Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 09 Dezembro |
São Cipriano de Genouillac
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Entrevista com novo embaixador na Santa Sé

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis during the Regina Coeli praye

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 06/06/22

Boletim Direto do Vaticano, 6 de junho de 2022

  • Novo embaixador discute com o Papa Francisco “as semelhanças entre a França e a Santa Sé” [ENTREVISTA]
  • O Papa Francisco homenageia dois novos beatos libaneses
  • Homilia do Papa Francisco na Missa de Pentecostes

Novo embaixador discute com o Papa Francisco “as semelhanças entre a França e a Santa Sé” [ENTREVISTA]

Por Cyprien Viet – O novo embaixador da França na Santa Sé apresentou as suas credenciais ao Papa Francisco no dia 4 de Junho. Florence Mangin chegou a Roma no mês passado e concedeu a I.MEDIA a sua primeira entrevista como representante da França junto do Vaticano. Ela fala desta audiência privada com o Papa Francisco, um privilégio protocolar para os embaixadores residentes, que são tradicionalmente recebidos pelo pontífice no início e no fim da sua missão. A promoção das mulheres e a defesa do mundo francófono estarão entre as suas prioridades.

Quais foram os tópicos discutidos durante o seu intercâmbio com o Papa Francisco?

Foi uma conversa muito agradável, muito simples, uma conversa de um para um com duração de cerca de vinte minutos. Falamos sobre a qualidade da relação com a França. Ele tem uma visão positiva das nossas autoridades, da política francesa para encontrar uma solução para os conflitos, para a ajuda ao desenvolvimento, para a transição climática: há muitos pontos em comum entre a França e a Santa Sé, e nós discutimo-los.

A sua carreira pessoal como diplomata, especialmente como embaixador francês em Portugal, deu-lhe a oportunidade de trabalhar com a Igreja Católica e a Santa Sé?

Como embaixador em Lisboa, tive a oportunidade de contribuir para a preparação da Jornada Mundial da Juventude, que terá lugar em 2023 e que será um momento muito importante para Portugal e também para o Vaticano, uma vez que será o primeiro na Europa desde Cracóvia em 2016, e a pandemia tinha adiado esta grande reunião. Recebi duas vezes uma delegação da Conferência Episcopal Francesa para começar a preparar este importante evento. Espera-se um grande número de jovens do nosso país e este será um momento verdadeiramente significativo.

Como é que o Vaticano é atualmente visto pela diplomacia francesa?

Penso que nós em França estamos atentos às iniciativas do Santo Padre, às suas palavras e decisões. Em muitos assuntos como as alterações climáticas e a fraternidade, temos pontos em comum. Também acompanhamos com interesse as suas posições sobre a Ucrânia, que evoluíram ao longo do tempo. Tal como a Santa Sé segue com atenção o que é feito em França, nós fazemos o mesmo em relação à Santa Sé.

Dentro de um mês, o Papa visitará a República Democrática do Congo, um país francófono muito grande. Esta viagem está a ser seguida com particular atenção pela diplomacia francesa?

Não tive a oportunidade de falar diretamente com ele sobre as suas próximas viagens, mas estão a ser acompanhadas de perto em França, como noutros países. O faco de ele ir tanto para a República Democrática do Congo como para o Sudão do Sul será observado com interesse, especialmente porque a África é uma prioridade para nós e para a Santa Sé. É um ponto de proximidade e convergência. A Santa Sé está muito atenta a tudo o que fazemos em termos de segurança, educação e saúde também, com a partilha da vacina.

Quais serão as suas prioridades nos seus anos de serviço como embaixador francês?

Darei seguimento a Elisabeth Beton-Delègue sobre o tema da promoção das mulheres, porque se trata de uma questão que interessa à Santa Sé e ao próprio Papa. Preocupa-o que as mulheres devem estar em posições de liderança e responsabilidade. Penso que somos mais inteligentes e mais eficazes quando trabalhamos junto.! Vi isto em Lisboa e também em Paris, como funcionário superior responsável pela igualdade no Ministério dos Negócios Estrangeiros. Quero, portanto, continuar o trabalho realizado pela embaixadora anterior, particularmente através do conhecimento das congregações de mulheres. É uma forma muito boa de aprender muito, de obter perspectivas diferentes. Trabalharei também noutras grandes questões comuns à França e à Santa Sé, envolvendo diplomacia, questões sociais e desenvolvimento humano. O assunto é amplo e importante.

Há já alguns anos que notamos um certo declínio da língua francesa no Vaticano. A defesa da língua francesa será também um eixo central no seu serviço, possivelmente em conjunto com os embaixadores de outros países francófonos?

É de fato um assunto essencial, e infelizmente não específico da Santa Sé. É um problema que encontramos em outros países europeus, como notei em Portugal. Devemos tomar nota deste declínio sem sermos ingénuos, mas ele merece realmente ser enfrentado, certamente com os outros embaixadores francófonos. A nível cultural, temos atividades que gostaria de desenvolver com as outras embaixadas por ocasião do mês da Francofonia, que tem lugar na Primavera. E no debate de ideias, é também muito importante mobilizarmo-nos com outros países francófonos, nomeadamente com bolsas de estudo para jovens em formação em universidades pontifícias, em teologia ou noutros campos. Temos meios relativamente limitados, mas quero investir neste assunto, porque existem valores ligados ao mundo francófono. Não é apenas uma língua, mas todo um estado de espírito, e vale realmente a pena fazer algo a esse respeito.


O Papa Francisco homenageia dois novos beatos libaneses

Por Cyprien Viet – “Ontem, em Beirute, dois Frades Menores Capuchinhos, Leonard Melki e Thomas Saleh, sacerdotes e mártires, mortos em ódio à fé na Turquia em 1915 e 1917, respectivamente, foram beatificados”, recordou o Papa Francisco após a oração Regina Caeli no domingo, a partir da janela do Palácio Apostólico.

“Estes dois missionários libaneses, num contexto hostil, deram provas da sua confiança inabalável em Deus e da sua abnegação para com o seu próximo”, explicou o pontífice, sublinhando que estes jovens religiosos “ainda não tinham 35 anos de idade”. “Que o seu exemplo fortaleça o nosso testemunho cristão”, disse ele enquanto os fiéis reunidos na Praça de São Pedro aplaudiam os novos beatos.

A Missa de beatificação, realizada no Convento da Cruz em Ja El Dib, um subúrbio de Beirute, foi presidida pelo Cardeal Marcello Semeraro, Prefeito do Dicastério para as Causas dos Santos. Na sua homilia, transmitida pelo Vatican News, recordou que o seu martírio “estava interligado com os trágicos acontecimentos da perseguição contra todo o povo arménio e a fé cristã”, no contexto do colapso do Império Otomano.

Em Dezembro de 1914, enquanto os outros religiosos da comunidade procuravam refúgio em lugares mais seguros, o Beato Leonard Melki escolheu permanecer no convento de Mardine para continuar a cuidar de um confrade idoso. “A 5 de Junho de 1915, foi preso e torturado, antes de ser morto, juntamente com outros companheiros, com pedras e depois punhais”, relatou o Cardeal Semeraro.

O Beato Thomas Saleh foi recebido em Dezembro de 1914 com outros confrades no convento de Orfa. Preso com eles, foi encarcerado em várias masmorras e submetido a várias marchas da morte e torturas terríveis destinadas a fazê-lo apostatar. “Apesar disto, a memória da sua serenidade e força continua viva na Igreja libanesa”, disse o cardeal.

“Precisamos de testemunhas, mártires, que se deram totalmente”, explicou o cardeal italiano, num país particularmente afetado por tragédias na sua história recente, e que espera receber em breve uma visita papal.

A viagem do Papa ao Líbano prevista para o fim de semana de 11 e 12 de Junho de 2022, anunciada prematuramente pelas autoridades locais, foi cancelada devido ao estado de saúde do pontífice mas também, segundo muitos observadores locais, devido a uma situação política ainda instável e devido ao risco de a visita ser utilizada pelos dirigentes do país. A possibilidade de uma viagem no Outono está ainda a ser considerada.


Homilia do Papa Francisco na Missa de Pentecostes

Por Cyprian Viet – “Deus não quer fazer-nos enciclopédias ou estudiosos” mas sim fazer-nos ver tudo “de uma maneira nova, segundo os olhos de Jesus”, explicou o Papa Francisco na Missa de Pentecostes celebrada no domingo na Basílica de São Pedro. Mais uma vez, o Bispo de Roma delegou a presidência da Missa ao Cardeal Giovanni Battista Re, Decano do Colégio Sagrado, mas ele fez a homilia sentado na sua cadeira de rodas, que é conduzida a uma pequena plataforma em frente ao altar.

“Estamos habituados a pensar que o amor deriva essencialmente da nossa observância, da nossa competência e da nossa religiosidade”, reconheceu o Papa. Mas ele convidou-nos a alimentar acima de tudo a “memória espiritual” da presença de Deus “no perdão dos pecados, quando estivermos cheios da sua paz, da sua liberdade, do seu consolo”.

Disse ainda o Papa:

“O Espírito quer-nos juntos; funda-nos como Igreja e hoje – terceiro e último aspeto – ensina à Igreja o modo como caminhar. Os discípulos estavam fechados no Cenáculo; então o Espírito desce e fá-los sair. Sem o Espírito, estavam uns no meio dos outros; com o Espírito, abrem-se a todos. Em cada época, o Espírito transtorna os nossos esquemas e abre-nos à sua novidade. Temos sempre a novidade de Deus, que é a novidade do Espírito Santo; Ele sempre ensina à Igreja a necessidade vital de sair, a necessidade fisiológica de anunciar, de não ficar fechada em si mesma. Ensina a não ser um rebanho que reforça o recinto, mas uma pastagem aberta, para que todos possam alimentar-se da beleza de Deus; ensina a ser uma casa acolhedora, sem divisórias. O espírito mundano, pelo contrário, faz pressão para que nos concentremos apenas sobre os nossos problemas, sobre os nossos interesses, na necessidade de aparecermos relevantes, na defesa a todo o custo das nossas identificações nacionais e de grupo. O Espírito Santo, não! Convida a esquecer-se de si mesmo, a abrir-se a todos. E assim rejuvenesce a Igreja. Atenção! É Ele que a rejuvenesce, não nós. Nós procuramos apenas maquilhá-la um pouco: mas isto não resulta. É Ele que a rejuvenesce. Porque a Igreja não se programa, e os projetos de modernização não bastam. Temos o Espírito que nos liberta da obsessão das urgências e convida-nos a percorrer caminhos antigos e sempre novos, ou seja, os caminhos do testemunho, os caminhos da pobreza, os caminhos da missão, para libertar-nos de nós mesmos e enviar-nos ao mundo.”

“Mas no fim – curioso! – o Espírito Santo é o autor da divisão, até da confusão, duma certa desordem. Pensemos na manhã de Pentecostes: Ele é o autor que cria divisão de línguas, de atitudes… aquilo era uma confusão! Mas, ao mesmo tempo, é o autor da harmonia. Divide com a variedade dos carismas, mas uma divisão fictícia, porque a verdadeira divisão acaba inserida na harmonia. Faz a divisão com os carismas e faz a harmonia com toda esta divisão, e esta é a riqueza da Igreja.”

“Irmãos e irmãs, vamos à escola do Espírito Santo, para que nos ensine tudo. Invoquemo-Lo todos os dias, para que nos lembre de começar sempre do olhar de Deus pousado sobre nós, mover-nos nas nossas escolhas escutando a sua voz, caminhar juntos, como Igreja, dóceis a Ele e abertos ao mundo. Assim seja!”

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoPapa FranciscoSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia