Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 09 Dezembro |
São Cipriano de Genouillac
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Alguns conselhos para solteiros (que não querem ficar solteiros)

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
COUPLE

Shutterstock-Pressmaster

Mathilde de Robien - publicado em 12/06/22

Muitas vezes, basta uma ideia ou um pequeno truque: aqui estão algumas dicas práticas, psicológicas e espirituais para colocar as suas cartas na mesa e preparar-se para o "grande encontro"

“Sou responsável pelo que não fui”, disse Bernanos no seu leito de morte. Uma frase dura e exigente, que confronta a pessoa com a sua responsabilidade perante sua própria vida.

Uma ideia que pode chocar muitos solteiros e solteiras, que sofrem por não ter encontrado o amor, uma vez que por vezes o desejaram ardentemente. Como se alguém tivesse qualquer poder sobre a vida amorosa!

Se o juízo de Bernanos permanece duro de vários pontos de vista, também abre um caminho: se não se é inteiramente responsável por se ser solteiro, é, no entanto, responsável por abrir-se aos outros, por procurar amizade, partilha, amor. Um grande desafio, para o qual a Aleteia gostaria de oferecer algumas ideias.

1. Estar em paz consigo mesmo

É difícil pensar num “nós” se o “eu” não estiver em paz. Imaginar um caso de amor duradouro pressupõe, a priori, que se esteja em paz e em verdade consigo mesmo. Como diz o Padre Nicolas Rousselot, jesuíta e capelão da École Polytechnique: “não se pode encontrar alguém”, sublinha, “se não se está em paz com a própria pessoa, a própria história, o próprio passado”. Isto pressupõe que se faça ou tenha feito algum trabalho sobre si próprio: que se fale, perdoe e/ou peça perdão.

Estar em paz consigo próprio também significa saber habitar a solidão. A solidão, assumida, permite que um se abra ao verdadeiro amor, aquele em que o outro não é nem um objeto nem uma muleta. Uma relação amorosa é distorcida se for baseada na fuga da solidão. O Padre Denis Sonet advertiu contra a necessidade de estar com alguém por medo de estar sozinho. Um casal adulto, disse ele, reúne dois seres que poderiam muito bem viver sozinhos, mas que estariam pobres por não partilhar a sua riqueza. “Se eu fujo da minha solidão”, resumiu o Padre Nicolas Rousselot, “é porque não posso habitar a minha pessoa, a minha história”. E até o fazer, o encontro não vai acontecer”.

2. Oferecer meios para o encontro

Não se encontra ninguém apenas sentado numa poltrona. Àqueles que afirmam deixá-lo à ‘Providência’ para lhes encontrar um marido ou mulher, o Padre Pascal Die, médico e doutor em filosofia e teologia, responde:

Cuidado com as desculpas espiritualistas, tais como ‘Deus encontrará um marido/mulher para mim’. Se estivesse desempregado, o que faria? Procuraria ativamente por um emprego. O abandono à Providência não é um abandono das responsabilidades de cada um.

E depois cita a Didache, um texto cristão do primeiro século:

O que se pode, faz-se. O que não se pode, confia-se à misericórdia de Deus.

Agora, criar oportunidades de namoro está definitivamente ao alcance de toda pessoa. É preciso aceitar convites, participar de passeios e eventos entre solteiros, estar aberto a amigos de amigos para conhecer novas pessoas.

O mesmo vale para fazer uma visita guiada a grupos da igreja, mesmo que a ideia nunca lhe tivesse passado pela cabeça, ou ir ao casamento daquele amigo, mesmo que não a tenha visto durante anos e anos.

Talvez seja o momento de se inscrever em algum grupo para praticar algum esporte, de se tornar voluntário em alguma associação, ou de ir a reuniões de solteiros. A noção de um grupo é importante.

Para o padre Nicolas Rousselot, não se deve ir diretamente para uma relação exclusiva mas, pelo contrário, conhecer-se dentro de um grupo é uma coisa boa:

No frente a frente modifico a minha forma de ser para me conformar com o que o outro espera de mim. Num grupo controlamo-nos menos, há mais liberdade, tudo é mais natural, e estamos mais próximos da verdade de nós próprios.

Fazer algo em comum é a melhor forma de aumentar a probabilidade de encontrar alguém. Numa caminhada, numa peregrinação, ou durante o trabalho voluntário, faz-se algo juntos, e é “nesses momentos que se vê o rosto mais belo da outra pessoa – a pessoa emerge”, explica o capelão.

3. Correr riscos

Feridos por fracassos amorosos anteriores, alguns têm medo de se comprometer de novo. Medo de voltar a sofrer, de ficar desapontado, de sair da zona de conforto e de ir para o desconhecido. Medos legítimos, mas que minam a liberdade ou, por outro lado, dão uma ideia falsa da mesma.

Uma relação amorosa pressupõe um compromisso, e todo o compromisso é uma assunção de risco. Padre Pierre-Marie Castaignos, da congregação dos Servos de Jesus e Maria na Abadia de Ourscamp, especialista em preparação matrimonial, aponta para a grande tentação da pessoa solteira: manter aberto o leque ‘in(de)finito’ de possibilidades.

Sem compromisso, todas as estradas permanecem abertas. Mas como superar o medo do compromisso? Uma das chaves está na confiança – diz ele: estar convencido de que se está empenhando para alcançar algo importante.

Correr riscos significa também ousar dar o primeiro passo, para revelar os seus sentimentos. O Padre Castaignos convida-nos a deixarmo-nos surpreender pelo desconhecido, pela diferença, para nos libertarmos das expectativas dos pais, que por vezes são tão pesadas que paralisam qualquer impulso. Em todos os campos, a tendência atual é para minimizar os riscos: “Ao minimizar os riscos, porém,” salienta o frade Ourscamp, “também se minimizam as possibilidades de encontro”.

4. Vencer os medos e aprender a comunicar

Uma coisa é assistir a uma reunião de solteiros/solteiras, outra é saber como estabelecer uma relação. Seria uma pena deixar escapar o homem/mulher da sua vida pela simples razão de não se atrever a falar com ele/ela! Saber ouvir é certamente louvável, mas também é desejável – para comunicar com a outra pessoa – que se saiba falar, que se saiba confiar, que se dê um pouco de si mesmo. O Padre Denis Sonet, um grande especialista em aconselhamento de casais, escreveu:

É impossível permanecer à frente de alguém que não oferece nada de si próprio. O seu interlocutor chega a esta observação invariável: “Mas fale de si… Afinal, não te conheço! Eu não sei nada sobre a tua vida”.

Pode ser timidez, mas é frequentemente o medo de decepção ou de revelar os próprios sentimentos pessoais. No entanto, assegura o padre, “a partilha sincera de sentimentos, positivos e negativos, pode fazer vibrar os corações”.

Uma atitude que supõe a superação corajosa dos medos:

Talvez julgado, criticado, mal compreendido”, analisa o escritor e franciscano Michel Hubaut, “apanhado pelo medo de que a outra pessoa perceba uma imagem desagradável de mim, no medo de ser questionado, de ter de mudar, de ser dominado, manipulado, seduzido e abandonado… Aqui, aqueles que não superarem estes medos nunca se comunicarão.

As palavras são extremamente importantes, ainda que no estilo de vida atual se avance rapidamente para relações íntimas, adverte o Padre Rousselot. A relação, na sua necessidade de discurso, de projeto, vem em primeiro lugar. “Se se põe o prazer antes da relação, ela não dura”.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
AmorNamoroRelacionamento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia