Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 28 Janeiro |
Beato Bartolomeu Aiutamicristo
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Elizabeth II, uma verdadeira soberana cristã

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Elisabeth II

Lindsey Parnaby / AFP

La reine Elizabeth II après avoir assisté à un service religieux à l'église St Mary the Virgin à Hillington, Norfolk, le 19 janvier 2020.

Marzena Devoud - publicado em 02/06/22

Muitos artigos foram publicados sobre a sua longevidade, o seu caráter, os seus problemas, as suas alegrias... Poucos artigos sublinham que a Rainha é uma verdadeira soberana cristã

Para os súditos de Elizabeth II, a mensagem de Natal da Rainha tem sido um acontecimento particularmente solene desde o início do seu reinado em 1952. Tal como os católicos que seguem a bênção urbi et orbi do Papa, milhões de britânicos nunca perdem este momento na televisão para ouvir com emoção a sua Rainha e chefe da Igreja de Inglaterra. Primeiro transmitida na rádio, depois transmitida pela televisão em 1957, é a única cerimónia em que ela se dirige à nação sem consultar o governo. As únicas pessoas que sempre passaram os olhos no texto que a Rainha estava a preparar eram o seu Secretário Privado, o conselheiro teológico nomeado pela Família Real e, claro, o seu marido, o Príncipe Philip, que morreu a 9 de Abril de 2021. Por que a exceção? Provavelmente porque as suas reflexões sobre a importância da fé cristã na sua vida têm uma dimensão pessoal óbvia.

Com a sua ascensão ao trono, a Rainha tornou-se também a governadora suprema da Igreja da Inglaterra. Como todos os monarcas britânicos, Elizabeth II foi coroada e consagrada pelo Arcebispo de Cantuária numa cerimónia que tem a sua origem na coroação dos reis da França. Como tal, ela é “Rainha pela graça de Deus, defensora da fé” (Dei Gratia Regina Fidei Defensor). Muitas celebrações religiosas moldam a sua vida pública como “Governadora Suprema da Igreja da Inglaterra”. Mas é a mensagem anual de Natal que revela claramente a sua relação com Deus e a sua fé pessoal. Esta ligação era visível mesmo antes de ela ser coroada.

Este foi o pedido de oração feito pela Rainha na sua primeira mensagem de Natal em 1952, seis meses antes da sua coroação a 2 de Junho de 1953, na Abadia de Westminster, Londres.

Coronation of Elizabeth II

Fé, a âncora da sua vida

Os seus discursos de Natal revelam ano após ano uma certa evolução na forma como evoca a sua fé pessoal e valores cristãos tais como o perdão, a reconciliação, o amor ou o sentido do serviço. Foi durante os últimos 22 anos do seu reinado que as suas mensagens assumiram um tom diferente, quase íntimo. A Rainha gosta de falar da sua fé como “a âncora da sua vida”. De fato, desde 2000, Elizabeth II decidiu dedicar a sua mensagem de Natal à vida e ao ensinamento de Cristo. Aquele que lhe proporciona o enquadramento para “conduzir a própria vida”.

Para muitos de nós, as nossas crenças são de importância fundamental. Para mim, os ensinamentos de Cristo e a minha responsabilidade pessoal perante Deus são o quadro dentro do qual tento viver a minha vida. Como muitos de vós, tenho-me confortado muito em tempos difíceis com as palavras e o exemplo de Cristo.

O seu discurso abertamente cristão assumiu um tom ainda mais pessoal em 2014:

Para mim, a vida de Jesus Cristo, o Príncipe da Paz, cujo nascimento celebramos hoje, é uma inspiração e uma âncora na minha vida. Um modelo de reconciliação e perdão, ele estendeu a mão com amor, aceitação e cura. O exemplo de Cristo ensinou-me a procurar respeitar e valorizar todas as pessoas, independentemente da sua fé ou falta de fé.

Dois anos mais tarde, a Rainha explica sob a forma de testemunho como encontra em Cristo “a luz que guia a sua vida”:

Bilhões de pessoas hoje seguem os ensinamentos de Cristo e encontram nele a luz que guia as suas vidas. Sou uma delas porque o exemplo de Cristo me ajuda a ver o valor de fazer pequenas coisas com grande amor, não importa quem as faz e não importa quais são as suas próprias crenças.

Finalmente, em 2020, na véspera de Natal, do Castelo de Windsor, onde ela e o Príncipe Philip ficaram isolados devido à pandemia de Covid-19, ela assegurou as suas orações depois de evocar a parábola do Bom Samaritano:

Claro que, para muitos, esta época do ano será tingida de tristeza: alguns choram a perda de entes queridos; e outros amigos e familiares estão longe por segurança, quando tudo o que realmente desejariam para o Natal é um simples abraço ou aperto de mão. Se estás entre eles, não estás só, e deixa-me assegurar-te os meus pensamentos e orações.

O credo pessoal

De acordo com alguns observadores reais, foi claramente no 2000º aniversário do nascimento de Cristo que a Rainha decidiu falar mais abertamente sobre a sua fé. Outros veem-no como a mão de George Carey, então Arcebispo de Cantuária. Para Ian Bradley, Professor de História na Universidade de St Andrews e autor de God Save the Queen – The Spiritual Heart of the Monarchy, é mais a influência direta do Príncipe Philip: “Depois do seu relato muito pessoal em 2000, a Rainha foi encorajada a continuar a falar sobre a sua fé. Foi-me dito que ela recebeu 25 vezes mais cartas do que o habitual em resposta a essa mensagem de Natal e que teve um enorme apoio do Duque de Edimburgo para continuar a falar ao povo britânico sobre o seu credo pessoal”, explicou Ian Bradley numa entrevista ao The Guardian.

O que é impressionante é o detalhe que muda: na sua primeira mensagem Elizabeth II pediu para rezarem por ela. Na mensagem que ela proferiu na véspera do seu jubileu de platina, assegurou aos seus súditos as suas orações. Um sinal de que a sabedoria, o sentido de serviço e a busca de Deus de Elizabeth II têm continuado a crescer e a agregar, tornando-a uma das soberanas mais radiantes e amadas, muito além do Reino Unido.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Elizabeth IIIdososPolíticaSaúdeVida Cristã
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia