Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 04 Dezembro |
São Bernardo, bispo de Parma
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano – Papa: como é possível que tenhamos chegado a este caminho de injustiça e desonestidade?

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis blesses faithful as he leaves St. Peter's square on the Popemobile

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 10/06/22

Boletim Direto do Vaticano, 10 de junho de 2022

  • Francisco faz apelo aos padres e bispos sicilianos
  • Francisco e Petr Fiala discutem a guerra na Ucrânia
  • O Papa apresenta Charles de Foucauld e Pierre Favre como modelos para os diplomatas

Francisco faz apelo aos padres e bispos sicilianos

Por Anna Kurian – Ao receber os bispos e padres da Sicília (Itália) a 9 de Junho, o Papa Francisco apelou a um verdadeiro aggiornamento litúrgico, dizendo que ainda não tinha sido feito desde o Concílio Vaticano II. Também apelou ao clero para ser exemplo de honestidade, numa ilha onde a Igreja e a máfia estão entrelaçadas.

“Como é a liturgia? Não sei porque não vou à missa na Sicília”, brincou o Bispo de Roma, tirando risos dos seus convidados, antes de criticar severamente as práticas litúrgicas na ilha. Referindo-se a fotos de missas sicilianas que ele tinha vindo a conhecer, ele disse: “Mas onde estamos nós? 60 anos depois do Concílio!” E o pontífice continuou a dizer aos cerca de vinte bispos da região, relegando as honras aos antepassados: “É bom prestar homenagem à avó, mas é melhor celebrar a Mãe, a Santa Mãe Igreja”.

O Papa de 85 anos também não poupou as homilias “onde se fala de tudo e de nada”, e durante as quais “as pessoas saem para fumar um cigarro”. Ele acrescentou: “O povo quer substância”. Também recomendou a educação da piedade popular, distinguindo-a “de gestos supersticiosos”.

O pontífice está preocupado com o afastamento dos jovens

Durante o seu longo discurso de quase meia hora, o chefe da Igreja Católica sublinhou os paradoxos desta ilha mediterrânica, onde “grande virtude” coexiste com “atrocidades cruéis”, “extraordinária beleza artística” e “cenas embaraçosas de negligência”. Lamentou “uma situação social regressiva”, citando o despovoamento, a desconfiança em relação às instituições e os serviços sociais disfuncionais.

Na Igreja da Sicília, o Papa Francisco notou uma queda nas vocações para o sacerdócio e para a vida consagrada, mas sobretudo “um crescente desprendimento dos jovens”. Atribuiu isto a “formas de atuação antigas, erradas”. Mais uma vez, o Papa expressou a sua consternação perante os processos judiciais envolvendo sacerdotes que chegaram às congregações romanas. “Mas como é possível que tenhamos chegado a este caminho de injustiça e desonestidade?”

Nesta região pobre, onde muitos aspiram a um nível de vida mais elevado, os pastores são chamados a “permanecer ao lado do povo até ao fim, mesmo até às consequências extremas”, sublinhou o sucessor de Pedro. Defendeu “a fecundidade do celibato, por vezes difícil de viver, mas precioso”.

Finalmente, numa nota mais positiva, o pontífice prestou homenagem aos sacerdotes que estão próximos dos idosos. A este respeito, citou o exemplo de um padre que acompanhou o seu pároco idoso no final da sua vida: “Chegava a casa muito cansado do trabalho, mas a primeira coisa que fazia era visitar o idoso e contar-lhe as coisas, para o fazer feliz; depois pô-lo na cama, ficou com ele até adormecer… estes são grandes gestos, gestos grandiosos”!


Francisco e Petr Fiala discutem a guerra na Ucrânia

Por Camille Dalmas – O Papa Francisco recebeu Petr Fiala, Primeiro Ministro da República Checa, em audiência privada no Vaticano a 9 de Junho. O político disse, após uma reunião de meia hora, que discutiu a guerra na Ucrânia com o pontífice.

“O Papa Francisco expressou grande apoio ao povo ucraniano e à sua justa luta”, disse o primeiro-ministro ao website checo Echo24. Ele disse que a Ucrânia deveria ser ajudada e que o pontífice partilhava esta opinião. Convidou também o Papa a visitar a República Checa, mas reconheceu que as viagens do pontífice eram “agora limitadas pela sua saúde”. O Papa recebeu-o numa cadeira de rodas.

O chefe da Igreja Católica, como habitualmente, ofereceu os principais volumes do seu pontificado ao seu convidado, bem como uma medalha de bronze representando São Martinho que protege os pobres dando-lhes um pedaço do seu manto. O pontífice tinha oferecido a mesma medalha a Viktor Orbán, primeiro-ministro húngaro, a 21 de Abril, com a Santa Sé explicando que se tratava de uma referência à protecção oferecida pela Hungria aos migrantes ucranianos. O Primeiro Ministro checo apresentou ao pontífice uma Bíblia antiga, um pano bordado por mulheres checas e ucranianas e um livro sobre o ano dedicado a Santa Ludmila, uma princesa do século X e a primeira santa na história do país.

Vontade de reforçar as relações bilaterais

Após a audiência, o político foi recebido pelo Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin e pelo Secretário para as Relações com os Estados, Arcebispo Paul Richard Gallagher. A guerra na Ucrânia e “o seu impacto a nível regional e internacional”, especialmente em questões humanitárias e de refugiados, foram discutidos por ambas as partes.

Os dignitários da Santa Sé e o Primeiro Ministro discutiram também as relações bilaterais entre os dois países e o papel da Igreja Católica. Durante a reunião, o desejo de consolidar e alargar a colaboração” entre os dois Estados “surgiu”, relata o Gabinete de Imprensa da Santa Sé.

Ao contrário de outros países da região, a República Checa tem uma pequena comunidade católica de pouco mais de um milhão de fiéis, ou pouco mais de 10% da população. No centro da reforma Hussite contra Roma no início do século XV, o país tem agora uma grande proporção da população que afirma não ter religião ou ser ateu (79%). O último papa a visitar a República Checa foi Bento XVI, que passou 4 dias no país em 2009. João Paulo II visitou o país três vezes (1990, 1995, 1997), embora a sua primeira visita tenha sido ao que era então a Checoslováquia.


O Papa apresenta Charles de Foucauld e Pierre Favre como modelos para os diplomatas

Por Cyprien Viet – O Papa Francisco visitou a Pontifícia Academia Eclesiástica na Piazza della Minerva, perto do Panteão, no centro de Roma, a 8 de Junho. Realizou uma discussão informal com os estudantes desta “escola para núncios”, apresentando Charles de Foucauld e Pierre Favre como “modelos de santidade para a vida diplomática”, de acordo com o Gabinete de Imprensa da Santa Sé.

Durante a conversa, que não foi transcrita, “o Papa salientou a importância de se enraizar numa espiritualidade sacerdotal alimentada pela oração, e o papel do ano missionário, que ele queria ser parte integrante do caminho de preparação”, disse a declaração. Desde 2020, a formação dos futuros diplomatas da Santa Sé inclui um ano de missão no terreno, de acordo com um pedido do Papa Francisco, ansioso por evitar o confinamento destes sacerdotes em tarefas puramente administrativas.

A referência a Charles de Foucauld (1858-1916) surge na sequência da canonização celebrada em Roma a 15 de Maio. Desde o início do seu pontificado, o Papa argentino multiplicou as referências ao eremita francês do Saara, nomeadamente na conclusão da sua encíclica Fratelli tutti (2020). Comparando-o a Martin Luther King, Desmond Tutu e Gandhi, descreveu-o como uma “pessoa de fé profunda que, a partir da sua intensa experiência de Deus, fez uma viagem de transformação ao ponto de se sentir um irmão de todos”.

São Pedro Favre, um dos primeiros missionários jesuítas

Menos conhecido, São Pedro Favre (1506-1546) era um companheiro de Santo Inácio de Loyola quando a Companhia de Jesus foi fundada. Foi canonizado a 17 de Dezembro de 2013, o 77º aniversário do primeiro papa jesuíta, por um simples decreto papal. O santo de Savoyard não teve, portanto, uma Missa de canonização, mas uma Missa de ação de graças foi celebrada pelo Papa Francisco a 3 de Janeiro de 2014 na Igreja do Gesù em Roma.

Várias passagens da homilia do Papa nessa altura podem ecoar a missão dos diplomatas papais. O pontífice explicou que o santo de Saboia “tinha o verdadeiro e profundo desejo de se dilatar em Deus: estava inteiramente centrado em Deus e por isso podia ir, num espírito de obediência, muitas vezes até a pé, por toda a Europa, dialogar com todos, com mansidão, e proclamar o Evangelho”.

“Só se se estiver centrado em Deus é que é possível ir às periferias do mundo”, sublinhou também ele, aquele que insiste regularmente na necessidade de uma vida de oração autêntica para assumir responsabilidades em nome da Santa Sé. “E Pedro Favre viajou incessantemente para as fronteiras geográficas, tanto que se disse dele: ‘Parece que nasceu para não ficar em lado nenhum'”, disse o Papa Francisco.

Rumo a uma reforma da Academia Eclesiástica?

A visita de 8 de Junho de 2022 não estava na agenda oficial do pontífice, mas faz parte de uma tradição agora anual. A última vez que o Papa Francisco visitou a Pontifícia Academia Eclesiástica foi a 27 de Maio de 2021. A instituição, anteriormente conhecida como Academia dos Nobres Eclesiásticos, foi fundada pelo Papa Clemente XI em 1701, tornando-a a mais antiga escola diplomática do mundo. Agora aberta a sacerdotes diocesanos de todo o mundo que são enviados para Roma pelos seus bispos, todos os anos acolhe cerca de vinte estudantes, formados em línguas, direito internacional e história, e que também preparam uma tese, geralmente em direito canónico. Os Núncios Apostólicos são provenientes desta Academia, onde vários papas estudaram, incluindo Leão XIII, Bento XV e Paulo VI.

O Cardeal Maradiaga, coordenador do Concelho de Cardeais, explicou numa conferência de imprensa no Vaticano a 5 de Maio de 2022 que a possibilidade de abertura de altos cargos no serviço diplomático da Santa Sé a leigos poderia ser considerada num futuro próximo. Tal desenvolvimento poderia levar ao recrutamento de não-cléricos para a Academia, mas ainda não foi tomada qualquer decisão nesse sentido.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoIgrejaPapa FranciscoPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia