Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 08 Fevereiro |
São Paulo de Verdun
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Donativos para o óbolo de São Pedro caem drasticamente

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis during his weekly general audience in saint peter's square - June 15 2022

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 17/06/22

Boletim Direto do Vaticano, 17 de junho de 2022

  • As doações para o Óbolo de São Pedro caem drasticamente
  • O futuro Cardeal Giorgio Marengo, uma lufada de ar fresco da estepe mongol
  • Acusado de encobrir abusos, o Bispo Luc Van Looy, Bispo Emérito de Gand, não se tornará cardeal

As doações para o Óbolo de São Pedro caem drasticamente

Por Camille Dalmas – Em 2021, o Óbolo de São Pedro angariou 46,9 milhões de euros, disse a Santa Sé a 16 de Junho. Em termos de receitas, 2021 marca uma ligeira recuperação após um ano muito mau em 2020 devido à pandemia (44,1 milhões de euros), mas permanece longe dos 69,7 milhões de euros que recolheu em 2015.

O Óbolo de São Pedro é o nome dado ao apoio financeiro oferecido pelos fiéis ao Papa para ajudá-lo a “responder às necessidades da Igreja universal e ajudar os mais necessitados”, de acordo com a declaração da Santa Sé. Pela primeira vez, a Santa Sé teve o cuidado de apresentar a forma como estas doações são utilizadas e de lançar nova luz sobre a sua origem.

30% dos donativos provêm dos Estados Unidos

A Santa Sé declara que 65,3% das doações provêm diretamente das dioceses, seguidas de 22% das fundações e 9% diretamente dos fiéis (4 milhões de euros). Finalmente, as doações de ordens religiosas representam 3,7% de todas as doações.

Também sabemos mais sobre a origem dos donativos das dioceses: vêm principalmente dos Estados Unidos (29,3% de todos os donativos, ou 13 milhões de euros). As dioceses americanas são seguidas pelas da Itália (11,3%, ou 5 milhões de euros) e da Alemanha (5%, 2,3 milhões de euros).

Os próximos maiores contribuintes são a Coreia do Sul (1,4 milhões de euros, 3,2%), seguida pela França (1,2 milhões de euros, 2,7%). A Espanha e o Brasil representam cada um 2% das doações. A Irlanda, a República Checa e o Canadá seguem com doações de menos de um milhão de euros. Estes 10 países representam por si só 59,7% do Óbolo

9,8 milhões para financiar projetos em todo o mundo

Para fazer face às despesas – 65,3 milhões de euros em 2021 – 18,4 milhões de euros foram retirados dos ativos existentes do Óbolo de São Pedro. 55,5 milhões foram então utilizados para “ajudar a missão apostólica” e 9,8 milhões para projetos de assistência direta.

9,8 milhões, 40% dos projetos financiados foram africanos, 22% americanos, 24% asiáticos e 12% europeus. Quase metade dos projetos foram sociais – por exemplo, a construção de instalações educativas ou uma iniciativa contra a exploração sexual; um terço foi dedicado ao financiamento da presença de “igrejas necessitadas” – por exemplo, a construção de alojamentos na Indonésia e no Sudão do Sul; e um quinto à preservação e expansão da presença das igrejas – a renovação de um mosteiro no Equador ou a construção de uma catedral em Portugal.

Os 55,5 milhões de euros contribuem para 23% das despesas totais da Santa Sé em 2021 (237 milhões de euros). A soma é dividida igualmente entre as suas várias missões – apoio às Igrejas particulares, financiamento da comunicação e do culto, manutenção do património histórico, etc.

Uma reputação a reconstruir

Este esforço de transparência por parte da Santa Sé visa reparar uma reputação manchada, uma vez que o nome do Óbolo de São Pedro esteve em meio a denúncias de escândalos financeiros. O mais recente, o caso do edifício de Londres, está atualmente a ser examinado pela justiça do Vaticano. No entanto, os atuais oficiais superiores da Santa Sé deram recentemente garantias de que as perdas atribuídas a este caso foram compensadas de modo a que as doações sirvam bem a missão do pontífice.

O caso do edifício de Londres parece ter tido o mérito de revelar a grande opacidade que havia em torno da gestão do Óbolo. O Fundo Obolus, que gere as doações do Óbolo de São Pedro, foi transferido pelo Papa Francisco para a Administração do Património da Sé Apostólica (APSA) em Dezembro de 2020. Além disso, desde a promulgação da nova Constituição Apostólica Praedicate Evangelium, o Secretariado para a Economia tem agora direito de controle sobre o fundo, cuja gestão financeira foi confiada ao Instituto das Obras Religiosas, agora o único banco do Vaticano. Estas decisões devem conduzir a um melhor controle e a uma maior transparência.


O futuro cardeal Giorgio Marengo, uma lufada de ar fresco da estepe mongol

Por Cyprien Viet – Depois de se tornar o bispo mais jovem do mundo em 2020, dentro de poucas semanas tornar-se-á o cardeal mais jovem, e o primeiro a nascer nos anos 70. O nome do bispo Giorgio Marengo, 48 anos, Prefeito Apostólico de Ulaanbaatar, foi uma surpresa quando o Papa Francisco o pronunciou da janela do Palácio Apostólico após a oração Regina Caeli no domingo 29 de Maio.

O primeiro cardeal a representar a Mongólia, de nacionalidade italiana, tem sido objeto de muita atenção mediática desde o anúncio, pois o ano de 2022 marca o 30º aniversário da chegada dos primeiros missionários católicos ao país asiático e o estabelecimento de relações com a Santa Sé. A criação deste novo cardeal missionário dá-nos a oportunidade de descobrir um país que raramente está nas notícias, e de observar o rosto jovem de um cristianismo que nasce e se desenvolve num contexto de minoria, mas sem um complexo de inferioridade.

Uma história rica

Nascido em Cuneo, Piemonte, a 7 de Junho de 1974, Giorgio Marengo foi ordenado sacerdote em 2001 pelos Missionários da Consolata, uma congregação italiana fundada no início do século XX, especializada no acompanhamento de jovens igrejas. Depois de obter o doutoramento em missiologia na Universidade Urbana de Roma, ele partiu numa aventura para conhecer um povo que nunca tinha ouvido falar de Jesus, uma figura por vezes difícil de apreender na mentalidade asiática, onde o cristianismo está geralmente associado à história colonial europeia.

A Mongólia está encravada entre as esferas de influência russa e chinesa, mas nunca foi alcançada pelas potências europeias. Foi portanto num terreno intocado por preconceitos que o Padre Giorgio Marengo se estabeleceu nos anos 2000, enviado para Avayheer, uma pequena cidade de 20.000 habitantes situada no centro do país, onde fundou a paróquia de Maria Mãe da Misericórdia.

Levar o Evangelho ao coração da Ásia

Naquele primeiro lar com os seus irmãos missionários da Consolata, “éramos realmente estranhos como marcianos”, confidenciou em um testemunho dado em 2020 num santuário italiano.

Na sua primeira comunidade missionária, onde nenhuma igreja católica existia antes, “as pessoas consideravam-nos espiões ou emissários do Estado”. “Demorou muito tempo a construir relações, a confiar um no outro, mas vale a pena!”

“As pessoas têm uma atitude de curiosidade, de novidade, por vezes também de suspeita porque esta realidade não é bem conhecida, mas depois há um interesse, um desejo de saber”, confidenciou em Maio de 2022 à Telepace. O seu objetivo como missionário é que “a fé deve ter raízes profundas” na população mongol.

Em 2020, depois de mais de quinze anos de trabalho missionário, foi escolhido pelo Papa Francisco como Prefeito Apostólico de Ulaanbaatar e foi ordenado bispo pelo Cardeal Tagle, Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos. Na altura, D. Marengo falou da abordagem paciente, sensível e gentil com que os missionários são chamados a “sussurrar o Evangelho no coração da Ásia”. “Ser missionário não se trata de propaganda ou de difundir uma ideologia, mas de tornar possível um encontro concreto com Jesus para pessoas que de outra forma não teriam a oportunidade”, explicou ele.

Também expressou a sua “alegria por ver que o Senhor age de forma misteriosa e traz pessoas à Igreja”, dando o exemplo de uma mulher mongol de 75 anos que, após a trajetória catecumenal da sua filha, foi ter com ele à igreja pedindo-lhe o batismo, sem poder oferecer qualquer argumento racional mas simplesmente porque se sentia “bem com Ele”, disse ela, apontando para Jesus na cruz.

A “coragem e determinação” dos recém-batizados

Os batizados que escolheram seguir o cristianismo vivem-no “com coragem e determinação”, mesmo que isso signifique parecer “estranho, um pouco fora do normal” e exporem-se a “oposição, discriminação, mesmo que a Mongólia seja um país democrático”, explicou o Bispo Marengo numa entrevista ao Vatican News.

Como sinal de abertura do país, incluindo por parte das autoridades religiosas budistas, uma delegação mongol foi recebida pelo Papa Francisco a 28 de Maio, na véspera do anúncio consistório. O Prefeito Apostólico de Ulaanbaatar pôde assim apresentar diretamente ao Papa esta surpreendente experiência de testemunhar o Evangelho numa sociedade desprovida de qualquer referência ocidental.

No entanto, o Papa não lhe enviou qualquer sinal sobre o cardinalato, e no dia seguinte ele ficou completamente surpreendido. “Recebi a notícia no final da celebração da Eucaristia dominical das nossas Irmãs Missionárias da Consolata na sua casa geral, e foi um momento fraterno e inesperado”, disse ele aos meios de comunicação social do Vaticano. Ele expressou a sua gratidão pela “atenção do sucessor de Pedro para com a Igreja em contextos marginais e pequenos”.

A Mongólia, um país imenso com três vezes o tamanho da França e uma população de apenas três milhões de habitantes, tem uma das menores comunidades católicas do mundo: após a extinção do cristianismo nestoriano, que se tinha espalhado pela Ásia Central no primeiro milénio, foi apenas em 1992, no início da abertura democrática do país, que chegaram os primeiros missionários católicos, num contexto religioso dominado pelo budismo tibetano.

Atualmente, a Igreja local tem oito paróquias e entre 1.300 e 1.400 membros batizados, um número muito inferior ao da maioria das paróquias italianas, mas em constante aumento. O surgimento desta Igreja interessou muito a João Paulo II, que desejava lá ir para a consagração da catedral de Ulaanbaatar em 2003, mas este projecto de viagem nunca se concretizou.

Uma aposta estratégica com a China em mente?

Para além desta atenção às periferias, os interesses geopolíticos podem também ter motivado esta escolha do Papa Francisco, estimou um perito russo pouco depois do anúncio num artigo publicado pelo website Regnum. A Mongólia é de fato um país entre a Rússia e a China, e, surpreendentemente, é também um dos poucos países do mundo a manter relações regulares tanto com a República Popular da China como com Taiwan, uma vez que foi durante o regime de Chiang Kai-shek, em 1945, que a independência da Mongólia foi formalmente reconhecida pela China.

No contexto do grande jogo geopolítico em curso na Ásia, o Cardeal de Ulaanbaatar poderia constituir um valioso ponto de contato para a Santa Sé em relação à Ásia Central, à Rússia e à antiga zona de influência soviética, e especialmente em relação à China.

O poder chinês não pode ser enfrentado diretamente pela Santa Sé devido à ausência de relações diplomáticas oficiais e à impossibilidade de criar um novo cardeal chinês, aparentemente dada uma cláusula no acordo provisório sobre nomeações episcopais assinado em 2018 entre Roma e Pequim, relata Il Sismografo. O desejo do Papa é talvez fazer desta pequena comunidade cristã perdida na estepe mongol uma porta de entrada para um mundo chinês ainda desconhecido e de difícil acesso, mas que poderia constituir um grande pólo de desenvolvimento para o catolicismo nas décadas vindouras.

Orientar o Colégio Sagrado para as periferias missionárias

O desafio do Papa Francisco de descentralizar o Colégio Sagrado da sua base europeia e de o orientar progressivamente para as periferias missionárias assumiria assim todo o seu significado. O futuro mostrará se o primeiro papa a vir da América Latina foi também o primeiro a mudar para a Ásia. Sob o pontificado do argentino, que como jovem jesuíta sonhava ser enviado em missão para a Ásia, é este continente que registrou o maior aumento do número de cardeais representados no Colégio Sagrado, passando de 9% em 2013 para 15% hoje.

Se esta tendência se mantiver a longo prazo, o Cardeal Giorgio Marengo, que permanecerá eleitor até Junho de 2054 e deverá logicamente participar em vários conclaves, poderá portanto tornar-se uma figura chave nas grandes mudanças do cristianismo no século XXI.


Acusado de encobrir abusos, o Bispo Luc Van Looy, Bispo Emérito de Gand, não se tornará um cardeal

Por Cyprien Viet e Hugues Lefèvre – O Bispo Luc Van Looy, emérito de Gand (Bélgica), pediu ao Papa Francisco que dispensasse a sua nomeação como cardeal para evitar que as vítimas de abusos fossem “feridas” pela sua elevação, a Conferência Episcopal Belga anunciou a 16 de Junho. O Papa Francisco aceitou o pedido.

O papa argentino tinha anunciado a 29 de Maio a sua intenção de criar o prelado belga de 80 anos como cardeal. Iria receber a biretta de cardeal no consistório a 27 de Agosto, juntamente com outros 20 prelados. Tendo já celebrado o seu 80º aniversário, ele não estaria entre os eleitores cardeais no caso de um conclave.

Segundo os bispos belgas, o anúncio deste cardinalato “deu origem a muitas reações positivas, mas também a críticas de que ele nem sempre reagiu com suficiente energia como bispo de Gante (2004-2020) contra abusos na relação pastoral”.

A fim de evitar que “vítimas de tais abusos sejam novamente feridas como resultado do seu cardinalado, o Bispo Van Looy pediu ao Papa que dispensasse a aceitação desta nomeação. O Papa Francisco aceitou o seu pedido”, disseram os bispos.

Na sua declaração, o Cardeal De Kesel, Arcebispo de Mechelen-Bruxelas, e os outros bispos belgas expressaram o seu apreço pela decisão do Bispo Van Looy. “Reiteram o seu compromisso de continuar a sua luta contra todas as formas de abuso na Igreja Católica, em que os interesses das vítimas e das suas famílias estão sempre em primeiro lugar.

Acusação de encobrimento de abusos e acolher movimentos sectários

De acordo com o portal Cathobel, o Bispo Van Looy nunca foi condenado por abuso ou por encobrir abuso sexual. No entanto, os meios de comunicação belgas relatam denúncias do grupo Mensenrechten in de Kerk (“Direitos Humanos na Igreja”), que reagiu fortemente ao anúncio do cardinalato e censura Van Looy por “fechar os olhos a certos abusos e encobrir os seus perpetradores”.

O grupo critica o bispo belga pela sua proximidade com um padre salesiano, Luc Delft, que teria abusado de várias crianças na República Centro-Africana, onde tinha sido diretor da Cáritas. É também acusado de ter atribuído um prémio a um padre acusado de cumplicidade com os autores do genocídio ruandês, Guy Theunis, e de ter acolhido movimentos sectários na sua diocese.

“Escrevemos ao Bispo Van Looy para lhe pedir que interviesse. Nunca não houve resposta”, disse o grupo numa declaração emitida após o anúncio do cardinalato do bispo Van Looy. “O Papa Francisco parece não ter sido suficientemente informado sobre este bispo que, apesar do seu largo sorriso, manteve muitas coisas em segredo a fim de salvaguardar a instituição”, disse a declaração.

O tema do abuso sexual de menores tem sido particularmente sensível na Bélgica desde o caso Marc Dutroux, que traumatizou o país nos anos 90. Na Igreja Católica, o bispo de Bruges, Roger Vangheluwe, foi forçado a demitir-se em 2010 por um episódio de agressão sexual a um sobrinho.

No mesmo ano, a casa do Cardeal Danneels, então arcebispo emérito de Mechelen-Bruxelas, o gabinete do arcebispo e até a cripta da catedral foram revistados sob as ordens do Ministério Público sob suspeita de encobrir casos de abusos de menores. O procedimento, que causou algum mal-entendido devido à sua dimensão espectacular, foi posteriormente anulado devido a um defeito formal.

O cancelamento do cardinalato, uma situação sem precedentes

O Bispo Luc Van Looy era um grande amigo do Papa Francisco, que o apreciou particularmente pelo seu empenho para com os pobres durante o seu mandato como Presidente da Cáritas Europa. Nascido em 1941 e ordenado sacerdote em 1970 para os Salesianos de Dom Bosco, foi missionário na Coreia de 1972 a 1984, antes de ocupar vários cargos na sua congregação durante quase duas décadas, nomeadamente como chefe de missões e de pastoral juvenil a nível internacional.

Foi nomeado por João Paulo II como Bispo de Gante em 2003 e tomou posse no início do ano seguinte. Permaneceu em funções até 2020, tendo o Papa Francisco mantido o seu cargo muito para além da idade canónica da reforma de 75 anos.

Esta renúncia ao cardinalato entre o anúncio de um consistório e a sua reunião é uma situação nova na história recente da Santa Sé. Antes do pontificado de Francisco, os futuros cardeais foram informados antes do anúncio público, o que poderia deixar a alguns a possibilidade de declinar a proposta do Papa sem qualquer cobertura mediática. Agora, os cardeais-designados informam-se sobre os anúncios do Papa em tempo real e são apresentados com um fato consumado.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CardeaisDireto do VaticanoPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia