Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 04 Dezembro |
São Bernardo, bispo de Parma
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

Quando crianças se arrependem da “mudança de sexo”

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
shutterstock_696962281.jpg

fizkes I Shutterstock

Blanche Streb - publicado em 26/05/22

Pode ser um dos maiores escândalos de saúde do nosso tempo: a mudança de sexo de crianças e adolescentes que a solicitam sem medir todas consequências

A Academia Nacional de Medicina da França fala de um fenómeno semelhante a uma epidemia. Um psicanalista do hospital Pitié-Salpêtrière, em Paris, que atende jovens interessados na transexualidade fala de uma “onda gigantesca”. Há de fato cada vez mais jovens a expressar esta profunda problemática: ter o sentimento de pertencer ao outro sexo que não o seu, ou por vezes a “não ter sexo”. Muitos deles começam com transições sociais (mudando o seu primeiro nome, aparência e comportamento) e depois passam por transições médicas (injetando hormônios, fazendo cirurgias e, para alguns, administrando bloqueadores de puberdade).

Na França, como em muitos países, os números e o seu aumento são espantosos. Por exemplo, o número de diagnosticados com transexualidade ou disforia de género aumentou 10 vezes entre 2013 e 2020.

Os pedidos de acesso à cirurgia para procedimentos mamários ou genitais ou de remoção quadruplicaram entre 2012 e 2020. Um psiquiatra infantil encarregado de um centro de acolhimento de adolescentes (CAA) em Paris atesta isto: “Há dez anos atrás, tínhamos cerca de dez pedidos por ano, hoje são dez pedidos por mês, apenas para a região de Île-de-France”.

Arrependimento

Mas hoje em dia, muitos jovens estão voltando atrás. São chamados “destransicionadores”. Será que, com o passar do tempo, eles se conformaram com o seu sexo? No entanto, eles foram iludidos. E muitas vezes é demasiado tarde. O seu mal-estar conduziu-os na auto-estrada da mudança de sexo, uma viagem que por vezes não tem retorno, uma vez que algumas decisões são irremediáveis.

Este é o caso de Anna, que dá seu testemunho no Le Parisien (3/5/2022). Enquanto adolescente, ela descobriu a transexualidade na internet e encaixou-se ali. Os seus pais apoiaram-na. Após algumas consultas médicas, que ela própria descreve como “apressadas”, começou a tomar testosterona aos 14 anos, mudou de nome, e foi submetida a uma mastectomia (remoção dos seios) aos 16 anos. Aos 19 anos, começou a sua descida ao inferno. Ela não domou “este novo sexo” e se arrependeu. Percebeu que era de fato uma mulher, mas agora com o peito achatado e uma voz grossa. Ela deixou de tomar hormônios. A menstruação voltou, e ela espera que a sua fertilidade não esteja permanentemente prejudicada. Hoje, ela lamenta que “em nenhum momento foram discutidas as razões mais profundas da minha mudança de sexo. Fui colocada num caminho e percebi que a puberdade não é o momento ideal para fazer tais escolhas”.

O caso Keira Bell

O caso de Anna não é isolado. Associações de destransição estão a surgir nos Estados Unidos, Canadá, Bélgica, Inglaterra, Suécia, etc. No Reino Unido, o caso Keira Bell rendeu manchetes e trouxe este doloroso assunto para o primeiro plano. Esta jovem mulher, que se tornou um homem trans, processou a clínica que a tinha tratado. Ela afirma que não tinha a capacidade de consentir, apesar de ter sido ela a pedir a transição médica.

“Quanto mais eu fazia a transição, mais eu percebia que não era um homem e que nunca o seria. À medida que fui amadurecendo, apercebi-me que a disforia de género era um sintoma do meu sofrimento em geral, não a causa do mesmo”, explica. O caso encerrou recentemente. Ela perdeu. Mas o Tribunal reconheceu que antes dos 13 anos “é altamente improvável que uma criança seja competente para consentir a administração de bloqueadores da puberdade”, e que antes dos 16 anos de idade só podem tomar o tratamento se compreenderem as consequências imediatas e a longo prazo.

Obviamente, a dificuldade não reside tanto na qualidade da informação dada e recebida, mas na capacidade das crianças e adolescentes de compreender e avaliar esta informação, de conceber o alcance de tais decisões que implicarão em consequências para toda a vida. Como, por exemplo, podemos medir as consequências da perda de fertilidade quando ainda estamos longe de querer um filho?

Keira Bell compartilha a sua história. “Cinco anos depois de ter iniciado a minha transição médica para o sexo masculino, comecei o processo de destransição. Muitos homens trans falam de como não se consegue chorar com uma dose elevada de testosterona no corpo, e isso também me afetou: não conseguia libertar as minhas emoções. Um dos primeiros sinais de que estava de novo a tornar-me Keira foi que – felizmente, finalmente – fui capaz de chorar. E eu tinha muito sobre o que chorar”.

Um grito de ajuda

Face a estes dramas, as vozes levantam-se. A Academia Nacional de Medicina da França está a chamar a atenção da comunidade médica e a pedir que “seja exercida uma grande cautela médica com as crianças e os adolescentes, dada a vulnerabilidade, particularmente psicológica, desta população e os muitos efeitos indesejáveis, e mesmo complicações graves, que algumas das terapias disponíveis podem causar”.

Dirigindo-se aos pais, a Academia recomenda vigilância face às questões dos seus filhos sobre a transexualidade ou o seu mal-estar, salientando o carácter viciante da consulta excessiva às redes sociais, prejudicial ao desenvolvimento psicológico dos jovens e responsável por uma grande parte do crescimento do sentimento de incongruência de género.

Um verdadeiro grito de alarme foi lançado numa tribuna do jornal Express por várias associações de profissionais infantis, bem como cinquenta personalidades – médicos, intelectuais, psicólogos, magistrados, sociólogos, ativistas feministas – de origens muito diferentes, como Elisabeth Badinter, Jean-Pierre Winter, Chantal Delsol, René Frydman e Xavier Emmanuelli: “É urgente informar o maior número possível de cidadãos, de todas as profissões, de todos os lugares, de todas as idades, sobre o que poderia muito bem aparecer amanhã como um dos maiores escândalos éticos e de saúde que teríamos visto acontecer sem dizer uma palavra: a mercantilização do corpo das crianças.”

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CriançasIdeologia de GêneroSexualidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia