Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 05 Julho |
Santo Atanásio do Monte Athos
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

É verdade que oração noturna é mais eficaz?

prayer night

Shutterstock

Marzena Devoud - publicado em 29/05/22

À noite, quando o mundo descansa e reina o silêncio, algumas pessoas fazem vigília e rezam. Por que o sossego da noite é propício à oração? Seria a condição ideal para uma oração mais eficaz?

“Como muitas pessoas, sofri de insónia, provavelmente devido ao estresse e ansiedade da vida quotidiana. Com os olhos bem abertos, eu contava ovelhas ou fendas na parede, incapaz de adormecer enquanto o resto da família dormia pacificamente… E um dia, veio-me esta ideia: em vez de tentar induzir-me a adormecer sem sucesso, seria melhor transformar a minha insónia em vigília”. É assim que Julie conta à Aleteia como a sua vida mudou. Professora de francês em Nantes e mãe de um menino de 3 anos, ela confirma que agora, assim que está acordada no meio da noite, volta-se para Deus: “Senhor, estou aqui, estou a ouvir-te”.

Desde então, os seus momentos de vigília, mesmo que não sejam voluntários, permanecem para ela muito preciosos: “Sinto-me plenamente ligada a Deus, de uma forma muito mais forte, graças ao silêncio e à calma da noite, longe do ritmo agitado do dia. É uma experiência espantosa para mim: permite-me mergulhar completamente no interior, como um submarino em águas profundas. Por vezes quase não quero voltar à superfície para não sair deste espaço pacífico onde Deus se manifesta. É muito surpreendente porque antes, eu ficava ansiosa, até mesmo desesperada quando o sono não regressava…”, admite ela.

Descoberta interior

Permanecer com Deus à noite “leva à descoberta de um relógio mais interior, muitas vezes ofuscado pelas preocupações do mundo”, explica Xavier Accart no seu livro A Arte da Oração. É nesse sentido que a oração noturna pode ser mais eficaz. Permite-nos alcançar o silêncio e a calma interior indispensáveis para experimentar a presença de Deus, mas difíceis, e por vezes impossíveis, de encontrar na vida quotidiana. “Se cada cristão é convidado a dedicar uma certa parte da noite à oração”, diz monsenhor André Louf, citado por Xavier Accart, “a duração do tempo é de pouca importância, mesmo uma vigília muito curta é obra do Espírito Santo em nós”.

Esta declaração responde aos repetidos apelos de Jesus para permanecer com Ele. De fato, Jesus passou as suas noites em oração. Para Ele, a oração é contínua. Enquanto o mundo descansa e reina o silêncio, Jesus reza para que o mundo possa descansar nas mãos de Deus. Como Ele, os monges levantam-se à noite para oferecer a Deus os seus momentos de vigília. É precisamente isto que os salmos cantam: “Na noite em que me lembro de ti e fico horas a falar contigo” (Sl 62,7), “No meio da noite levanto-me e dou-te graças pelas tuas justas decisões” (Sl 118,62).

Prática comum dos primeiros cristãos

Acordar do sono para rezar parece ter sido uma prática comum entre os primeiros cristãos. “Devemos levantar-nos frequentemente das nossas camas durante a noite e dar graças a Deus”, aconselhou Clemente de Alexandria no segundo século. “Bem-aventurados os que vigiam por Ele: são como os anjos a quem chamamos observadores”.

Guiado pela palavra de Deus, São Paulo também exortou os cristãos a rezarem sem cessar. São Bento, o pai dos monges ocidentais, aceitou a sua chamada convidando os monges a levantarem-se à noite para vigiar e rezar a Deus. Ao rezar à noite, experimentaram simbolicamente a passagem da morte e da escuridão para a Ressurreição luminosa de Cristo.

Outros grandes santos são conhecidos pelas suas vigílias noturnas. Charles de Foucauld, marcado pelo exemplo de Cristo, era particularmente afeiçoado à adoração à noite. “É tão agradável passar as horas silenciosas da noite aos teus pés”, escreveu ele em 1897, “estar face a face contigo enquanto tudo está a dormir na terra, estar sozinho em adoração a ti, estar de joelhos a dizer-te que te amo… Santíssimo Sacramento exposto! Que êxtase!”

União com Deus plenamente alcançada

Quanto a São João da Cruz, nos seus escritos a palavra “noite” nunca está longe da palavra “purificação”. Ele insiste nisso repetindo que essa noite “purifica”. Quando se diz “Deus abandonou-me”, o santo carmelita corrige e diz, em vez disso: “Deus purifica-me”. A ressonância litúrgica da noite de Natal e das noites da Semana Santa, especialmente a Quinta-feira Santa e a Sexta-feira Santa, influenciou fortemente o grande santo carmelita. Para ele, a noite é o símbolo de privação total, mas também de reparação e esperança.

Para São João da Cruz, a alma tem a sua vida em Deus. No seu sentido mais profundo, a oração noturna pode permitir que a união com Deus se realize plenamente.

Tags:
EspiritualidadeOração
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia