Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 30 Novembro |
Santo André
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: a complexidade da guerra na Ucrânia

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
POPE FRANCIS DURING MEETING WITH THE CHILDREN'S COURTYARD

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 15/06/22

Boletim Direto do Vaticano, 15 de junho de 2022

  • A complexidade da Guerra na Ucrânia, segundo o Papa
  • Francisco critica o “restauracionismo” que amordaça o Concílio Vaticano II
  • Papa vai celebrar missa com congoleses para “levar Kinshasa a São Pedro”

A complexidade da Guerra na Ucrânia, segundo o Papa

Por Hugues Lefèvre – Defendendo-se de acusações ser “a favor de Vladimir Putin”, o Papa Francisco esclareceu a sua posição sobre a guerra na Ucrânia, assegurando que não quer reduzir a complexidade da situação “à distinção entre os bons e os maus”, numa longa entrevista dada a 19 de Maio aos chefes das revistas jesuítas europeias e publicada a 14 de Junho na revista Civiltà Cattolica. O Papa também confirma o seu desejo de se encontrar com o Patriarca Kirill durante a sua visita ao Cazaquistão em Setembro.

A fim de analisar o conflito na Ucrânia, devemos afastar-nos do habitual esquema polarizador, o Papa argentino advertiu desde o início, quando questionado sobre o conflito que já causou a morte de milhares de pessoas e levou milhões de ucranianos ao desterro. “Não há aqui tipos metafísicos bons e maus, de uma forma abstrata”, argumentou, antes de contar uma anedota.

Alguns meses antes do início da invasão russa, o Papa conversou com um chefe de Estado “muito sábio”. “Ele disse-me que estava muito preocupado com a forma como a OTAN se estava a desenvolver. Perguntei-lhe o porquê, e ele respondeu: “Eles estão a ladrar à Rússia. E eles não compreendem que os russos são imperialistas e não permitem que nenhum poder estrangeiro se aproxime deles”. E o Papa notou a clarividência deste chefe de Estado que “soube ler os sinais”.

Raízes e interesses

No início de Maio, numa entrevista com o diário italiano Il Corriere della Sera, o Papa Francisco já se tinha interrogado se a “raiva” de Moscou tinha sido desencadeada pela atitude da OTAN em relação à Rússia. Pela primeira vez referiu-se ao “ladrar da OTAN à porta da Rússia”.

Contudo, não querendo ser visto como um defensor de Vladimir Putin, o Papa Francisco respondeu muito claramente aos jesuítas presentes na Biblioteca do Palácio Apostólico: “Eu não sou”. No entanto, recordou a necessidade de “raciocinar sobre as raízes e interesses, que são muito complexos” neste conflito. Referindo-se à “ferocidade” e à “crueldade das tropas russas”, o Papa insistiu que não devemos “esquecer os problemas a fim de tentar resolvê-los”.

Sobre a invasão da Ucrânia enquanto tal, o Papa confidenciou que os russos “cometeram um erro nos seus cálculos”. “Os russos pensavam que tudo acabaria numa semana”, disse, sublinhando que tinham na verdade encontrado “um povo corajoso, um povo que luta para sobreviver e que tem uma história de luta”.

O heroísmo do povo ucraniano

Nesta entrevista, o chefe da Igreja Católica insistiu particularmente no “heroísmo do povo ucraniano”. Um heroísmo que “toca os nossos corações”, acrescentou, descrevendo uma Ucrânia especialista no sofrimento causado pela guerra. “É um país rico, que sempre foi ferido, dilacerado pela vontade daqueles que o quiseram tomar para explorá-lo. É como se a história tivesse predisposto a Ucrânia a ser um país heróico”, disse ele.

Enquanto no início do conflito reapareceram discussões sobre o conceito de “guerra justa” que o Papa, na sua encíclica Fratelli tutti, tinha questionado, parece ter querido, nas colunas das revistas jesuítas, esclarecer a sua posição elogiando um “povo que não tem medo de lutar”, este povo “que luta pela sobrevivência e que ao mesmo tempo se orgulha da sua terra”.

Um encontro com Kirill em Setembro?

“Espero encontrar [Kirill] numa assembleia geral no Cazaquistão em Setembro”, disse o Papa Francisco na entrevista, enquanto que uma viagem ao país da Ásia Central foi oficializada a 31 de Maio. O pontífice quer participar numa cimeira inter-religiosa a ter lugar nos dias 14 e 15 de Setembro. Ainda não se sabe se o patriarca russo irá comparecer. Em 2018, foi o seu braço direito, o Metropolita Hilarion de Volokolamsk, então presidente do Departamento de Relações Externas do Patriarcado de Moscou – recentemente removido dessa função – que tomou parte.

Aos jesuítas, o Papa recordou que originalmente tencionava encontrar-se com o chefe da Igreja Ortodoxa Russa a 14 de Junho em Jerusalém. “Mas com a guerra, de comum acordo, decidimos adiar a reunião para uma data posterior, para que o nosso diálogo não fosse mal entendido”, disse ele novamente.

No Cazaquistão, o Papa espera saudar o chefe da Igreja Ortodoxa Russa como um “pastor”, insistiu ele. Numa reunião on-line três semanas após a invasão da Ucrânia pelas tropas russas, o Bispo de Roma criticou Kirill pela sua leitura do conflito e advertiu-o contra tornar-se clérigo de Estado. O encontro do Papa com o Patriarca de Moscou seria o segundo desde o cisma do século XI. Em 2016, o Papa Francisco e o Patriarca Kirill reuniram-se em Havana.


Francisco critica o “restauracionismo” que amordaça o Concílio Vaticano II

Por Camille Dalmas – “O Concílio que alguns pastores melhor recordam é o Concílio de Trento”, o Papa Francisco lamentou numa grande entrevista com editores jesuítas a 18 de Maio de 2022 e publicada pela Civiltà Cattolica a 14 de Junho. Também criticou o caminho sinodal alemão.

“O restauracionismo chegou para amordaçar o Concílio”, lamentou, explicando que é “muito difícil prever uma renovação espiritual utilizando esquemas muito antiquados”. Mencionou em particular o caso de uma diocese na Argentina que “caiu nas mãos” de um grupo animado por este espírito pré-conciliar, e o número “impressionante” destes movimentos nos Estados Unidos.

O Papa recordou as dificuldades que tinha testemunhado no período pós-conciliar, citando o caso do Padre Pedro Arrupe (1907-1991), antigo Superior Geral dos Jesuítas (1965-1981), que tinha sido combatido por um grupo de jesuítas espanhóis “que se consideravam os verdadeiros ortodoxos”.

“Isto está a acontecer novamente”, insiste ele, convidando-nos a libertar-nos de um “pensamento fechado, rígido”. No entanto, acredita que “é preciso um século para que um Concílio crie raízes” e considera que a Igreja ainda tem “quarenta anos” para a integrar.

Em contraste, destaca a emergência espontânea na Europa de movimentos e bispos que “recordam que existe um Concílio por detrás deles”. Saudando aqueles que dão “um novo rosto” à Igreja, investindo no campo social ou pastoral, ele dá o exemplo dos franceses, “muito criativos nesta área”.

Caminho sinodal alemão

Questionado sobre o caminho sinodal alemão, explicou que tinha dito ao Bispo Georg Bätzing, Presidente da Conferência Episcopal Alemã, que havia uma igreja “muito boa na Alemanha” e que não havia necessidade de ter “duas”. O problema na Alemanha é “quando o caminho sinodal provém das elites intelectuais e teológicas e é muito influenciado por pressões externas”. Em vez disso, apelou a que este caminho fosse seguido “com os fiéis, com o povo, lentamente”.

Mencionou então o caso específico da diocese de Colónia, uma situação “muito agitada”, segundo ele. Explicou que tinha pedido ao arcebispo, Cardeal Rainer Maria Woelki, para se retirar por seis meses, entre Outubro de 2021 e Março de 2022, a fim de poder “ver as coisas com clareza”, e, no seu regresso, ter exigido e obtido dele uma carta de renúncia que, segundo ele, ainda tinha “em mãos” enquanto esperava ter terminado o seu discernimento.

“Há muitos grupos de pressão”, disse, explicando que pretende enviar uma “visita financeira” para examinar a situação da arquidiocese da Renânia, uma das mais ricas da Igreja. Ele disse que agiria “como em qualquer outra diocese do mundo” onde existem problemas, citando Arecibo, em Porto Rico, como exemplo.

O exemplo do Cardeal Arborelius

Questionado sobre o caso de países onde a tradição católica não é forte, como a Suécia, disse que “só aqueles que vivem” nesses países “podem compreender e descobrir os caminhos certos”. Ele deu o exemplo do Cardeal Anders Arborelius, Arcebispo de Estocolmo, descrevendo-o como “um homem que não tem medo de nada”, que “fala com todos e não se opõe a ninguém”, visando “sempre o positivo”.


Papa para celebrar missa com congoleses para “levar Kinshasa a São Pedro”

Por Anna Kurian – “Levaremos Kinshasa a São Pedro”, o Papa Francisco garantiu aos Missionários da África no dia 13 de Junho, quando anunciou que celebraria a Missa com a comunidade congolesa em Roma no dia 3 de Julho. Nessa data, o Papa deveria celebrar a Missa dominical na capital da República Democrática do Congo, de acordo com o programa elaborado antes da sua viagem a África ter sido adiada por causa do seu problema no joelho.

Infelizmente, com grande pesar”, disse o pontífice aos Padres Brancos que estava a receber por ocasião do seu Capítulo Geral, “tive de adiar a viagem ao Congo e ao Sudão do Sul. De fato, na minha idade não é assim tão fácil sair simplesmente em missão. Mas o Papa disse estar “confiante” de poder visitar estes povos, que carrega “no seu coração”.

Anunciou então que celebraria uma Missa com a comunidade congolesa em Roma: “No dia 3 de Julho, o dia que deveria ter celebrado em Kinshasa, levaremos Kinshasa a São Pedro. E ali celebraremos com todos os congoleses em Roma, que são numerosos”.

A 1 de Dezembro de 2019, o papa argentino já tinha presidido a uma missa com cerca de 1.500 congoleses na basílica do Vaticano. Esta celebração teve lugar no rito zairiano, uma adaptação congolesa do rito litúrgico romano aprovada em 1988. Um rito que interessa ao Papa: esta liturgia “sugere um caminho promissor também para a possível elaboração de um rito amazónico”, tinha ele escrito no prefácio de um livro.

Dizer obrigado a Deus

No seu discurso aos Padres Brancos, o Bispo de Roma esperava que eles soubessem como dizer “obrigado” a Deus e aos seus irmãos. E advertiu: “Quem não souber como agradecer a Deus pelos dons que Ele semeou pelo caminho – embora cansativo e por vezes doloroso – não tem um espírito de esperança, aberto às surpresas de Deus e confiante na Sua providência”.

“Sede apóstolos, nada mais que apóstolos”, pediu-lhes Francisco, citando o seu fundador, o Cardeal Charles Lavigerie. Missão não é fazer proselitismo, ele afirmou: “Se algum de vós estiver a fazer proselitismo, por favor deixem-no parar, ser convertido e depois continuar. O apóstolo não é “um gestor”, “um professor erudito”, nem “um mago dos computadores”, ele é uma testemunha, continuou o Papa.

A estes missionários presentes nos países de primeira evangelização ou com maioria muçulmana, o chefe da Igreja Católica deu o exemplo do santo francês Charles de Foucauld, canonizado a 15 de Maio, chamando-os a regressar a este “núcleo essencial” de oração e fraternidade.

Existem atualmente 1.115 Padres Brancos de 35 nacionalidades no mundo, incluindo quase 600 em África. O Capítulo Geral da Congregação, que começou em Roma a 16 de Maio durante cinco semanas, deverá eleger um novo Conselho Geral.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
ÁfricaDireto do VaticanoUcrânia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia