Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 09 Dezembro |
São Cipriano de Genouillac
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Papa expressa tristeza pelo assassinato de dois jesuítas no México

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
MEXICO

@Jesuitas_Mexico

I.Media para Aleteia - publicado em 22/06/22

Boletim Direto do Vaticano, 22 de junho

  • Papa condena a posse e modernização de armas nucleares
  • Papa expressa “tristeza” pelo assassinato de dois jesuítas no México
  • Francisco expressa compaixão pelo Afeganistão

Papa condena a posse e modernização de armas nucleares

Por Anna Kurian – “Como podemos considerar premir o botão para lançar uma bomba nuclear?” Esta foi a questão colocada pelo Papa Francisco aos participantes da primeira reunião dos Estados Integrantes do Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares, numa mensagem. Com o espectro da guerra nuclear a aproximar-se desde a invasão da Ucrânia pelo Exército russo, o Papa reiterou a sua oposição a qualquer posse destas armas, bem como à sua modernização.

Numa mensagem lida em Viena pelo Arcebispo Paul Richard Gallagher, Secretário para as Relações com os Estados, o Papa denunciou os perigos das “abordagens a curto prazo” e da “inação” sobre a questão nuclear. Dirigindo-se aos 86 Estados signatários do Tratado, que entrou em vigor em Janeiro de 2021, apelou uma vez mais ao “silenciamento de todas as armas”, antes de enfatizar a posição da Santa Sé: “O uso de armas nucleares, bem como a sua mera posse, é imoral”.

“Num sistema de segurança coletiva, não há lugar para armas nucleares e outras armas de destruição maciça”, insiste o Papa Francisco, que sublinha a “precariedade” de tal arsenal, com “o risco de acidentes, involuntários ou não” que implica, e o custo da sua manutenção.

Perante a “chantagem” do sistema nuclear, o pontífice apelou repetidamente à consciência da humanidade: “Como podemos considerar premir o botão para lançar uma bomba nuclear? Como podemos nós, em plena consciência, empenhar-nos na modernização dos arsenais nucleares?”

O desarmamento não é “uma forma de fraqueza”

Para o Papa de 85 anos, em vez de tentar assegurar “uma espécie de paz” através de “uma falsa sensação de segurança” e “um equilíbrio de terror”, a urgência é “banir da mente dos homens o medo e a expectativa ansiosa da guerra”.

O Bispo de Roma acredita que a responsabilidade da ação reside em múltiplos níveis: a nível público, como estados, e a nível pessoal, como indivíduos. “Neste momento particular da história em que o mundo parece estar numa encruzilhada”, encoraja a adesão e o respeito pelos acordos internacionais de desarmamento. Isto não é “uma forma de fraqueza”, diz ele, mas “uma fonte de força e responsabilidade” que promove a estabilidade.

O Tratado da ONU sobre a Proibição de Armas Nucleares, que entrou em vigor a 22 de Janeiro de 2021, torna ilegal a posse e utilização de armas nucleares ao abrigo do direito internacional. Mas nenhum dos países que têm a bomba atómica o adotou.

O próprio Vaticano, signatário do tratado, é frequentemente acusado de ingenuidade em matéria de armas nucleares. “A posição da Igreja não é idealista”, disse o Bispo Bruno-Marie Duffé, então secretário do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral, a I.MEDIA. Ele acrescentou: “Sabemos que é um longo caminho que requer paciência e verdade – sobre ações e sofrimentos passados em particular”.


Papa expressa “tristeza” pelo assassinato de dois jesuítas no México

Por Anna Kurian – “A violência não resolve problemas, mas aumenta o sofrimento desnecessário”, o Papa Francisco advertiu na audiência geral de 22 de Junho, dois dias após o assassinato de dois Jesuítas, Javier Campos e Joaquín Mora em Cerocahui, no México.

Após a sua catequese na Praça de São Pedro, o Papa jesuíta expressou a sua “dor” e “consternação” pelo assassinato dos seus “irmãos jesuítas”. Os dois religiosos foram mortos a 20 de Junho em Cerocahui, na região de Tarahumara, no norte do país.

Disse estar triste pelo número de assassinatos no México e assegurou à comunidade católica a sua proximidade “através do afeto e da oração” nesta “tragédia”.

Os dois Jesuítas assassinados tentavam defender um homem que estava a ser perseguido por uma pessoa armada, que procurava refúgio na igreja, explicou o Padre Luis Gerardo Moro Madrid SJ, superior provincial da Companhia de Jesus no México, numa mensagem relatada pelo Vatican News. Com 30 padres assassinados em dez anos no país, a Companhia de Jesus pediu “medidas de proteção”.


Francisco expressa compaixão pelo Afeganistão

Por Anna Kurian – Durante a audiência geral de 22 de Junho, o Papa Francisco assegurou “ao querido povo afegão” a sua proximidade após o terremoto que matou pelo menos 255 pessoas no sudeste do país, na noite de 21-22 de Junho. O Papa lançou também um novo apelo à paz na Ucrânia, quase quatro meses após o início da invasão russa.

Da Praça de São Pedro, o Papa disse estar próximo das famílias dos mortos, “dos feridos e de todos os que foram afetados pelo terremoto” no Afeganistão. Apelou à solidariedade para “aliviar o sofrimento” do povo, enquanto que os danos materiais são consideráveis.

Durante a audiência, o chefe da Igreja Católica também apelou mais uma vez em favor “do povo mártir” da Ucrânia. “Não esqueçamos a Ucrânia”, disse o Papa, que fez inúmeros apelos humanitários à população ucraniana nos últimos meses, mantendo-se muito cauteloso quanto à responsabilidade da Rússia pelo surto de hostilidades.

Ao saudar a multidão no início da audiência, o pontífice tinha crianças ucranianas no seu papamóvel que estavam a ser acolhidas numa escola primária em Roma.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoPadresReligiososViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia