Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 07 Dezembro |
Bem-aventurado Janos Scheffler
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Resenha de Imprensa: “Eu, um jovem cardeal da longínqua Mongólia”

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
S.E.R.-Mons.-Giorgio-Marengo

Arcivescovo.vercelli, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

I.Media para Aleteia - publicado em 31/05/22

O essencial de hoje para você se manter informado. Uma seleção de artigos escritos pela imprensa internacional sobre a Igreja e as principais questões que preocupam os católicos em todo o mundo. As opiniões e pontos de vista expressos nestes artigos não são dos editores da Aleteia

Terça-feira 31 de Maio de 2022

1 – “Eu, um jovem cardeal da longínqua Mongólia”
2 – Nos arquivos do Vaticano, um investigador descobre segredos sobre Pio XII
3 – Novos cardeais tornam difícil a análise de um futuro conclave
4 – Barcelona: rumo a uma abertura do celibato opcional e do sacerdócio feminino na Igreja
5 – As igrejas de Hong Kong e as homenagens de Tiananmen


1 – “Eu, um jovem cardeal da longínqua Mongólia”

O futuro membro mais jovem do Colégio Cardinalício, o Arcebispo Giorgio Marengo, terá apenas 48 anos de idade quando for elevado ao cardinalato, a 27 de Agosto. Na imprensa italiana, o missionário da Consolata, Prefeito Apostólico de Ulaanbaatar, confessou a sua grande surpresa quando soube da notícia por uma religiosa que conheceu no final da Missa da Ascensão celebrada nos subúrbios de Roma, dois dias depois de se encontrar com o Papa Francisco com uma delegação budista da Mongólia. “Isto mostra o significado da sua atenção pastoral: o sucessor de Pedro tem a Igreja como um todo no coração e, portanto, também onde existem pequenas realidades”, disse o Bispo Marengo. “É uma mensagem muito bonita: pensemos nas primeiras comunidades cristãs que viveram em situações de dificuldade”, insistiu ele. Explicou que através da criação do primeiro cardeal missionário na Mongólia, e mais amplamente através da atenção dada aos países da Ásia, “o Papa continua a promover a proclamação do Evangelho em todas as partes do mundo.

Il Giornale, italiano

Com base nos Arquivos do Vaticano, o historiador David Kertzer pinta um quadro matizado de Pio XII, que na sua opinião não seria nem o monstro anti-semita alegado por alguns, nem o herói irrepreensível defendido pelos entusiastas da sua causa de canonização. O estudioso vencedor do Prémio Pulitzer acaba de publicar um novo livro intitulado “O Papa em Guerra” sobre este período. Através de novos documentos, ele descobre “provas assustadoras” sobre o custo do silêncio do Papa Pacelli sobre os massacres, e assinala que a atitude do pontífice estava em parte ligada ao seu desejo de proteger os interesses da Igreja e de não alienar os católicos alemães. O livro revela ainda que um príncipe alemão e um devoto nazista agiram como um canal secreto entre Pio XII e Hitler, e que o principal conselheiro do Papa no Vaticano sobre questões judaicas o instou numa carta a não protestar contra uma ordem fascista de deportação dos judeus de Itália. “Foi um espanto”, comenta o professor da Universidade de Brown, ele próprio filho de um rabino que participou na libertação de Roma como capelão do exército. Segundo o investigador, os arquivistas do Vaticano encorajam-no a continuar o seu trabalho. “Talvez até estejam felizes por um estrangeiro ser capaz de lançar luz, porque pode ser embaraçoso para alguns deles fazê-lo”, diz ele.

The New York Times, inglês

3 – Novos cardeais tornam difícil a análise de um futuro conclave

O Papa Francisco voltou a surpreender ao escolher, entre os 16 novos cardeais eleitores, personalidades totalmente desconhecidas que um dia elegerão o próximo papa. “É extremamente difícil prever como é que o novo cardeal da Mongólia irá provavelmente votar no próximo conclave, ou o de Timor Leste, ou o primeiro cardeal indiano da ‘subclasse’ Dalit”, comenta o estudioso do Vaticano John Allen. Ele argumenta que alguns imaginam que esta distribuição da biretta de cardeal às pessoas da periferia poderia funcionar a favor do cardeal italiano Zuppi, que é próximo do Papa e da comunidade de Sant’Egidio. John Allen salienta também que os eleitores cardeais não se conhecem, particularmente porque a pandemia tem impedido grandes reuniões. Assim, eles conhecer-se-ão nas congregações gerais. Isto pode levar a um longo conclave – leva tempo a alcançar um consenso – ou bem como a um curto – com os cardeais periféricos alinhados atrás das grandes figuras. Em suma, tudo permanecerá em aberto.

Crux, inglês

4 – Barcelona: rumo a uma abertura do celibato opcional e do sacerdócio feminino na Igreja

Nas conclusões do Sínodo diocesano de Barcelona, os fiéis propõem “abrir a possibilidade” do celibato opcional para os sacerdotes e ao sacerdócio feminino. O texto pede que “toda a comunidade cristã deve alcançar aqueles que historicamente foram deixados à margem” da Igreja, reconhecendo que esta marginalização tem sido “sobretudo por razões morais, especialmente por causa da sua situação familiar ou orientação sexual”. Os católicos da diocese espanhola deploram “uma falta de coerência entre o que é pregado e o que é feito”, disse o cardeal Juan José Omella ao apresentar as conclusões a cerca de 700 pessoas no Colégio Marista da cidade. E recordou: “Estamos todos no mesmo barco”. O documento da diocese foi enviado à Conferência Episcopal Espanhola, onde será feita uma síntese de todas as dioceses da Espanha, antes de se iniciar a fase sinodal a nível europeu.

Religión Digital, espanhol

5 – As igrejas de Hong Kong e as homenagens às vítimas de Tiananmen

Devido a ameaças de repressão chinesa, pela primeira vez em 33 anos, as igrejas de Hong Kong não realizarão este ano quaisquer cultos religiosos para homenagear as vítimas da repressão da “Primavera de Pequim” contra a Praça de Tiananmen a 4 de Junho de 1989. Embora as leis cada vez mais restritivas tivessem vindo progressivamente a reduzir as oportunidades de protesto, particularmente desde a Lei de Segurança de 2020, as missas católicas tinham sido uma das últimas ilhas de relativa liberdade até agora. Mas, entrevistado pelo The Guardian, um capelão estudantil admite que organizar tal celebração está a tornar-se “muito difícil na atual atmosfera social”, especialmente porque a diocese de Hong Kong é cautelosa perante a possibilidade de violar a lei de Hong Kong. O cancelamento destas missas é um novo golpe às liberdades na antiga colónia britânica, que assistiu ao desaparecimento de muitos símbolos em homenagem às vítimas de 1989, incluindo o “Museu de 4 de Junho”, brutalmente desmantelado pelas autoridades chinesas.

The Guardian, inglês

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CardeaisIgrejaResenha de Imprensa
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia