabaram escorraçados tanto de Kiev quanto da segunda maior cidade da Ucrânia, Kharkiv. Em ambas, aliás, a vida cotidiana tem retomado rotinas mais próximas da normalidade do que da guerra, seja em termos de serviços públicos, seja no tocante à vida fora dos abrigos subterrâneos – apesar, é claro, da grave destruição causada a centenas de edifícios e infraestruturas, sem falar nas perdas irrecuperáveis de vidas inocentes. Não custa repetir: ninguém ganha uma guerra; na menos pior das possibilidades, uma das partes perde um pouco menos.

DESERÇÕES | E não foi só a resistência ucraniana que surpreendeu os invasores. Parte das próprias tropas russas se rendeu voluntariamente aos ucranianos já nos primeiros dias da invasão: grupos de jovens soldados russos, obrigados a lutar uma guerra que não é deles, ficaram estarrecidos com a selvageria que o seu país estava promovendo contra os vizinhos e sabotaram os próprios equipamentos para evitar ser cúmplices da loucura de Vladimir Putin.

PROTESTOS DOMÉSTICOS | Mesmo dentro da Rússia, e apesar da repressão intensificada, cidadãos se atreveram a protestar publicamente contra a guerra e contra Putin, assumindo o risco de ser presos – e, de fato, encarando a prisão aos milhares por semana.

SANÇÕES | As sanções internacionais, que Putin tem se empenhado em menosprezar, tendem a ser sentidas crescentemente pela população russa à medida que passem os meses e o país se veja cada vez mais isolado política e comercialmente. Dezenas de grandes empresas ocidentais deixaram o país, que também foi excluído do sistema financeiro internacional.

PETRÓLEO E GÁS | Se o rublo parece ter-se recuperado momentaneamente, em grande parte é porque o governo obrigou os importadores do seu petróleo a pagarem nessa moeda – mas o cenário tende a ficar bem menos favorável à economia da Rússia à medida que a União Europeia implementar os seus supostos planos (por enquanto tão genéricos quanto hipócritas) de substituir a dependência de combustíveis fósseis pela adoção de fontes energéticas renováveis.

Caberia aqui um artigo à parte sobre o porquê de os governos europeus não terem feito isso muito antes, em vez de priorizarem invectivas populistas em favor da responsabilidade ambiental alheia. Essa mesma hipocrisia, registre-se, deve ser declarada hoje como cúmplice da guerra na Ucrânia, já que, no mínimo, torna (muito) mais lenta a capacidade europeia de prescindir do gás e do petróleo que, além de incompatíveis com os seus inverossímeis discursos verdes, são culpavelmente adquiridos, sem maiores pudores, de um regime que já era criminoso muito antes de dizimar, por exemplo, a cidade inteira de Mariupol.

Como quer que seja, ainda que motivados pela falta de opções e não pela virtude que pregam ao próximo embora não a pratiquem, os hipócritas governos europeus tendem a ser, gradualmente, clientes bem menos rentáveis para a Rússia das próximas décadas. É mais uma das derrotas que Vladimir Putin já legou ao seu povo.

RISCO DE FRAGMENTAÇÃO TERRITORIAL | Não faltam analistas, até, que predizem a fragmentação da Rússia em vários novos países, já que, espalhados pelo território gigantesco e nada homogêneo do mais vasto país do planeta, pululam movimentos separatistas longamente ávidos pela oportunidade de dar adeus ao controle de Moscou.

UCRÂNIA AINDA MAIS VOLTADA AO OCIDENTE | Por sua vez, a Ucrânia tende a acelerar a obtenção de vantagens junto ao Ocidente, mas o preço que paga por essa perspectiva é o atual martírio das milhares de vidas perdidas, dos mais de 6 milhões de refugiados fora de suas fronteiras e de um avassalador desastre econômico do qual precisará de muito tempo e de várias centenas de bilhões de dólares em ajuda externa para se recuperar.

A Ucrânia também perde

De fato, assim como podemos afirmar que a Rússia perdeu esta guerra, podemos igualmente declarar que a Ucrânia passa longe de poder considerar-se “vencedora”.

Segundo dados do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), 6.552.971 pessoas deixaram a Ucrânia desde o início da guerra. A mesma agência da ONU registrou 2.048.500 de entradas no país, mas não sabe confirmar se o número se refere à população que já retornou à Ucrânia.

Também segundo a ONU, pelo menos 3.309 civis ucranianos morreram comprovadamente em decorrência da guerra, mas o número deve ser muito maior: diversas áreas do leste do país continuam sitiadas e sem acesso possível para seus funcionários poderem fazer um levantamento completo.

Por mais que, no médio a longo prazo, a Ucrânia saia desta guerra mais fortalecida e com melhores perspectivas do que a Rússia, uma guerra é uma guerra: ninguém vence; pode, no máximo, ter uma derrota menor do que a outra parte.

O Papa e a guerra

O Papa Francisco se posicionou energicamente contra a guerra desde várias semanas antes da sua eclosão, e, após o início dos ataques, agiu em diversas frentes para promover o seu fim.

Ele se ofereceu pessoalmente como mediador entre Moscou e Kiev, chegou a ir presencialmente à embaixada russa junto ao Vaticano, conversou com autoridades civis e religiosas dos dois países, enviou importantes autoridades vaticanas à Ucrânia e mandou diversas ajudas materiais à população, entre dinheiro, comida, remédios, artigos de higiene e até duas ambulâncias, por meio de estruturas da Igreja como a Cáritas, a fundação Ajuda à Igreja que Sofre e centenas de paróquias, conventos e mosteiros, que abriram as portas para acolher desabrigados.

Entre as muitas declarações firmes do Papa Francisco contra a guerra, destacamos as que ele proferiu em duas ocasiões:

1 – “Não é operação militar especial: é guerra!”

No Ângelus de 6 de março, I Domingo da Quaresma, o Papa afirmou sem panos quentes que a guerra da Rússia contra a Ucrânia não é uma “operação militar especial”, refutando frontalmente a estapafúrdia narrativa de Putin, mas sim uma guerra de fato, com todo o horror que uma guerra significa para a população:

“Correm rios de sangue e lágrimas na Ucrânia. Não se trata apenas de uma operação militar, mas de guerra, que semeia morte, destruição e miséria. As vítimas são cada vez mais numerosas, assim como as pessoas que fogem, especialmente mães e crianças. A necessidade de assistência humanitária neste país atormentado está crescendo dramaticamente a cada hora”.

2 – “Qualquer guerra é uma derrota para todos”

No Ângelus de 27 de março, Francisco qualificou a guerra como “cruel e insensata” e afirmou que é preciso “apagá-la da história humana antes que ela apague o homem da história”:

“Como qualquer guerra, ela representa uma derrota para todos, para todos nós. É preciso repudiar a guerra, um lugar de morte onde pais e mães sepultam seus filhos, onde homens matam seus irmãos sem sequer tê-los visto”.

“Os poderosos decidem e os pobres morrem. A guerra não destrói só o presente, mas também o futuro de uma sociedade”.

“Isto significa destruir o futuro, causando traumas dramáticos nas crianças. Esta é a brutalidade da guerra, um ato bárbaro e sacrílego”.

“A guerra não pode ser algo inevitável: não devemos nos acostumar com a guerra! Pelo contrário, devemos transformar a indignação de hoje no compromisso de amanhã. Porque, se sairmos dessa história como antes, todos seremos culpados de alguma forma. Diante do perigo da autodestruição, a humanidade deve entender que chegou a hora de abolir a guerra, de apagá-la da história humana antes que ela apague o homem da história”.

“Rezo para que todos os líderes políticos reflitam sobre isso que se comprometam com isso! E, olhando para a Ucrânia martirizada, entender que cada dia de guerra torna a situação pior para todos. É por isso que renovo o meu apelo: chega, pare! Calem-se as armas! Que se negocie seriamente pela paz”.

Tags:
GuerraPapa FranciscoRússiaUcrânia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia