Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 04 Dezembro |
São Bernardo, bispo de Parma
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Mianmar: denúncia de atrocidades em aldeias onde vivem comunidades católicas

CHURCH-MYANMAR-CHIN-shutterstock_1127978267.jpg

Shutterstock I Jose_Matheus

Une église catholique située à Hakha, dans l'État Chin (Birmanie).

Reportagem local - publicado em 12/06/22 - atualizado em 07/06/22

O relato é impressionante e refere que houve até ataques de artilharia

“A estratégia de terror adotada pelos militares, para demover novas revoltas, atua agora também sobre a minoria católica luso-descendente.” A denúncia é da AILD, a Associação Internacional de Lusodescendentes, que está a acompanhar a situação em Mianmar. Esta organização enviou para a Fundação AIS, em Lisboa, um comunicado onde descreve alguns dos ataques a aldeias onde vivem comunidades católicas e fala em “atrocidades” e “genocídio”.

Segundo a AILD, em causa está a situação de milhares de católicos, os bayingyis, descendentes de combatentes portugueses que entre os séculos XVI e XVII estiveram ao serviço dos monarcas birmaneses. Esta comunidade católica, explica a associação, está distribuída por 13 aldeias e algumas delas foram palco de episódios de particular violência por parte dos militares de Mianmar. 

A primeira aldeia vítima de agressão foi Chaung Yoe, “a escassos dias das celebrações do Natal” do ano passado. Seguiram-se mais três ataques, já este ano, a 25 de Fevereiro, 28 de Março e 20 de Maio. O relato é impressionante e refere que houve até ataques de artilharia. 

Ataques

No dia 28 de Março, por exemplo, a aldeia foi atacada “por elementos à civil, fortemente armados, que tiveram como alvo o complexo da Igreja, disparando sobre a casa do clero e aprisionando 3 religiosos”. “No mesmo dia foram assassinados, a tiro, um dos habitantes e o seu filho, no momento em que fugiam pelos arrozais”, prossegue a descrição. “O grupo ainda incendiou 17 casas, a capela e o santuário da aldeia. Recentemente, a 20 de Maio, os soldados voltaram a Chaung Yoe, munidos de artilharia. Ao todo, mais de 300 casas foram destruídas à bomba. A aldeia era composta por cerca de 350 fogos, sendo que, neste momento, apenas 20 casas permaneceram intactas em toda a aldeia.”

A outra aldeia que sofreu a violência dos militares foi Chan-tha-ywa. A 10 de Janeiro deste ano, “os soldados tomaram toda a aldeia, saqueando as habitações”. Segundo a Associação Internacional de Lusodescendentes, os militares “abateram todo o tipo de animais domésticos, sustento das populações (vacas, búfalos, porcos, etc.), prenderam os poucos doentes e idosos que não puderam fugir, chegando a executar 3 habitantes, sem qualquer motivo”, pode ler-se ainda no texto. “A 6 de Maio de 2022, os soldados voltaram a Chan-tha-ywa, tendo incendiado 22 casas e destruído as respectivas colheitas.”

Estes dados foram confirmados junto de um sacerdote local – que não pode ser identificado por questões de segurança – por Joaquim Magalhães de Castro, jornalista, investigador da História da Expansão Portuguesa e autor de diversos livros, nomeadamente “Viagem ao Tecto do Mundo”, que foi adaptado para documentário e exibido na televisão portuguesa. Joaquim Castro, que é também director-geral para a região Ásia Pacífico da AILD, considera, em declarações à Fundação AIS, que esta situação não o surpreendeu, apesar de toda a violência que está subjacente. 

Violência

“Na verdade, não me surpreendeu a violência dos militares birmaneses pois é conhecido o seu modus operandi. Quem queima todas as casas de uma aldeia é muito capaz de matar a eito. Aliás, os quatro casos (conhecidos) de assassinato de bayingyis são reveladores: dois deles foram torturados antes de serem abatidos a tiro e um terceiro tinha uma grave deficiência cognitiva. Ou seja, os soldados mataram por divertimento. No ataque mais recente, a 20 de Maio, as pessoas fugiram da aldeia visada antes da chegada dos militares, e felizmente, caso contrário tinha havido mais mortes.” Joaquim de Castro fala do futuro com apreensão, pois tem receio de que novos incidentes graves possam vir a ocorrer. “Temo pelas restantes aldeias – são muitas. Toda a região está em pé de guerra e há outras minorias étnicas na mira dos esbirros da Junta agora de novo no poder”, diz o investigador.

A Associação afirma ainda que “milhares de membros do povo Bayingyi tornaram-se refugiados, encontrando-se agora distribuídos por aldeias vizinhas ou nos complexos das organizações religiosas”. A situação em que se encontram é muito difícil pelo que é pedida ajuda para estas populações católicas, nomeadamente através da “Arquidiocese de Mandalay, a única instituição com capacidade para chegar às populações e em condições de dialogar com as forças do regime”.

Situação

A Fundação AIS tem vindo a acompanhar com preocupação a situação em Mianmar. A 1 de Fevereiro deste ano, quando se assinalou o primeiro aniversário do golpe militar, a AIS convocou os seus benfeitores e amigos em todo o mundo para uma jornada de oração e de solidariedade para com a Igreja deste país asiático. Na ocasião, Thomas Heine-Geldern, presidente executivo internacional da Fundação AIS, gravou uma mensagem desde Königstein, na Alemanha, explicando que a jornada de oração procurava ser “um sinal de solidariedade e de fraternidade” para com a Igreja local, lembrando todas as “vítimas inocentes” da violência que irrompeu neste país, desde que os militares tomaram conta do poder. 

Apesar das enormes dificuldades de comunicação com o país, a Ajuda à Igreja que Sofre tem procurado acompanhar o evoluir dos acontecimentos. Em Fevereiro, por exemplo, sabia-se que 14 paróquias no estado de Kayah haviam sido abandonadas, com muitos padres e irmãs refugiados na selva ou em aldeias remotas, acompanhando as populações locais, e que entre os milhares de deslocados, cerca de três centenas de pessoas, na sua maioria idosos, mulheres, crianças e deficientes, teriam procurado abrigo no complexo da catedral de Kayah.

(Com AIS)

Tags:
PerseguiçãoTerrorismoViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia