Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 05 Julho |
Santo Atanásio do Monte Athos
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Deputada pró-aborto desafia arcebispo que a proibiu de comungar

Dom Salvatore Cordileone e Nancy Pelosi, deputada pró-aborto que não deve comungar

fot. Jeffrey Bruno / Kevin Dietsch/Getty AFP/East News

Francisco Vêneto - publicado em 25/05/22 - atualizado em 25/05/22

Democrata Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos EUA, quer comungar, mas não quer se converter; além disso, pretende "ensinar Evangelho" ao arcebispo de San Francisco

A deputada democrata e pró-aborto Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, equivalente à Câmara dos Deputados Federais no Brasil, resolveu desafiar publicamente o arcebispo de San Francisco, dom Salvatore Cordileone, que, cumprindo as diretrizes do Código de Direito Canônico, a proibiu de comungar em sua arquidiocese porque ela apoia o aborto proposital de modo público e militante.

Nancy Pelosi participou nesta segunda-feira, 24, do programa televisivo Morning Joe, da rede MSNBC, e aproveitou para se declarar “de família amplamente pró-vida, ítalo-americana e católica”, bem como para afirmar que respeita “as opiniões dos outros sobre isso”, mas não respeita “que [essa opinião] seja imposta aos outros”.

Falácias de Nancy Pelosi: “opinião” versus doutrina

Trata-se de uma falácia: dom Salvatore não está se baseando na sua “opinião”, mas sim no Código de Direito Canônico (CDC).

O cânon 915 do CDC outorga a qualquer sacerdote católico a prerrogativa de negar a Sagrada Comunhão às pessoas excomungadas ou que optem por viver em pecado mortal. O cânon 1398 afirma que as pessoas que praticam ou colaboram ativamente para a execução de abortos incorrem na excomunhão automática (latae sententiae).

É o caso tanto de Nancy Pelosi quanto do presidente democrata Joe Biden: ambos promovem pró-ativamente o aborto, contrariando frontalmente o Catecismo da Igreja Católica, que é muito claro a esse respeito: o número 2271 recorda que, desde o século I, a Igreja afirma “a malícia moral de todo aborto provocado”. O mesmo número do Catecismo também reforça que “esta doutrina não mudou” e que “o aborto direto, isto é, querido como fim ou como meio, é gravemente contrário à lei moral”.

Dom Salvatore Cordileone tem a obrigação de defender a doutrina católica, ao mesmo tempo em que tem o dever de ajudar os católicos a compreendê-la e a praticá-la coerentemente. Ele próprio relatou ter tentado diversas formas de diálogo com Nancy Pelosi – e que ela mesma as rejeitou. Em comunicado emitido no último dia 20 de maio a toda a sua arquidiocese, a arcebispo afirma:

“Depois de numerosas tentativas de falar com ela para ajudá-la a entender o grave mal que está cometendo, o escândalo que ela vem causando e o perigo que está correndo para a própria alma, decidi que chegou o momento em que tenho o dever de declarar publicamente que ela não deve ser aceita na Sagrada Comunhão, a não ser que, e até que, repudie publicamente o seu apoio aos ‘direitos’ ao aborto, se confesse e receba a absolvição no sacramento da Penitência pela sua colaboração com esse mal”.

Mais falácias de Nancy Pelosi: “Evangelho” ao gosto do freguês

Além da falácia da “opinião”, a deputada democrata pró-aborto arrogou-se a competência de “ensinar Eevangelho” ao arcebispo.

No programa de TV do qual participou, e no qual ela sim expôs a “sua opinião” de modo unilateral e enviesado, Nancy Pelosi afirmou que a oposição “veemente” de dom Cordileone ao que ela chama genericamente de “direitos LGBTQ” seria “não coerente com o Evangelho de Mateus”.

Resta saber qual é o capítulo do Evangelho de São Mateus que trataria de tais direitos e quais são especificamente os direitos a que ela se refere. Para setores da mídia descomprometidos com o jornalismo, no entanto, bastou alardear que o arcebispo é que “não vive o Evangelho”.

Narrativas vitimistas e desonestas

A dramatização vitimista dos promotores do aborto foi prolífica em declarações desconexas e clamorosamente desonestas contra a medida pastoral adotada por dom Salvatore.

A atriz norte-americana Whoopi Goldberg defendeu o que chamou de “direito a comungar” de Nancy Pelosi, inventando mais um direito tão inexistente quanto o de praticar abortos à vontade. Ninguém tem direito à Eucaristia: o Corpo e o Sangue de Cristo são puro dom de Deus, absolutamente imerecidos, e requerem basicamente uma única “contrapartida” do católico que a recebe: estar em estado de graça.

Não contente com pontificar sobre o que desconhece, Whoopi Goldberg ainda piorou sua “argumentação” acrescentando que “a batalha pelo direito ao aborto começa a nublar as divisões entre Igreja e Estado”. Esta patética tergiversação dos fatos pretende levar a entender que é a Igreja quem estaria se intrometendo numa política de Estado, quando, na realidade, é a militância ideológica de alguns grupos políticos que está querendo intrometer-se na doutrina da Igreja.

A atriz ainda teve o desplante de tentar delimitar qual é e qual não é o trabalho de dom Salvatore como arcebispo:

“Esse não é o seu trabalho, cara! Não cabe a você tomar essa decisão! É surpreendente. Qual é a ideia da Comunhão? É para pecadores. É a recompensa dos santos e o pão dos pecadores. Como se atreve?”.

O sacerdote espanhol Juan Manuel Góngora respondeu a Whoopi Goldberg, via Twitter, de modo sucinto e perfeitamente suficiente, com base nos já expostos artigos do Catecismo e do Direito Canônico:

“Esta senhora está confusa. A comunhão eucarística não é um ‘direito’. Qualquer sacerdote pode negá-la quando ocorrerem as circunstâncias apropriadas e é um dom que deve ser recebido em estado de graça. Mas é claro que o relato de vitimização para os incautos é mais interessante”.

Tags:
AbortoBisposDoutrinaIdeologiaPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia