Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 15 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Cardeal expressa aborrecimento com inércia da Cúria

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
EN_01526363_0487.jpg

ARIS MESSINIS/AFP/East News

I. Media - publicado em 07/06/22

Boletim Direto do Vaticano, 7 de junho de 2022
  • Cardeal Maradiaga aborrecido com inércia da Cúria
  • Papa Francisco expressa pesar após ataque a igreja na Nigéria
  • “Não levem a humanidade à ruína”, o Papa implora aos atores da guerra na Ucrânia

Cardeal Maradiaga aborrecido com inércia da Cúria

Por Cyprien Viet – “Há uma greve latente na Cúria, face à reforma trazida pela Constituição Apostólica Praedicate Evangelium”, disse o cardeal Oscar Rodriguez Maradiaga, coordenador do Conselho de Cardeais, durante um encontro online organizado pelo website de língua espanhola Religión Digital, cujo relatório foi publicado a 3 de Junho. Contrariamente às expectativas, ainda não foram publicadas nomeações desde a entrada em vigor da nova organização da Cúria Romana a 5 de Junho, dia de Pentecostes.

A “remodelação governamental” esperada a 6 de Junho não teve lugar, uma vez que não apareceu no boletim diário do Gabinete de Imprensa da Santa Sé nenhuma nomeação curial. No mesmo dia, o encontro do Papa Francisco com os chefes do novo “Dicastério” para o Culto Divino, incluindo o futuro cardeal Arthur Roche, sugere no entanto que os executivos deste dicastério se beneficiaram de uma renovação tácita. Este será provavelmente também o caso noutras instituições como o Dicastério para o Clero, cujo prefeito, o arcebispo Lazzaro You, será também criado um cardeal no final do Verão.

A situação é mais confusa para instituições que supostamente já não existem na sua forma anterior, tais como o Pontifício Conselho para a Cultura, chefiado pelo Cardeal Ravasi, ou a Congregação para a Evangelização dos Povos, chefiada pelo Cardeal Tagle, que deverá ser integrada no novo grande Dicastério para a Evangelização, pessoalmente chefiado pelo Papa. Os anúncios esperados nos próximos dias serão, portanto, cuidadosamente examinados.

O atraso no anúncio das nomeações e a confusão em torno da publicação de uma versão ainda provisória da Constituição Apostólica a 19 de Março mostram que ainda existem bloqueios. O cardeal Maradiaga, coordenador do Conselho de Cardeais, não escondeu a sua impaciência durante a sua intervenção organizada por Religión Digital.

“O texto já lá está, mas a tradução oficial ainda não foi publicada, o que é preocupante”, disse o cardeal hondurenho, denunciando uma ‘greve’ implicitamente conduzida por membros da Cúria que se opõem à reforma, os quais, embora evitando a oposição frontal, “estão a ir devagar”.

Mudanças a vir no pessoal da Cúria

“Com as mesmas pessoas, a Constituição não pode ser posta em prática”, disse o cardeal Maradiaga, sugerindo que haverá uma grande rotatividade na Cúria nas próximas semanas.

Reconheceu que a concretização da Constituição será mais difícil do que a sua mera entrada em vigor, porque exige “um novo espírito que necessita de uma conversão pastoral e sinodal e que também permeia a Cúria diocesana”. É por isso que o Papa convocou todos os cardeais em agosto”, disse o coordenador do Conselho de Cardeais.

“Devemos afastar-nos do clericalismo e avançar para uma Igreja de irmãos”, insistiu o cardeal Maradiaga, sublinhando contudo alguns progressos concretos já assinalados, tais como o aumento de 17% no número de mulheres empregadas no Vaticano desde o início do pontificado.

O cardeal Maradiaga recordou que na sequência das reuniões preparatórias para o conclave e da eleição do Papa Francisco em 2013, o pontífice tinha-lhe dado o mandato de “abrir a caixa de Pandora” e assim pôr em marcha uma profunda reforma da Cúria. Alguns aspectos da reforma fizeram bons progressos, nomeadamente na harmonização das normas económicas e financeiras da Santa Sé com o direito internacional. Mas a mudança de mentalidades ainda vai levar tempo, reconheceu ele.

Neste encontro online, a teóloga colombiana Consuelo Vélez levantou outro ponto, raramente discutido: a proteção de certos empregos pelas leis italianas, o que constitui “um problema adicional dado o número de pessoas empregadas em certos dicastérios”.


Papa Francisco expressa pesar após ataque a igreja na Nigéria

Por Cyprien Viet – O Papa Francisco “reza pelas vítimas” do ataque de 5 de Junho a uma igreja no Estado de Ondo, Nigéria, durante a celebração de Pentecostes, de acordo com uma declaração emitida pelo gabinete de imprensa da Santa Sé. O massacre ocorreu numa região do sudoeste da Nigéria que é normalmente livre de violência.

A declaração menciona “a morte de dezenas de fiéis, incluindo muitas crianças”. “O Papa Francisco reza pelas vítimas e pelo país, dolorosamente afetado num momento de celebração, e confia-as ao Senhor, para que possa enviar o seu Espírito para as consolar”, disse o Papa.

Homens fortemente armados com explosivos e armas de fogo atacaram uma igreja católica no Estado de Ondo, sudoeste da Nigéria, de acordo com o governo e a polícia.

O ataque ocorreu durante a missa matinal na Igreja Católica de São Francisco na cidade nigeriana de Owo, no sudoeste do país, que é normalmente poupada pelos jihadistas e bandos criminosos ativos noutras partes do país, informou a AFP. O ataque não foi reivindicado e o número de mortos ainda não é conhecido, mas as vítimas são numerosas.

O Presidente Muhammadu Buhari condenou o “hediondo assassinato de adoradores”. O governador do Estado de Ondo, Oluwarotimi Akeredolu, na sua declaração, apelou às forças de segurança para que localizassem os criminosos após o “desprezível e satânico ataque”.

A Nigéria é um país atormentado pela insegurança em várias frentes. Há 12 anos que uma insurreição jihadista se estende no nordeste, bandos de saqueadores e raptores aterrorizam as regiões noroeste e central, enquanto que o sudeste é o cenário de movimentos separatistas.


“Não levem a humanidade à ruína”, o Papa implora aos atores da guerra na Ucrânia

Por Cyprien Viet – A guerra é a “negação do sonho de Deus”, o Papa Francisco entristeceu-se durante a sua meditação Regina Caeli a 5 de Junho. Enquanto a descida do Espírito Santo comemorada neste dia de Pentecostes viu “povos que falam línguas diferentes encontrarem-se e compreenderem-se mutuamente”, o “pesadelo da guerra” está a quebrar este impulso de comunhão entre Deus e a humanidade.

“Cem dias após o início da agressão armada contra a Ucrânia”, o Papa, que não mencionou explicitamente a Rússia, fez esta amarga observação: “os povos estão a lutar uns contra os outros, os povos estão a matar-se uns aos outros, as pessoas estão a ser expulsas das suas casas em vez de se unirem”.

“Enquanto a fúria da destruição e da morte propaga-se e os conflitos reacendem, alimentando uma escalada que é cada vez mais perigosa para todos”, o Papa dirigiu-se aos “líderes das nações”, apelando a “verdadeiras negociações para um cessar-fogo e uma solução duradoura”.

Foram estabelecidos contatos entre representantes russos e ucranianos nas primeiras semanas da ofensiva, mas nenhum compromisso parece estar a emergir.

O Papa apelou a “ouvir o grito desesperado da população sofredora”, o respeito pela vida humana e “o fim da horrível destruição de cidades e vilas no leste da Ucrânia”. A intensificação dos combates no Donbass suscitou receios de novos abusos nas localidades ocupadas pelo exército russo, que ocupa agora 20% do território ucraniano.

“Continuemos a rezar e a lutar pela paz, sem nos cansarmos”, exortou o Papa Francisco, que na véspera tinha dito a uma criança ucraniana que procurava “o momento certo” para ir a Kiev, e que iria receber uma delegação do governo ucraniano na próxima semana.

O Papa expressou também a sua proximidade a “todas as categorias de trabalhadores seriamente penalizados pelas consequências do conflito na Ucrânia”, em particular “os pescadores que, devido ao aumento do custo do combustível, correm o risco de ter de interromper a sua atividade”.

Satisfação com as tréguas no Iémen

Numa nota mais positiva, o Papa Francisco expressou também a sua satisfação com a prorrogação da trégua no Iémen por mais dois meses. “Espero que este sinal de esperança possa ser mais um passo para o fim deste conflito sangrento, que gerou uma das piores crises humanitárias do nosso tempo”, disse o pontífice. Ele manifestou a sua compaixão especialmente pelas crianças do Iémen, vítimas da fome e da falta de serviços de educação.

A guerra no Iémen, que é um dos teatros da guerra travada pelo Irã e a Arábia Saudita através das suas milícias, já deixou mais de 370.000 mortos desde o início dos combates em 2014, incluindo civis vítimas da fome.

Finalmente, o Papa assegurou as suas “orações pelas vítimas dos deslizamentos de terras causados pelas chuvas torrenciais na região metropolitana do Recife, Brasil”. O número de mortos devido às tempestades já ultrapassou 100.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
Direto do VaticanoGuerraUcrânia
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia