Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 08 Fevereiro |
São Paulo de Verdun
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Encontro Mundial das Famílias a começar em breve

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
POPE FRANCIS,MMWMOF

HANDOUT | WMOF18 | MAXWELL | AFP

A handout picture shows Pope Francis as he addresses the gathering at the Festival of Families at Croke Park, Dublin on August 25, 2018 during his visit to Ireland to attend the 2018 World Meeting of Families. / AFP PHOTO / WMOF2018/MAXWELL / Handout / RESTRICTED TO EDITORIAL USE - MANDATORY CREDIT "AFP PHOTO / WMOF18 / MAXWELL " - NO MARKETING NO ADVERTISING CAMPAIGNS - DISTRIBUTED AS A SERVICE TO CLIENTS

I.Media para Aleteia - publicado em 21/06/22

Boletim Direto do Vaticano, 21 de junho

  • O que esperar do Encontro Mundial das Famílias?
  • O apelo do Papa para não esquecer o drama da Síria
  • Comunidades onde reina “um inferno de ciúmes” e “lutas pelo poder”

O que esperar do Encontro Mundial das Famílias?

Por Anna Kurian – O próximo Encontro Mundial das Famílias, marcado para 22-26 de Junho em Roma, será reduzido este ano para 2.000 participantes. A Conferência Episcopal Francesa enviará um grupo de delegados e dois casais franceses falarão no encontro, que tem como bússola a exortação apostólica Amoris laetitia (2016). Eles conversaram com I.MEDIA sobre o que esperam do evento.

Véronique Longchamp, chefe do Serviço Nacional para a Família e Sociedade (SNFS) da Conferência Episcopal Francesa, expressou a sua “grande alegria por poder reunir-se para celebrar o amor na família”. Para esta reunião específica, cujo número foi drasticamente reduzido em resultado da pandemia – havia 37.000 participantes em 2018 em Dublin – cerca de trinta pessoas virão da França.

Entre os membros da delegação francesa: três bispos – D. Bruno Feillet, presidente do Conselho de Família e Sociedade, D. Jacques Habert, bispo de Bayeux e D. Patrick Le Gall, bispo auxiliar de Lyon -, dois sacerdotes, e cerca de dez casais. “Queríamos que todas as realidades familiares estivessem representadas”, explica Véronique Longchamp, que cita várias sensibilidades, tais como as Equipes de Nossa Senhora, as Associações da Família Católica, pessoas divorciadas envolvidas numa nova união, pais de homossexuais, e uma pessoa que vive um celibato involuntário.

O congresso de três dias – de 23 a 25 de Junho – será dirigido por casais da Letónia, Burundi, Brasil, Canadá, Holanda, Bélgica, Taiwan, Austrália e Paraguai, que falarão sobre uma variedade de temas tais como dependência, violência, redes sociais, adoção e educação sexual.

Uma paisagem em mudança dentro da Igreja

Em França, Véronique Longchamp observa mudanças no cuidado pastoral da família desde a publicação de Amoris laetitia: “Nos últimos anos, várias dioceses estabeleceram caminhos de discernimento para acompanhar pessoas divorciadas que entraram numa nova união. Há também atenção às famílias com jovens homossexuais: em metade das dioceses, há agora um referente para este trabalho pastoral, e outros estão a pensar no mesmo.

Quatro anos após Dublin, houve outra evolução na forma como os temas foram abordados: no Encontro Mundial das Famílias em Roma, “quase 90% dos oradores são casais”, sublinha Guillaume Haudebourg, que está à frente de Cana – uma missão da Comunidade Chemin Neuf – com a sua esposa Sandrine. “São os casais que vão falar aos cardeais e não os cardeais que vão falar aos casais”, diz ele.

Os pais de três crianças, ambos com 47 anos, Guillaume e Sandrine, deixaram as suas atividades profissionais há quatro anos para se colocarem ao serviço da missão. Ambos falarão no Encontro, que terá lugar na Sala Paulo VI, sobre o tema “Ser cristão na era digital”.

O desejo de chegar a todos

Véronique e Benoît Rabourdin, líderes de Amour et Vérité – um ramo da comunidade Emmanuel – falarão também sobre a identidade e a missão da família cristã. Véronique explicou que o objetivo era sublinhar que o casal tem uma missão na Igreja e que eles representam “uma contraparte dos padres”.

Casados há 35 anos, pais de cinco filhos e avós de cinco netos, Véronique e Benoît Rabourdin escolheram, desde o seu casamento, servir juntos em várias associações. Este compromisso permite-lhes “descobrir os talentos uns dos outros, trocar ideias, experimentar a complementaridade, e também discutir…”, diz Véronique. Na véspera do Encontro Mundial, ela espera que a Igreja “confie em casais e famílias para difundir a boa nova do Evangelho”.

Durante as reuniões preparatórias com o Dicastério para os Leigos, Família e Vida, Véronique Rabourdin observou “um desejo muito forte de ir ao encontro de todos, de sair dos confins das nossas pequenas paróquias”. O dicastério pretende também “dar ferramentas pedagógicas para fortalecer a família numa sociedade onde a Covid isolou pessoas, num mundo que pode tornar-se muito egocêntrico, narcisista”, acrescenta ela.

Os representantes franceses vêem o Encontro Mundial como uma oportunidade de intercâmbio com casais de todo o mundo. Os temas da vida conjugal e familiar são verdadeiramente universais”, diz Guillaume Haudebourg. Podemos partilhar com famílias do Zimbabué, Colômbia, Canadá, e encontramo-nos com as mesmas questões.

O Encontro será aberto e concluído pelo Papa Francisco, que participará no Festival na noite de 22 de Junho, e que celebrará uma Missa na Praça de São Pedro no dia 25 de Junho com os participantes. A delegação francesa levará a Roma as relíquias do casal santo Louis e Zélie Martin e a sua filha Teresa de Lisieux, que serão exibidas na Basílica de São João de Latrão.


O apelo do Papa para não esquecer o drama da Síria

Por Hugues Lefèvre – Ao receber os bispos gregos melquitas reunidos em Roma para um Sínodo, o Papa Francisco renovou o seu apelo à comunidade internacional para encontrar uma solução “justa e equitativa” “para a tragédia da Síria”, a 20 de Junho. Ao mesmo tempo, o Cardeal Mario Zenari, núncio na Síria desde 2008, falou à Rádio Vaticano sobre a situação catastrófica em que o país se encontra hoje. Também relatou que o Papa lhe tinha deixado claro que permaneceria no seu posto apesar dos seus 76 anos de idade e 13 anos de presença em Damasco.

“As tragédias dos últimos meses, que infelizmente nos obrigam a voltar os olhos para a Europa Oriental, não nos devem fazer esquecer o que tem acontecido na vossa terra nos últimos doze anos”, lamentou o Papa Francisco aos cerca de trinta bispos católicos gregos presentes esta semana em Roma em torno do seu patriarca Youssef Absi, que tinha vindo de Damasco.

À sua frente, o pontífice argentino recordou o seu primeiro ano de pontificado, em 2013, “quando um bombardeamento da Síria estava em preparação”. “Organizámos uma noite de oração aqui em São Pedro”, recordou, relatando que a famosa expressão “amada e martirizada Síria” nasceu daquela vigília onde até os muçulmanos “que tinham trazido os seus tapetes” vieram rezar.

Os anos passaram, com os seus “milhares de mortos e feridos, milhões de refugiados no país e no estrangeiro”, comentou o Papa argentino. Referindo-se ao seu encontro com um jovem sírio cujos olhos estavam “quase sem esperança”, o Papa disse: “Não podemos permitir que a última centelha de esperança seja tirada dos olhos e dos corações dos jovens e das famílias! E lançou mais um apelo a todos aqueles que têm responsabilidades, no país e na comunidade internacional, para porem fim a estes anos de caos.

O Cardeal Zenari conta ao Papa sobre o sofrimento do povo sírio

Este encontro realiza-se três dias após a audiência privada entre o Papa Francisco e o seu núncio na Síria, o Cardeal Mario Zenari. “Infelizmente, trago também à vossa mesa o sofrimento que é ainda pior do que aquele que vos trouxe no ano passado”, o diplomata disse ao pontífice.

Na Síria desde 2008, o núncio trouxe assim à tona o “desespero” de um povo que se sente “esquecido” enquanto a crise libanesa, a Covid-19 e a guerra na Ucrânia colocaram o radar mediático longe deste país ainda atingido pelas sanções internacionais.

Enquanto havia 23 milhões de pessoas na Síria antes da guerra, as Nações Unidas estimam agora que há cerca de 14 milhões de pessoas deslocadas – metade delas no país. “Estas pessoas, como pode imaginar, não vivem em hotéis, mas dormem sob as estrelas, ao relento, mesmo por vezes no Inverno, quando o clima é muito rigoroso”, disse o Núncio de 76 anos de idade à Rádio Vaticano.

Nascido em Verona em 1946, Mario Zenari já passou 13 anos em Damasco. Embora devesse ter aposentado há um ano, o Papa quer que ele continue o seu trabalho, como ele lhe disse novamente na audiência de sábado. “O Santo Padre encorajou-me. Ele disse-me: ‘Dei um nuncio-cardeal à Síria’. E eu compreendi”, confidenciou ele, explicando que enquanto o Senhor lhe der saúde, ele ficará. “Não me sinto indispensável. Mas se encorajamos os cristãos a ficar, é normal que eu fique”, conclui ele.


Comunidades onde reina “um inferno de ciúmes” e “lutas pelo poder”

Por Hugues Lefèvre – Recebendo os missionários combonianos em audiência a 18 de Junho, o Papa Francisco condenou – sem nomear – aquelas comunidades religiosas onde “falta amor” e que depois se tornam “um verdadeiro inferno”. Também deu uma definição do discípulo missionário que não é “aquele que faz proselitismo” mas aquele que vive diariamente as Bem-aventuranças.

“Tantas vezes encontramos comunidades religiosas que são um verdadeiro inferno, um inferno de ciúmes, de lutas pelo poder… E onde está o amor? É curioso, estas comunidades religiosas têm regras, um sistema de vida… Mas falta o amor”. O Papa Francisco não pôs em causa as suas palavras quando recebeu os seguidores de São Daniel Comboni, o italiano que lançou uma obra de evangelização da África Central no século XIX. Contudo, deixou claro que estava a falar em geral e não sobre qualquer comunidade em particular.

O pontífice de 85 anos ficou surpreendido por uma das piores tentações na vida religiosa ser a da auto-referencialidade. Para ele, é uma “espiritualidade do espelho” que consiste em não poder abandonar-se a si próprio e regressar sempre ao seu próprio coração doente. Apontou então: “Todos temos um coração doente e a graça de Deus salva-nos. Mas sem a graça de Deus, todos ‘quebramos’!”.

O Papa insistiu que todas as iniciativas e programas são inúteis “se não estivermos em [Deus], e se o seu Espírito não passar por nós”. E propôs esta definição do bom missionário: “[Ele] é o discípulo que está tão unido ao seu Mestre e Senhor que as suas mãos, a sua mente, o seu coração são ‘canais’ do amor de Cristo”.

Portanto, o missionário não é aquele que faz proselitismo. Pois o “fruto” que ele espera dos seus amigos não é outra coisa senão amor, o seu amor, aquilo que vem do Pai e que ele nos dá com o Espírito Santo”, acrescentou, antes de apelar a um estilo de evangelização que seja “alegre, gentil, corajoso, paciente, cheio de misericórdia, faminto e sedento de justiça, pacífico”. Em suma, o Papa argentino concluiu: “o estilo das Bem-aventuranças”.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoFamíliaroma
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia