Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 09 Dezembro |
São Cipriano de Genouillac
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Francisco acrescenta uma nova viagem apostólica à sua agenda

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Marian-Month-Mater-Ecclesiae-Procession-aux-flambeau-May-28-2022

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 01/06/22

Boletim Direto do Vaticano, 1 de junho de 2022

  • O Papa Francisco visitará o Cazaquistão em Setembro
  • O funeral do Cardeal Sodano celebrado com relativa discrição
  • Edifício de Londres: Enrico Crasso é interrogado

O Papa Francisco visitará o Cazaquistão em Setembro

Por Hugues Lefèvre – “O Cazaquistão congratula-se com a decisão do Papa Francisco de participar no 7º Congresso de Líderes de Religiões Mundiais e Tradicionais, a ter lugar em Nursultan em Setembro de 2022. Numa declaração emitida na terça-feira pela Santa Sé e co-assinada pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros do Cazaquistão e pelo Secretário para as Relações com a Santa Sé, o Vaticano fez a escolha oficial do Papa Francisco de visitar o país da Ásia Central. O pontífice deseja participar do inter-religioso a ter lugar nos dias 14 e 15 de Setembro.

O Papa Francisco teve uma videoconferência com o Presidente do Cazaquistão, Kassym-Jomart Tokayev, a 11 de Abril. A presidência cazaque anunciou subsequentemente que o pontífice tinha afirmado o seu desejo de visitar o país para este encontro internacional durante as conversações. “A decisão histórica do Papa Francisco de fazer uma visita de estado ao Cazaquistão e de participar nos trabalhos do Congresso foi particularmente notável”, disse o ministro cazaque Mukhtar Tileuberdi numa declaração emitida a 30 de Maio, depois de ter sido recebido pelo Papa Francisco. “O ministro disse que os católicos no Cazaquistão, mas também em toda a Ásia Central, estão ansiosos pela chegada do Papa”, disse a declaração.

Após uma viagem à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul no início de Julho e uma viagem ao Canadá no final de Julho, o Papa Francisco, 85 anos, dedicará a 39ª viagem apostólica do seu pontificado a este país com uma maioria muçulmana (sunita) e no qual está presente uma pequena minoria católica (2% dos 16 milhões de habitantes). A população cristã (20%) é constituída principalmente por cristãos ortodoxos que dependem do Patriarcado de Moscovo e da Igreja Ortodoxa Oriental do Cazaquistão.

Ao visitar um país que partilha quase 7.000 quilómetros de fronteira com a Rússia, o Papa poderia aproveitar esta viagem para falar sobre o conflito na Ucrânia, que já causou milhares de mortes. Com a guerra na Ucrânia, o Cazaquistão, uma antiga República Soviética, distanciou-se da Rússia. O diálogo inter-religioso deve estar no centro desta viagem, uma vez que o pontífice pretende participar na 7ª edição do Congresso de Líderes Mundiais e Religiões Tradicionais. Este evento tem sido organizado pela Presidência Cazaque desde 2003 e promove o papel das religiões na promoção da paz. Em 2018, este congresso trienal reuniu 82 delegações de 46 países.

Selar “laços de amizade” entre os dois estados

Será também uma oportunidade para selar “laços de amizade” desenvolvidos nas últimas três décadas entre a Santa Sé e o Cazaquistão, escreveram os dois diplomatas que assinaram o comunicado. “O Cazaquistão partilha a visão global da Igreja Católica baseada nos ideais de bondade, justiça, solidariedade e compaixão. A Igreja Católica congratula-se com o papel do Cazaquistão na promoção do diálogo intercultural e interreligioso”, afirma a declaração.

Na sua declaração, D. Gallagher e Mukhtar Tileuberdi afirmaram que os dois países continuam a trabalhar em conjunto. Durante a visita do ministro ao Vaticano, foram assinados um memorando de entendimento entre o Centro Médico Universitário do Cazaquistão e o Hospital Bambino Gesù e um memorando de entendimento entre o Instituto de Estudos Orientais R.B. Suleimenov e a Biblioteca do Vaticano. Além disso, “sob reserva do resultado das negociações em curso”, a Santa Sé e o governo do Cazaquistão esperam assinar um acordo sobre a concessão de vistos e autorizações de residência aos membros da Igreja Católica. Com base num primeiro acordo concluído em 1998, o Cazaquistão foi o primeiro país da Ásia Central a receber uma visita do Papa João Paulo II em 2001.


O funeral do Cardeal Sodano celebrado com relativa discrição

Por Cyprien Viet – Quatro dias após a sua morte aos 94 anos, o funeral do antigo Secretário de Estado de João Paulo II e Bento XVI, figura central do governo da Igreja durante três décadas, teve lugar na terça-feira 31 de Maio na Basílica de São Pedro. O Papa Francisco esteve presente na primeira fila, numa cadeira de rodas, e 36 cardeais e cerca de 40 bispos concelebraram a Missa, que não foi transmitida pelos meios de comunicação social do Vaticano.

A cerimónia foi presidida pelo Cardeal Giovanni Battista Re, atual reitor do Colégio Sagrado, que sucedeu ao Cardeal Sodano neste cargo em 2019. Os dois homens conheciam-se bem: o Cardeal Re foi de fato o substituto da Secretaria de Estado de 1989 a 2000 e, portanto, trabalhou em estreita colaboração com o Cardeal Sodano, Secretário de Estado de 1990 a 2006, durante a última década do século XX. Na sua homilia, recordou a longa carreira do Cardeal Sodano, que incluiu “71 anos de sacerdócio e 60 anos de serviço à Santa Sé”. Ordenado em 1950, dedicou-se primeiro ao ensino da teologia dogmática na sua diocese de origem piemontesa de Asti, depois tornou-se capelão estudantil antes de entrar para o serviço diplomático da Santa Sé em 1961.

As suas primeiras missões foram na América Latina: Equador e depois Uruguai e Chile. “Foi uma experiência interessante mas também um desafio para ele, porque foram os anos do Concílio Vaticano II e o primeiro período pós-Concílio”, explicou o Cardeal Re, referindo-se, sem o dizer explicitamente, às profundas divisões entre o clero católico daquele continente naqueles anos conturbados. Alguns sacerdotes e religiosos próximos da teologia da libertação estavam empenhados na luta armada, enquanto outros consideravam as ditaduras militares como um mal menor para contrariar o risco de expansão do comunismo.

Entre 1968 e 1977, confrontou-se com esta ideologia: o Arcebispo Sodano voltou ao Vaticano e acompanhou a Ostpolitik da Santa Sé, sob a liderança do Arcebispo Casaroli, no âmbito do Conselho para os Assuntos Públicos da Igreja, que era o equivalente a um ministério dos negócios estrangeiros. Numa Europa “então dividida em dois blocos”, recordou o Cardeal Re, o Arcebispo Sodano visitou a Roménia, a Hungria e a Alemanha Oriental. Em 1977, Paulo VI nomeou-o Núncio Apostólico no Chile, onde tinha trabalhado uma década antes. “O país não era desconhecido para ele, mas a situação que encontrou era diferente daquela que conhecia quando era secretário da Nunciatura Apostólica, porque era um período “quente” devido ao conflito entre o Chile e a Argentina sobre o território do Canal Beagle”, recordou o Cardeal Re.

“Uma das suas primeiras tarefas foi colaborar na iniciativa de mediação que o Papa João Paulo II tinha confiado ao Cardeal Antonio Samoré, com quem o Arcebispo Sodano colaborou com grande empenho”, sublinhou o Decano do Colégio Cardinalício, elogiando o sucesso desta mediação, que tornou possível evitar uma guerra entre dois países católicos. “Esses anos foram sido difíceis para o Chile, especialmente por causa da ditadura do General Pinochet”, disse ele. A menção a este contexto político difícil, pouco habitual numa homilia, pode ser vista como uma resposta às muitas vozes críticas que têm censurado o Cardeal Sodano pela sua proximidade com o ditador chileno.

O principal colaborador de João Paulo II na virada do século

Em relação ao trabalho do Cardeal Sodano como Secretário para as Relações com os Estados desde 1988 e depois como Secretário de Estado desde 1990 sob João Paulo II e Bento XVI, o Cardeal Re recordou o atormentado contexto geopolítico desse período do virar do século. “Durante os quase 16 anos em que foi o primeiro colaborador do Papa, trabalhou pela paz com competência e dedicação”, insistiu o Cardeal Re. Recordou “a complexidade das situações geopolíticas: basta pensar no fim da Guerra Fria, no conflito no Golfo Pérsico, na guerra no Iraque, nos conflitos nos Balcãs, no trágico 11 de Setembro de 2001 em Nova Iorque e no subsequente desenvolvimento do terrorismo no mundo”, recordou ele.

Elogiou “o elevado sentido de dever do Cardeal Sodano, os seus dons intelectuais e sinceros, a sua sensibilidade aos objetivos pastorais da ação da Igreja no mundo, a sua sabedoria na avaliação de acontecimentos e situações, e a sua disponibilidade para ajudar, procurando soluções adequadas em cada caso”. O Cardeal Re recordou também que o Cardeal Sodano tinha desempenhado o “papel de reitor do Colégio Cardinalício até ao final de 2019, quando, com força decrescente, desistiu desta função, dedicando-se cada vez mais à oração”.

A renúncia do Cardeal Sodano, embora ainda não fosse um cidadão idoso, foi atribuída mais à investigação da sua responsabilidade por acobertamento de abusos sexuais no Chile do que à sua saúde. O seu papel na proteção do fundador dos Legionários de Cristo, Marcial Maciel, e do antigo Arcebispo de Washington, o ex-Cardeal Theodore McCarrick, também manchou consideravelmente a imagem do Cardeal Sodano. Não foi feita qualquer referência a estes casos durante a cerimónia.

O Papa Francisco, numa cadeira de rodas, pronunciou a fórmula final de absolvição em latim, sem mais palavras. Ao contrário de outras cerimónias fúnebres, tais como para o Cardeal Tauran em Julho de 2018, os serviços de comunicação da Santa Sé não transmitiram a missa. Esta escolha parece estar ligada a um desejo de discrição ligado às controvérsias em torno deste antigo “Primeiro-Ministro” de dois papas, que tinha permanecido uma pedra angular da instituição pontifícia e que tinha mantido uma forte influência até aos primeiros anos do pontificado do Papa Francisco.


Edifício de Londres: Enrico Crasso é interrogado

Por Isabella de Carvalho e Camille Dalmas – A 18ª audiência no julgamento do edifício de Londres, realizada na segunda-feira, 30 de Maio, no Vaticano, foi a primeira vez que o banqueiro romano Enrico Crasso, um dos dez acusados, foi ouvido. Durante quase sete horas, o acusado reclamou a sua inocência e explicou o seu papel como conselheiro e investidor à Secretaria de Estado. Em sete pontos, I.MEDIA analisa as principais notícias deste dia no tribunal da cidade do Vaticano.

Quem é Enrico Crasso?

Enrico Crasso é um banqueiro romano a quem a Secretaria de Estado confiou várias missões de investimento e consultoria durante 26 anos. Num memorando apresentado durante a audiência, explica que foi apresentado ao antecessor do monsenhor Alberto Perlasca como chefe das finanças da administração central da Santa Sé, o Arcebispo Gianfranco Piovano (em funções até 2009), pelo chefe do gabinete romano do banco americano Merill Lynch. Na altura, trabalhava como diretor de uma empresa de consultoria, PrimeConsult, uma estrutura de propriedade da empresa Fiat e do banco Monte dei Paschi di Siena, na qual a Secretaria de Estado tinha investido um pouco mais de 150.000 euros. Em 2000, Enrico Crasso juntou-se ao Credit Suisse, um banco suíço no qual a Secretaria de Estado investiu quase 40 milhões de euros entre 2000 e 2012.

Em Junho de 2014, deixou o Credit Suisse e fundou a Sogenel Capital Holding SA, uma empresa de investimento e consultoria com sede em Lugano, Suíça, através da qual continua a trabalhar para a Santa Sé. Em Julho de 2016, a sua empresa foi vendida à AZ Swiss, e ele tornou-se co-director do seu departamento patrimonial, continuando a gerir o património confiado pelo Vaticano. Durante a audiência, declarou que em todas as missões operacionais que realizou para a Secretaria de Estado na sua carreira, “nunca houve um retorno negativo”. Durante todos estes anos, Enrico Crasso explicou que também trabalhou regularmente como consultor financeiro para a Santa Sé. Durante o seu interrogatório, contudo, insistiu que nunca tinha recebido um mandato formal como consultor da Secretaria de Estado.

De que é ele acusado?

O empresário é agora acusado de desvio de fundos, corrupção, extorsão, lavagem de dinheiro, fraude, abuso de poder e falsificação de registos públicos e privados. É acusado de ter recebido dinheiro em várias operações e de ter recebido comissões secretas de Raffaele Mincione, acusações que ele nega completamente. “Nunca tive instruções para retirar um centavo das contas da Secretaria de Estado”, declarou ele durante o interrogatório, insistindo que só tinha o poder de um gestor financeiro.

Curiosamente, a sua defesa assenta em particular numa carta do Cardeal Pietro Parolin, Secretário de Estado da Santa Sé, em que o “braço direito” do Papa Francisco afirma que os bens do Vaticano geridos pelo Credit Suisse poderiam ser investidos sem o cumprimento das normas e regulamentos da Santa Sé.

A sua relação com Raffaele Mincione

Numa reunião em que participaram o Arcebispo Angelo Becciu, monsenhor Alberto Perlasca, chefe do Gabinete Administrativo, e o Oficial Fabrizio Tirabassi, foi pedido a Enrico Crasso que encontrasse uma pessoa capaz de avaliar um projeto de investimento na Falcon Oil, uma empresa petrolífera dirigida pelo empresário angolano Antonio Mosquito. Foi no contexto deste contrato, explicou, que apresentou o banqueiro Raffaele Mincione à Secretaria de Estado em 2012, a pedido do Gabinete Administrativo da Secretaria de Estado.

Especificamente, ele diz que “orgulhosamente” levou a carta da Santa Sé aos seus superiores no Credit Suisse confiando-lhe o mandato – para um investimento de 200 milhões de euros. Os seus chefes dirigiram-no ao escritório da empresa em Londres, onde foi apresentado a Raffaele Mincione como um perito financeiro.

Enrico Crasso explica que considerou que Raffaele Mincione e a sua equipa pareciam competentes, e que o seu papel se limitava então a avaliar as garantias fornecidas pela empresa angolana. Sobre este ponto, ele afirma ter aconselhado a Santa Sé a não aceitar a oferta – uma versão que corrobora a do Cardeal Becciu. Durante este período, Raffaele Mincione criou o fundo Athena, com sede em Luxemburgo, para preparar o eventual investimento, que foi equiparado pela Santa Sé ao montante de 200 milhões de euros, uma estrutura que mais tarde serviria de base para o investimento londrino na 60 Sloane Avenue após o abandono do projeto angolano em 2014. O banqueiro romano afirma estar totalmente “não relacionado” a esta operação financeira.

Os avisos de Enrico Crasso

Em sua defesa, Enrico Crasso afirma ter estado envolvido no caso apenas entre 2015 e 2016 quando a Secretaria de Estado lhe pediu que realizasse uma espécie de auditoria do fundo Athena, administrado por Raffaele Mincione. Citando as trocas de correio eletrônico, diz ter questionado claramente os investimentos feitos pelo financista italo-britânico “em instrumentos sem fundamento e de viabilidade duvidosa”. O romano explicou que tinha pedido esclarecimentos a Raffaele Mincione, sem resultado. Pelo contrário, Enrico Crasso menciona que o financista italo-britânico “implicitamente” pediu a monsenhor Perlasca e Fabrizio Tirabassi que o retirassem do caso.

Em 2016, a Santa Sé teria pedido conselhos a Enrico Crasso sobre um investimento de uma agência do fundo Athena, WRM CapInvest Ltd, em ações do Banco Popular de Milão. Enrico Crasso declarou que tinha manifestado “em várias ocasiões as suas fortes dúvidas sobre este investimento”. Em Novembro do mesmo ano, a Santa Sé confiou a Enrico Crasso a tarefa de fazer os bancos (BSI e Crédit Suisse) bloquearem uma operação lançada por Raffaele Mincione para pedir aos grupos Crédit Suisse e Clearstream a conversão dos ativos do Athena de dólares para euros. Enrico Crasso afirma ter impedido a redenominação.

O “grave erro” da viagem a Londres

Enrico Crasso diz que “entrou no negócio de Londres por acidente”, uma vez que não tinha competência “para dizer se o investimento em Londres era ou não um investimento de risco”. “Ir para Londres foi o maior erro da minha vida. Eu deveria ter ficado de fora”, exclamou, referindo-se aos três dias que passou na capital britânica de 20 a 23 de Novembro de 2018 com Fabrizio Tirabassi para assinar os acordos para passar o controle do edifício londrino de Raffaele Mincione para a Secretaria de Estado. No final desta viagem, o controle da propriedade foi finalmente confiado ao corretor Gianluigi Torzi, em condições muito desfavoráveis para a Santa Sé. De acordo com o Promotor de Justiça, estas condições permitiram-lhe extorquir 15 milhões do Vaticano.

Enrico Crasso afirma que não teve qualquer contato com Gianluigi Torzi antes desta reunião, mas também que não tinha competência jurídica para identificar irregularidades no acordo muito desfavorável assinado pela Santa Sé. A sua missão, afirma, limitava-se a gerir um fundo que administra as rendas dos inquilinos do edifício de Londres, e não o controle do edifício em si.

O Fundo Centurion

Durante o seu interrogatório, o Promotor de Justiça e advogados de defesa também perguntaram sobre o Centurion, um fundo de investimento maltês que Enrico Crasso possuía e que geria outros ativos da Secretaria de Estado. O Promotor de Justiça salientou que o Bispo Edgar Peña Parra lhe tinha pedido para cessar todos os investimentos a 11 de Novembro de 2019, mas que o banqueiro tinha continuado depois disso.

Em particular, foi mencionada a aquisição de um edifício na Via Gregorio VII, a um passo do Vaticano, por um valor de mais de um milhão de euros. Crasso explicou que o investimento tinha sido decidido antes do envio da carta de Peña Parra, mas também declarou que não precisava da autorização da Secretaria de Estado para fazer investimentos com este fundo, uma vez que a Santa Sé era apenas um subscritor.

Próximas audiências

A audiência seguinte realizou-se na terça-feira, com a continuação do interrogatório de Fabrizio Tirabassi. A audiência de quarta-feira 1 de Junho foi cancelada devido à incapacidade de Nicola Squillace de comparecer no tribunal, explicou o juiz Giuseppe Pignatone.

As próximas audiências terão lugar a 6 e 7 de Junho, quando Raffaele Mincione será ouvido pela primeira vez. Depois, a 22 de Junho, o interrogatório de Enrico Crasso será retomado.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CorrupçãoDireto do VaticanoVaticanoViagem
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia